quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

A GRAVATA FISCAL

De todas as cagadas do governo Dilma na economia, nenhuma tem consequências mais danosas do que a famigerada manobra fiscal. Se aprovada, ela vai liberar a gastança sem limites em todas as esferas do poder executivo e atravancar de vez o crescimento. É um retrocesso inacreditável - e imperdoável. Antes que alguém diga que a política econômica da presidenta foi o que garantiu o emprego, eu sugiro que se olhe para a Bolívia. Sim, a Bolívia, onde Evo Morales acaba de ser reeleito para seu centésimo mandato. Mas o proto-ditador está adotando uma rígida responsabilidade fiscal, e ainda assim o país cresceu mais de 5% no último ano. Por aqui a base aliada prefere acusar os manifestantes que tumulturam o Congresso ontem à noite de "claque comprada" (não são, são filiados aos partidos da oposição). Jandira Feghali - que é do PC do B, aquele partido que segue a linha albanesa mesmo depois da Albânia comunista ter ido pro caralho - usou até a atual tática favorita dos governistas, que é chamar de machistas quem não concorda com eles (a turba gritava "vai para Cuba", e ela entendeu "vagabunda"). Sei não, mas violência contra a mulher me parece mais a gravata que os seguranças aplicaram nessa perigosíssima senhora de 79 anos.

25 comentários:

  1. Nao adianta, os eleitores do PT nao sao dotados de autocritica. Vivemos na Suecia, o PSDB nao representaria mudanca. E viva o Carnaval

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que falta autocritica a vc, ja que não concorda que o PSDB não representaria mudança, quando as falhas que já começaram nesse governo p qual votei, fico calado. Mas PSDB não representaria mudança msm, ainda mais com o Aécio Neves, "meritocrático", que nunca passou em concurso na caixa, mas estava lá.

      Excluir
    2. Se os tucanos tivessem um pingo de auto crítica não teriam perdido as três últimas eleições, mesmo com mensalão, petrolão e péssimo governo de Dilma para atacar. Só que os candidatos tucanos conseguem ser piores opções, inclusive o Aécio, que adora carnaval!

      Excluir
    3. Aécio meritocrático?? Como se o P T não nomeasse para cargos importantes pessoas por interesses e não exatamente por mérito...

      Acho que deveríamos combinar que certas coisas ninguém, de nenhum partido poderia acusar ao outro... afinal... como dizia a música..."bandido... mocinho... é tudo.. farinha do mesmo saco."

      Excluir
  2. Hahahaaha. "Vai pra Cuba".
    Ano de eleição é sempre ano de benesses que depois vêm cobrar a conta.

    To mais chocado com a candidatura do Eduardo Cunha à presidência da Câmara prometendo aprovar equiparação salarial dos deputados com ministros do STF. Bala perdida nunca acha esse homem, né? Nem Gilma quer ele lá.

    ResponderExcluir
  3. O Judiciário puxa de cá, o Legislativo puxa de lá, o superExecutivo fica paralisado no meio...
    Não há democracia possível nesse ambiente de crime e impunidade em que vivemos.
    Estamos vivendo tempos esquisitíssimos, cada dia mais tensos.



    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esquisitos? Mas sempre foi assim... a diferença é que a mídia não fazia um circo disso.

      Excluir
  4. Esse insistência de comparar Brasil com Cuba, Venezuela, Bolívia é tão patética e obtusa quanto o Lobão.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Temos que ir a Brasília ajudar o Lobão a liberar os 50 manifestantes (rysos):

      http://noticias.uol.com.br/politica/ultimas-noticias/2014/12/03/lobao-fura-bloqueio-entra-no-congresso-e-ameaca-ir-ao-stf.htm

      Excluir
  5. Fiquei assustado com o que ouvi ontem no Jornal da Cultura. Que os desvios na Petrobrás já somam a monta de 200 bilhões e que trata-se do maior caso de corrupção da história do mundo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. é isso é só a ponta do iceberg... Sabe de nada, inocente!

      Excluir
  6. Lobão virou um palhaço! Cada dia mais ridículo.

    ResponderExcluir
  7. O mio babbino caro
    Vê, estão voltando as flores
    Vê, nessa manhã tão linda
    Vê, como é bonita a vida
    Vê, há esperança ainda

    ResponderExcluir
  8. Falta à nossa política e à nossa imprensa uma autocrítica profunda.
    No ledo ano de 2001, quando o $ociólogo FHC era presidente e o Brasil era uma Suécia, a situação se utilizou de expediente semelhante (manobra fiscal) para justificar o injustificável. A mídia não chiou, a oposição (hoje situação) boquejou, mas o Congresso não foi invadido. Imagina em 2001, com FHC tão abençoado pela mídia, se a oposição à esquerda defendesse um rebuliço no Congresso!
    Em 2014, depois do tetra do PT, a situação tenta uma manobra fiscal, e a oposição de direita incentiva o rebuliço no Congresso, porque só eles podem manObrar. A mídia então se deleita com a "gravata".
    A esquerda e a direita no Brasil perderam o rumo de vez. E a imprensa, com tanto acesso à informação que existe na Internet, ainda tem coragem de minar ainda mais a pouca credibilidade que lhe resta.
    E à sociedade falta compreensão das regras do jogo democrático. A eleição é decidida em dois turnos. O terceiro turno é obra daqueles cujo fracasso turvou a visão.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Entnao devemos aceitar calados e felizes a manobra fiscal?

      Ou melhor,devemos APOIÁ-LA?

      Excluir
    2. Tony, eu escrevi "justificar o injustificável", e isso vale tanto para a situação atual quanto para a oposição (situação em 2001). Mas entre o feijão e o sonho, o abismo pode ser bem grande.
      O que reclamo mesmo é das reações diametralmente opostas da nossa direita, da nossa esquerda e da nossa imprensa diante dos fatos atuais em comparação com os mesmos fatos em 2001. Já pensou se venho aqui no blog amanhã e vejo você atacando os direitos igualitários? (#exorciza)
      No jogo democrático, cabe reclamar, não apoiar, protestar e também vale o contraditório. Mas também há formas mais civilizadas e inteligentes de se fazer oposição. De que serviu o rebuliço no Congresso, se cedo ou tarde a manobra fiscal vai à votação de qualquer jeito?
      Oposição não é inventar um terceiro turno, apostar em crises e ficar à beira de instalar uma guerra civil, porque alguns se recusam a desarmar o palanque.
      Os congressistas que lá estão foram legal e democraticamente eleitos para tomar certas decisões - pertinentes ou não. A oposição, também eleita legal e democraticamente, está lá para fiscalizar e, caso perceba malfeitos, tem o STF onde pode contestar depois.


      Excluir
    3. Sim, você tem razão. Mas o mundo mudou depois da internet. Hoje estamos todos muito mais atentos, e episódios assim vão se multiplicar. Bobagem dizer que há 10 anos atrás não rolava, porque não somos mais os mesmos.

      A confusão no congresso foi sim orquestrada pela oposição, mas isto é legítimo - o PT fez isso milhares de vezes. E o objetivo foi alcançado: não impedir a aprovação da manobras fiscal, que seria aprovada de qualquer jeito já que o governo tem maioria, mas chamar a atenção do público para o caso. Conseguiram.

      Excluir
    4. Mu Deus, isso tem gosto e cheiro de Senhoras de Santana às portas. Escrevam!

      Excluir
    5. Aplausos pro seu comentário, Emerson!
      Acho otimo estarmos mais engajados e atentos, mas é deprimente ver gente fina-elegante-sincera seja tao ingenua (ou mal intencionada) a pto de ignorar a historia e ver q o problema de corrupcao e troca de favores é institucional e endemico. Só evoluiremos c essa mentalidade.

      Excluir
    6. Eu queria entender melhor esse ódio anti petista, que faz até ativista pelos direitos igualitários votar alinhado com fundamentalistas religiosos e e ter o discurso semelhante ao de políticos reacionários.

      Excluir
    7. Concordo que a corrupção e a troca de favores são endêmicos e institucionais. Mas o fim da corrupção e o conversão dos impostos em benefícios para os cidadãos brasileiros dependem de 4 fatores:
      --- políticos e agentes públicos honestos - onde estariam?;
      --- judiciário imparcial, que não opte entre punir e engavetar perante as credenciais do malfeitor;
      --- imprensa imparcial, que não opte entre abafar e informar ou desinformar perante as credenciais do malfeitor;
      --- sociedade politizada (a nossa, na maioria, é alienada).
      Não gosto do termo "antipetismo", porque as práticas de PT e PSDB são semelhantes, quase siamesas - como diria Luciana Genro. E o PT não foi tão "progressista" em relação aos direitos igualitários, como deseja transparecer.
      A crise política atual - e todas as do futuro - é fruto podre da ausência dos 4 fatores elencados acima.

      Excluir
    8. Emerson, o antipetismo existe, está mais forte do nunca e é um fenômeno difícil de entender justamente porque PT e PSDB são muito semelhantes. Embora pessoas votem no PT ou no PSDB por razões diversas, ainda assim é muito estranho que fundamentalistas como Malafaia, reacionários como Bolsonaro e ativistas como Tony Goes votem no mesmo candidato. Não consigo entender qual a convergência entre interesses entre ideologias tão opostas.

      Excluir
  9. Essa manobra é valida pro orçamento atual, e com a equipe economica, Dilma ja sinalizou que esta comprometida com o ajuste fiscal.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Claro, e a Dilminha não mente.

      Excluir