quinta-feira, 12 de março de 2015

A COMISSÃO QUE SE DISPUTA

Pouca gente tinha ouvido falar da Comissão de Direitos Humanos da Câmara de Deputados até 2013. Era um órgão tão inexpressivo que o PT abriu mão de comandá-lo – e assim também abriu caminho para que Marco Feliciano assumisse sua presidência. A gritaria foi imensa, mas o parlamentar pelo PSC aguentou o tranco e se tornou uma celebridade a nível nacional. Não admira que tenha sido reeleito com uma avalanche de votos. Por isto, a CDH agora é disputada por todos os políticos fundamentalistas: é o palanque perfeito para eles destilarem seu atraso mental e seduzirem a patuleia. Mas o PT acusou o golpe, e retomou a comissão no ano passado. Agora quase perdeu de novo, mas conseguiu costurar um acordo e excluir o celerado Sóstenes Cavalcante – que, como prêmio de consolação, ganhou a chefia da comissão que pretende “acelerar” a aprovação do famigerado Estatuto da Família. E como é que nós não estamos esfregando na cara desses bandidos a foto do Anderson, o filho de um casal gay espancado até a morte?

6 comentários:

  1. Um alento = estatuto da família não passara do STF
    Hosana nas alturas

    ResponderExcluir
  2. O mio babbino caro
    As ratazanas todas com seus rabos compridos, se refestelam no porão do navio, enquanto matam nossos filhos!

    ResponderExcluir
  3. Estamos ferrados. Desse legislativo só espero sandices. A CPI ontem foi um show de horrores, lamberam o Cunha mais que minha cachorra lambe a cria dela.

    ResponderExcluir
  4. Todo ano será uma briga infernal por essa Comissão. Sim ou com certeza?

    ResponderExcluir
  5. Anastasia Beaverhousen13 de março de 2015 13:26

    Meus amores ninguém ajudou tanto o Feliciano quanto o pessoal que abriu o berreiro quando ele assumiu (ui!) a CDH.
    Vivamos com isso.

    ResponderExcluir