sexta-feira, 9 de janeiro de 2015

TUM-DUM-TSS


Eu estava curioso para ver "Whiplash" mais por causa das excelentes críticas. A história me parecia manjada: professor cruel maltrata o aluno, para o próprio bem deste. No fundo o malvado é boa praça. Só que o filme vai bem mais fundo do que isto. O aluno não é nenhum santinho. Extremamente competitivo, despreza os rivais e toma atitudes que beiram o mau-caratismo. Mas o professor é ainda pior... Mais não posso contar. Ambientado numa fictícia escola de música, "Whiplash" se passa quase todo em auditórios e salas de ensaio, e é refrescante ver no cinema o mundinho das jovens virtuoses do jazz. Miles Teller é o novo menino-prodígio de Hollywood: apesar da cara comum, tem muita presença em cena, e aprendeu a tocar bateria como um profissional. Mas a grande sensação é o veterano J. K. Simmons, já favorito para o Oscar de ator coadjuvante. "Whiplash" é muitíssimo bem dirigido, atuado e editado, e tem mais supense do que muitos filmes de ação. É tenso, divertido, energizante feito um solo improvisado. O primeiro grande filme de 2015.

6 comentários:

  1. Tenho um "carinho todo especial" para com o J.K. Simmons, desde Oz... :D

    ResponderExcluir
  2. Senti uma vibe Cisne Negro no jazz!

    ResponderExcluir
  3. mai num é q o toinho falou bem de um colega roteirista? Pensei q nunca....

    ResponderExcluir