segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

MISS UNIVERSO AO MEU REDOR

Não faltam lances bizarros em concursos de beleza, mas o mais engraçado é a pretensão deles serem mais do que aquilo que são. No Miss Universo, por exemplo, repete-se o tempo todo que importante mesmo é o trabalho filantrópico que a coroada irá realizar, não suas medidas perfeitas. E por causa disto surgiu aquela constrangedora etapa das perguntas. A pobre coitada, com dois litros de laquê na cabeça e de cima de um salto doze, tem 30 segundos para responder como acabaria com o terrorismo islâmico, ao mesmo tempo em que continua linda e simpática. A 63a. edição do certame teve disso tudo, e ainda um desfile de fantasias absurdas que ainda são chamadas de "trajes típicos" - como se uma camponesa da Indonésia fosse colher arroz vestida de templo de Borobodur. Esta, aliás, foi a roupa favorita do público, mas é óbvio que nenhuma superava a apropriadíssima Nossa Senhora encarnada pela Miss República Dominicana. Mas se a vencedora também tivesse sido eleita pelo voto popular, a vencedora provavelmente seria a Miss Jamaica, minha preferida e a da plateia também. Era das poucas que escapava do clichê corpão/carão/cabelão, com um corte joãozinho e um rosto anguloso que teriam feito história. Mas o júri caretão preferiu a Miss Colômbia, totalmente clichê. Aliás, todas as escolhas pareceram subjetivas ou aleatórias: havia muitas belezas exóticas entre as 88 candidatas, a maioria bem melhor que as finalistas. O Miss Universo voltou para a mídia depois que foi comprado por Donald Trump alguns anos atrás, mas é uma relíquia de priscas eras. Sempre me sinto culpado por assistir, e mesmo assim continuo assistindo.

5 comentários:

  1. "A 63a. edição do certame teve disso tudo, e ainda um desfile de fantasias absurdas que ainda são chamadas de "trajes típicos" - como se uma camponesa da Indonésia fosse colher arroz vestida de templo de Borobodur".
    Rindo litros aqui...

    ResponderExcluir
  2. Fazia um tempão que eu não via uma seleção de candidatas tão bonitas. A candidata da Jamaica realmente era uma das melhores, poderia ser a vice da Gabão, ao meu ver, a mais linda.

    ResponderExcluir
  3. Pelo jeito, a Miss Jamaica não era apenas a sua favorita;
    http://www.dailymail.co.uk/news/article-2926211/The-ravishing-brunette-Colombia-takes-Miss-Universe-crown-Paulina-Vega-beats-finalists-USA-Jamaica-Ukraine-Netherlands-2015-crown.html

    ResponderExcluir
  4. E a história de que o estado do Ceará tentou muito comprar o título pra candidata brasileira? Aliás, que nem dizem que fizeram no miss Brasil. Mas pelo jeito Trump teve oferta melhor.

    ResponderExcluir
  5. A minha Miss Universo é jamaicana, mas...
    ps. Abraço e respeito.

    ResponderExcluir