terça-feira, 2 de dezembro de 2014

FALTOU MILAGRE


Irmã Dulce vai ser canonizada mais cedo ou mais tarde, mas para muitos brasileiros ela já é uma santa. Para o cinema também: a protagonista de "Irmã Dulce" não tem nenhum conflito interno, nem a menor contradição. Só a obsessão em cuidar dos pobres. Não entra em crises de fé, como as que Madre Teresa de Calcutá confessou em sua autobiografia, nem fica em dúvida sobre sua missão na Terra. Sobram os conflitos externos. Mas com o governo quase não há, e o roteiro prefere não explorar a relação da freira com Antonio Carlos Magalhães (que aparece na tela, sem ninguém jamais dizer seu nome). Com a Igreja há um pouco, mas é mal explicado: por que ela incomodava tanto as autoridades eclesiásticas? E por que ficou de fora da primeira lista de convidados para conhecer o papa João Paulo II? Pelo menos Bianca Comparato e Regina Braga estão fantásticas, assim como a fotografia, o figurino, a música e a direção de arte. Pena que essa história seja contada com toda a calma do mundo, naquele toada vagarosa tipicamente... baiana.

17 comentários:

  1. sei que você não se vê como preconceituoso(muitos não conseguem se ver assim, mas todos somos e temos que lutar contra isso): você insiste em reproduzir preconceitos regionais cruéis como o da "preguiça baiana".
    Ainda que fosse verdade a tal preguiça, ela nada mais seria do que a visão pejorativa de um indivíduo alienígena sobre o estilo de vida de um povo que lhe é totalmente desconhecido.
    Interpretação equivocada de um estilo de vida que não se fez do dia para a noite, mas vem de processo histórico e das raízes daquele povo, de passado escravocrata, uma vergonha que esse país ainda carrega e que devíamos ajudar a desconstruir, e não a perpetuar no tempo...
    Escravos é que eram vistos pelos senhores de engenho como preguiçosos e que só trabalhavam com chicotadas... Pra que reproduzir essa visão terrível no ano de 2014?
    Preguiça é tido culturalmente como "pecado capital"(é o conceito que ai está mesmo que seja uma afirmação sem substância) e rotular a preguiça como baiana é, sim, algo depreciativo. E, francamente, bastante errado.
    Continuo fã e acho apenas que é preciso muito mais cuidado quando se está lidando com a identidade cultural de um povo ainda em formação.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olha, a sua reclamação me comoveu e eu troquei a palavra "preguiçosa" por "vagarosa". Porque não quero passar nenhuma conotação pejorativa.

      Agora, você não pode negar que o ritmo da Bahia é mais lento - para o bem e para o mal.

      Excluir
    2. Ritmo baiano não tem nenhuma conotação. Aprovadíssimo....

      Excluir
    3. Alguém diria que Ivete, Pitty, Claudinha, Timbalada, Brown e Daniela juntamente com seus seguidores tem um ritmo mais lento que o restante do Brasil? Para mim parece o contrário, os baianos em geral são elétricos e mais acelerados que as pessoas de outros lugares. Não sei de onde vem essa ideia de ritmo mais lento, mas parece mesmo ser algo repetido apenas para depreciar e pior ainda, não corresponde à realidade.

      Excluir
    4. Vem do serviço dos hotéis e restaurantes frequentados por turistas do sul, que costuma ser realmente mais lento do que em SP. Eu mesmo passei por algumas situações do gênero.

      Mas não acho necessariamente ruim - pode ser reflexo da atitude mais relax que os baianos têm diante da vida.

      Excluir
    5. kkkkkkkkkkkkkkk
      Quando li o post pensei: "Q porra de vagaroso é essa?"
      Oxe, a polêmica já tá comendo no centro nos comentários, mas como eu sei que você é inteligente, dá para sacar que não é preconceito, mas sim aquela visão regional típica do Brasil continental: carioca é malandro, paulista é trabalhador, baiano é preguiçoso, mineiro é interiorano... e no final das contas, todos nós brasileiros somos um pouco de tudo isso!
      Te amo meu carioca malandro!
      Axé!!!!

      Excluir
    6. Choquei com o Tony reproduzindo preconceito. Então os africanos, baianos, bolivianos, paraguaios entre outros povos são os lentos. Afinal, esse é o problema deles, a lerdeza. Não sua marginalização e o pouco acesso a cultura globalizada, e sim a lerdeza. Claro, isso de acordo com o Tony.
      Gays são promíscuos, podemos comprovar isso pelo alto índice de contaminados pelo HIV dentro da comunidade, isso porque já nascem aberrações anti-família, e não porque foram segregados e obrigados a esconder sua sexualidade, só a mostrando em seus guetos e banheirões.

      Tony, vocÊ só não é um Bolsonaro clean porque nasceu gay e isso lhe obrigou a ficar do lado das minorias. Não é a primeira vez que faz esse tipo de coisa. Lembro-me até hoje do seu post sobre os protestos relacionados ao aumento dos 20 centavos e a futilidade demostrada por vocÊ, reclamando que isso estava acabando com sua ida ao cinema/restaurante( não me lembro direito) por causa do trânsito. "Mudou de opinião" quando seus leitores ficaram chocados. VocÊ me lembrou o Datena com a enquete sobre as manifestações.

      Ps: Espero que não censure meu comentário.

      Excluir
    7. Ah tony, já ia esquecendo, vocÊ não pode negar que gays são promíscuos e aberrações, para o bem ou para o mal. :) bjs

      Excluir
    8. Mas não acho necessariamente ruim - pode ser reflexo da atitude mais puta que os gays têm diante da vida.

      Excluir
    9. Anônimo, vai pra puta que te pariu. Pronto.

      Me pegou num dia ruim. Não estou com paciência para babacas como você.

      Mas vamos lá: reproduzindo preconceito? Ah, vá pra puta que te pariu (2). Falei que o ritmo da vida é mais lento na Bahia. Pergunte para algum baiano que more em SP se ele gosta do stress dos paulistanos.

      Claro que é uma generalização. Claro que há exceções. Claro que a relaidade não é bem essa. Mas toda generalização tem um fundo de cerdade. E as culturas são diferentes entre si. Têm características que as individualizam.

      E onde foi que eu falei em africanos, paraguaios, bolivianos? Não ponha palavras na minha boca. Vá pra puta que te pariu (3).

      Quando às manifestações de junho de 2013, é verdade que no começo eu fui contra. Vi a Paulista depredada e fiquei chocado. O que é que o pobre do jonrlaiero que teve sua banca destruída tem a ver com o aumento da passagem?

      Mas depois o movimento engrossou, muito mais gnte aderiu, a PM reagiu com violência desmedida e eu mudei de ideia. Só não muda de ideia quem não as tem.

      Mesmo assim, continuei sendo contra a violência. Detesto os black blocs, acho que foram eles que enfraqueceram o movimento. Aposto que foram manipulados e até infiltrados pelo governo para assustar a classe média e afugentá-la das ruas. As manifestações se enfraqueceram e se deslegitimizaram, graças a esses babacas.

      Ah, e gays são promíscuos sim, porque HOMENS são promíscuos. É biológico.

      Para encerrar, vá pra puta que te pariu (4).

      Excluir
    10. Acho que os baianos ficam meio devagar e sonolentos por causa da ressaca por que vão trabalhar depois de quatro dias virados na balada. Eu não sou baiano, mas também fico assim.

      Excluir
    11. Oxente.

      Você cita vagarosidade baiana para criticar negativamente o ritmo de um filme.

      Justifica que os restaurantes e hotéis baianos são considerados lentos por você e turistas do sul, que, claro, vieram para cá sem qualquer olhar de preconceito buscando confirmações de regra.

      Tenho-até-amigos-que-são.

      E se eu receber um atendimento lento de um restaurante paulista (wtf isso com restaurante), será, claro, uma exceção. De um baiano, comprovação da regra.

      Porque todo preconceito tem um fundo de verdade.

      Essa ideia de para o bem e para o mal nunca nunca nunca funcionou com meus chefes. :( Porém quero descontar meu "para o bem", porque né, ando meio estressado, e quero minha vagarosidade em dinheiro.

      Não me ofende. Mas que tolice, Tony.

      Que preguiça disso. (ops)

      NEXT!

      Excluir
  2. O mundo cada vez mais chato com esses Pcs...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. No c* do outro é refresco!

      Excluir
  3. O filme é um porre. E o que eu mais queria ter visto, que era a Salvador daquele tempo, mal aparece. A cena dela conversando com a irmão na frente do chroma-key com foto antiga do Porto da Barra dói.

    ResponderExcluir
  4. O mio babbino caro
    O mais terrível, e oque mais dói, é você ver confirmada, todas as suas previsões, quando esses filmes são anunciado. E não há perspectiva de que isso vá mudar...O Pelé foi melhor que o Maradona.

    ResponderExcluir