terça-feira, 27 de janeiro de 2015

BREGA NÃO-CHIQUE

Ai, gente, não adianta. Não consigo me empolgar com quase nada do cinema independente brasileiro. Execrei "Depois da Chuva", que está sendo saudado como nosso melhor filme da década até agora. Não entendi a celeuma ao redor de "O Som ao Redor" dois anos atrás. Só gostei mesmo de "Tatuagem", a ponto de incluí-lo na minha listinha dos melhores de 2013. Foi por causa desta exceção que confirma a regra que me animei a ver "Amor, Plástico e Barulho". E também por causa do trailer, que promete uma briga de unhadas entre duas cantoras da cena brega do Recife. Mas o filme consegue ser chato apesar de curto, e de contar com números musicais tão horríveis que são fabulosos. Salva-se a dupla de atrizes, Maeve Jinkings e Nash Laila (onde foi que elas arranjaram esses nomes? também quero!). Mas vou pensar muito antes de sair de casa para ver a última pérola do cinema regional que está agitando a crítica.

12 comentários:

  1. 'Tatuagem' é realmente MARAVILHOSO. Muito melhor que 'Praia do Futuro', por exemplo.

    ResponderExcluir
  2. É de Recife? Passo.
    Preguiça enoooorme desses "artistas" pernambucanos.

    ResponderExcluir
  3. Me encantou este filme, Tony. A fuga dos clichês fáceis da cultura brega, as personagens com dramas bem visíveis trouxeram uma esperança bonita pro cinema. E o sarro que eles tiram de si mesmos é muito bom. A cena do musical no ônibus é de uma graciosidade anárquica que precisamos ter com mais frequência: não levar a sério nada, inclusive, nós mesmos.

    ResponderExcluir
  4. Também adorei "Tatuagem". <3 Fininha.

    ResponderExcluir
  5. Tony, a Maeve é prima da minha prima (seria isso terceiro grau? Não sei), e apesar de parecer artístico, esse é o nome verdadeiro dela. Foi ela que fez "Som ao redor", era ela a mãe que dava tranquilizantes para o cachorro do vizinho. Ela na verdade é de Belém do Pará, e a família Jinkings há anos tem uma das livrarias mais tradicionais da cidade.

    ResponderExcluir
  6. Bons mesmo são os da Globo Filmes , certo? KKKKK

    Sugiro a quem se interessar em bizarrice, assistir o trailer do filme Entre Abelhas, com o Porchat pagando de ator "sério" KKKKKKK.

    É de chorar de tão ridículo. E o "argumento"? KKKKKKKK

    https://www.youtube.com/watch?v=q3jvRX21RIg

    ResponderExcluir
  7. Por que "cinema regional"?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Feito fora do eixo Rio-SP. Mas claro que, a rigor, todo cinema é regional, porque é feito em alguma região.

      Excluir
    2. Tá no século de rever esses conceitos.

      Excluir
  8. O cinema pernambucano é o mais criativo de Brasil. Ponto. Que se doa a kerouak ai de cima e sua dor de cotovelo.

    ResponderExcluir