segunda-feira, 9 de março de 2015

REBELDE PORQUE O MUNDO QUIS ASSIM

Beyoncé conseguiu lançar seu último disco de surpresa e todo de uma vez, incluindo os vídeos de cada uma das 13 músicas. Não houve vazamentos nem sequer notícias de que ela estaria preparando um novo trabalho - uma façanha e tanto se considerada a quantidade de pessoas envolvidas. Madonna não gozou da mesma sorte. Seu álbum "Rebel Heart" teve faixas inacabadas expostas na web no final do ano passado, e a resposta da diva foi liberá-las em três lotes distintos. O primeiro saiu antes do Natal, o segundo há cerca de um mês e o terceiro foi disponibilizado ontem no iTunes. Ainda faltam algumas faixas extras da versão super deluxe, que não sairá fisicamente no Brasil. E quem sabe mais uns demos, lados B, remixes, versões acústicas... Ou seja, "Rebel Heart" não tem hora para acabar. Também passa esta sensação durante a escuta: as 19 canções se sucedem ao longo de mais de uma hora, fazendo deste o mais longo CD de Madonna de todos os tempos. Também é, folgo em dizer, um dos melhores. Surpreendemente, o lado "rebel" está menos predominante que o lado "heart". Da metade em diante a pegada suaviza e o BPM diminui. Madonna cansou de dançar? É a idade, aham, que finalmente chegou? Mas há uma outra surpresa - as músicas são todas boas. E isto apesar do batalhão de produtores diferentes, que poderia ter gerado um balaio de gatos. Mas "Rebel Heart" é mais coeso que seu antecessor, "MDNA", e provavelmente vai deixar hits mais duradouros no catálogo de Madge. Ela pode não ser mais a imperatriz do universo - hoje em dia está mais para rainha-mãe - mas é admirável que ainda grave pop de alta qualidade. Nada de revolucionário (a mensagem de Madonna sempre foi mais ousada que sua música), mas nunca menos que bom.

7 comentários:

  1. Ok, prometo que vou tentar passar da 3ª faixa da próxima vez.
    Na primeira ~ouvida, me soou como Madonna imitando Britney (tipo WTF, né?). Nem parecia a mesma mulher que gravou Ray of Light e COAD, nos top 10 dos álbuns dos seus respectivos anos, para mim.

    Por outro lado, eu tava batendo cabelón com o remixes de Living for Love.

    ResponderExcluir
  2. O mio babbino caro
    "Madonna não gozou da mesma sorte". Não seria somente outra estratégia?

    ResponderExcluir
  3. Estava meio sem paciência com a Madonna depois dos dois últimos álbuns. Mas dei um voto de confiança e não me arrependi. O álbum é bom, as músicas soam sinceras, as melodias são bem construídas e têm uma coerência entre si. Vale a pena deixar a má vontade de lado e ouvir.

    ResponderExcluir
  4. Um dos melhores álbuns de Madonna? Se fosse lançado nos anos 90 pode ser, mas em 2015 é um som cansado, repetitivo e irrelevante, sorry. Tem que ser muito fã para gostar. Nem de longe se compara a Ray of Light, Music ou Confessions.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho Rebel Heart superior a Confessions e Music, principalmente no quesito letras. Muito tempo que Madonna não se arriscava com declarações pessoais, como fez em algumas músicas desse álbum. Musi

      Excluir
  5. A gravadora confirmou o lançamento das três edições em formato físico.

    ResponderExcluir
  6. Bola fora a análise sobre Angelica no F5. Fácil citar a atriz que defendeu, mas e a Tata Amaral, que criticou, está então louca? Enfim, mais interessante é ver que, independente da rejeição de alunos da faculdade a Rede Globo, ou da associação à escravidão, é ver que o casal 20 da Globo está virando motivo de vaia, piada e se mostrando de mau gosto e dissonante do país onde vive.

    ResponderExcluir