terça-feira, 13 de janeiro de 2015

GELATINA TÓXICA

Gilberto Kassab está se tornando um dos mais repugnantes políticos brasileiros, e com um poder desproporcional a sua magra votação. O ex-prefeito de SP amargou um distante terceiro lugar na úlitma eleição para senador, mas foi agraciado com o ministério das Cidades. O segredo está no PSD, o gelatinoso partido sem ideologia que ele criou para atrair parlamentares que queriam entrar para a base de apoio do governo. Aproveitou-se de uma brecha na lei, que pune a infidelidade partidária com a perda do mandato - a não ser que o infele esteja migrando para um partido recém-fundado. Agora Kassab repete a maracutaia: inventou o Partido Liberal só para servir de guarida para quem quiser puxar o saco e cobrar favores da presidência. E ainda teve a desfaçatez de anunciar que o o PL vai durar pouco: assim que terminar essa temporada de adultérios, ela será incorporado ao PSD. Enquanto isto, Marina Silva não consegue juntar as assinaturas necessárias para criar sua Rede. Ainda pode levar um tempo para a justiça eleitoral melar essa festa, pois uma mudança na lei vigente não se aprova de uma hora para a outra. Isto se for aprovada, porque nossos queridos políticos estão adorando as espertezas do Kassab. É uma pena: ele poderia ter se tornado um expoente da moderna direita brasileira, sem coronelismo, tão necessária ao funcionamento da democracia. Preferiu ser um bosta como muitos de seus pares.

10 comentários:

  1. O mio babbino caro
    Essa Maricona é danada!

    ResponderExcluir
  2. Alguém sabe de onde vem o prestígio político dele?
    Das urnas é que não é.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vem justamente dessa incrível capacidade de inventar partidos para atrair oposicionistas para a base do governo.

      Excluir
  3. Ainda bem q existe Haddad né gente?;) dou tudo q tenho por uma sex tape dele.

    ResponderExcluir
  4. Quando se fala em direita e esquerda, nova direita e nova esquerda, centro e etc, eu me sinto perdido na selva de Lost. Esses conceitos quase não encontram respaldo na prática. Elege-se um governo de esquerda para governar como direita; um governo à direito investe em programas sociais, caros à esquerda, e por aí vai. No fim, tudo parece acrobacia para se ganhar votos.
    Mas, cá entre nós, que lei mais capenga é essa? Encaixa-se perfeitamente naquela máxima: mudemos, para deixarmos tudo igual. E o nosso elenco político não tem como melhorar assim.

    ResponderExcluir
  5. Ainda bem q vc existe.

    ResponderExcluir
  6. Tony, sou mulher, moro em Paris e algo 'quebrou' dentro de mim no dia dos ataques. Não só pq eu moro perto do 11 mas pq me fez entender q como sociedade voltamos a mentalidade do século XV, eu já sofri MUITA misoginia, o Brasil naturalmente sempre foi um país machista, mas n foi só no Brasil, qdo eu tinha 20 anos e morava em Londres um namorado me disse:'claro q vc é puta, o Brasil tem o maior número de prostitutas. Vc gosta de sexo e gosta de dinheiro, transar por dinheiro é tudo pra vc' Como mulher eu já ouvi muita merda, mas essa foi de longe a pior. Pra mim é motivo de prisão, mas a misoginia assim como a homofobia não foi criminalizada. É talvez a pior época para ser mulher, as convicções religiosas raiz do machismo no mundo foram internalizadas por homens e mulheres de todas as crenças. A luta pelo direito de ser gente e não escravo de Deus é 'a luta' do século XXI

    ResponderExcluir
  7. Então esse boato que ele é gay é verdade? Alguém sabe de alguma história sobre ele??

    ResponderExcluir
  8. Dizem as más línguas que, por um bom tempo, o Serra comia ele nos porões do palácio. Agora é a Dilma...

    ResponderExcluir