quarta-feira, 4 de fevereiro de 2015

NOS MÁXIMOS DETALHES

Conheci o trabalho de Ron Mueck na Bienal de Veneza de 2003, muito antes dele se tornar famoso no Brasil. É uma coisa impressionante: um artista plástico do qual poucos tinham ouvido falar há um ano agora é o recordista de público da Pinacoteca de São Paulo, repetindo o sucesso que já tinha feito no Rio e por onde quer que passe. Mueck é "fácil" de entender: figurativo, colorido, hiperrealista. Ou nem tanto. As proporções de seus gigantes não são perfeitas: rostos, pés e mãos são grandes demais, o que dá a essas figuras um sutil aspecto de bebês. Mas os detalhes são de arrepiar. A maneira como uma mão se dobra, os pelinhos das pernas, as unhas mal cortadas. Cada estátua conta uma história, como a do casal de velhinhos que ainda se ama curtindo um dia na praia. São só oito, além de um filme silencioso de 52 minutos que mostra o artista em seu ateliê. A mostra fica em cartaz em SP até o dia 22, e não há filas durante a semana no horário do almoço. Ótima para se levar crianças e iniciá-las nesse mistério que é a arte.

Um comentário:

  1. Na verdade, você provavelmente já viu obras dele e não sabia. Ele trabalhou com Jim Henson. De cabeça eu lembro que ele participou da produção dos fantoches de Labirinto.

    ResponderExcluir