sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

ESTUPIDEZ AMERICANA


Muitos críticos estão maravilhados com a suposta ambiguidade de "Sniper Americano". O filme seria a favor ou contra a intervenção americana no Iraque? Seu protagonista, o mais bem-sucedido franco-atirador da história dos EUA - com pelo menos 160 mortes no currículo - é um herói ou um vilão? Pois eu não percebi nada disso. Em nenhum momento se discute a real necessidade de se derrubar Saddam Hussein, que o governo Bush pintou como o mandante dos atentados do 11 de setembro. Saddam era terrível e mereceu o fim que teve, mas não possuía as tão faladas armas de destruição de massa - e o Iraque talvez esteja ior hoje do que sob seu jugo, com o ISIS dominando boa parte do norte do país. Tudo isso passa batido pelo roteiro, que é dos mais simplórios que eu já vi. O personagem foi educado por um pai rigoroso, que o apresenta aos rifles ainda criança; é levado a acreditar numa baboseira de que o mundo se divide entre "ovelhas", "lobos" e "pastores", e que é seu dever pertencer à última categoria; fica horrorizado quando vê as Torres Gêmeas caírem. Tudo bem mastigadinho, que é para o americano médio entender direitinho. Não é por outra razão que "Sniper Americano" já acumulou mais de 300 milhões de dólares por lá, mais do que todos os demais indicados ao Oscar de melhor filme juntos. Além do mais, não existe exatamente dilema moral nem remorso. Todas vítimas que aparecem na tela sendo derrubadas pelo atirador são de fato culpadas, o que evidentemente não aconteceu na vida real. O único drama na vida do sujeito é seu medo de morrer. Depois de quatro turnos no Iraque, ele está tão apavorado que qualquer barulhinho o apavora. De volta em casa, ele vai ensinar tiro a veteranos de guerra tão traumatizados como ele - não exatamente a ocupação ideal para gente perturbada. De produto de um meio que glorifica as armas de fogo, ele acaba se tornando vítima. Mas essa é uma constatação minha, não a dos autores do filme, que o tratam como um ídolo. "Sniper Americano" é mais um título reacionário na extensa fimografia de Clint Eastwood, e não merece nenhuma das indicações ao Oscar que recebeu. Principalmente a de Bradley Cooper, cujo único mérito foi ter ficado bombado para o papel. Ele está apagado em cena, e tirou o lugar de atores que mereciam muito mais, como Ralph Fiennes ou Jake Gylenhaal. Enfim: eu meio que sabia que não ia gostar de "Sniper Americano", e só o assisti para completar minha tabelinha do Oscar. Tomara que esse manifesto pró-estupidez saia de mãos abanando.

18 comentários:

  1. Bombando nao, ele tá inchado né, com aquele rosto empapuçado parecido com de alcoólatras. Eu li uma entrevista com o real pouco antes dele morrer. O cara falava absurdos, se achava o tal e ainda inventou várias passagens heroicas pra sua bio.

    ResponderExcluir
  2. Ainda estou aguardando seu review de 50 tons de cinza... que sniper americano que nada!
    Ju Mom Reloaded
    #mommyporn

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como assim, aguardando? Já saiu faz uma semana! Rola a página lá para baixo.

      Mas eu mando o link para você no Feice.

      Excluir
  3. Alguns americanos não resistem a enaltecer suas (falsas) glórias. Assim como nós aqui não resistimos a enaltecer que nosso povo é resiliente e sabe tirar grandes glórias da pobreza. São praticamente arquétipos a serviço da máquina de fazer dinheiro às custas de quem acredita nesses maniqueísmos.

    ResponderExcluir
  4. E o Sadovski que adorou o filme? MDDC, e ganha a vida como crítico.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sadovski é honesto em chamar-se de "Nerdovski". O gosto dele é raso e medíocre, como o dos nerds em geral.

      Excluir
  5. Titia Clint tem que ser internada junto com o resto do GOP, tem uns filmes dele que amo, mas 90% acho overrated. Oscar prestou (mais um) desserviço ao nomear essa propaganda lunática.

    ResponderExcluir
  6. oscar não premia baseando-se em mérito. é um prêmio norte-americano para norte-americanos. há alguns anos atrás usou-se a palavra "convescote" pra defini-lo - e eis uma palavra que realmente o traz em boa análise. lembrem-se de orwell - todo o resto é propaganda. tonyah a sra coleciona blu-rays? =D

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Só tenho três: "La Grande Bellezza". "Mary Poppins" e "Frozen".

      LET IT GOOOOO LET IT GOOOOO

      Excluir
  7. que radical meu jovem. não pode deixar a paranóia patriótica americana contaminar os méritos do filme, pois há muitos ;) mas opinião é que nem ** né, cada um tem o seu ;) abs

    ResponderExcluir
  8. Gosto do Bradley assim bombadão (I like it beafy), de resto, mais do mesmo. Esse filme lembra aquele outro que venceu o Oscar, da ex mulher do Cameron, a tal Kathryn Bigelow. O filme era um saco, como tudo o que ela faz, mas os americanos tem trauma com essas guerras recentes, então acho que funciona meio como catarse, sei lá...

    ResponderExcluir
  9. Tá amargo hein Tony! Credo bee!
    Mas, voltando ao filme, não vi e nem quero, porque o tema não me interessa. Desses filmes da guerra do Iraque o único que assisti até hoje foi No vale das sombras, com o Tommy Lee Jones e a Charlize Theron. Mas os estadunidenses estão fazendo o que se espera deles, tem trocentos filmes sobre a 2ª guerra, sobre a guerra do Vietnã e agora essa. Tony, dizem que outra coisa que contou pontos é que o Bradley está fluente em "texano", no entanto, concordo contigo sobre os que ele tirou o páreo e somo um, o protagonista de Selma.
    Não concordo quanto a todos os Oscar serem injustos, são sempre filmes de guerra/ação que ganham de melhor efeito sonoro e melhor som, sem falar que o Clint é um dos melhores diretores da atualidade.
    Como disse, não vi, não pretendo e embora simpatize com o protagonista, minha torcida é pro Camberbatch!

    ResponderExcluir
  10. Queria o Bradley de qualquer jeito!
    Falei! #franca

    ResponderExcluir
  11. "Tudo bem mastigadinho, que é para o americano médio entender direitinho." "[...] e não merece nenhuma das indicações ao Oscar que recebeu. Principalmente a de Bradley Cooper, cujo único mérito foi ter ficado bombado para o papel." hahahahahahaha, me divirto com seu estilo de escrita, Tony!

    ResponderExcluir
  12. Aparentemente trazer os fatos = amargura. Eu QUASE tenho vontade de ver o filme só pra poder comentar. O Clint é overrated mas é melhor cineasta que a média, por isso minha dúvida em assistir ou não.

    Continue bem amargo Tony ;*

    ResponderExcluir
  13. Ele é peça pequena no jogo de xadres.

    ResponderExcluir