quarta-feira, 19 de novembro de 2014

SHOSHANNO O SHOW

Agora é oficial. Ninguém mais vai ao Show do Gongo esperando ver obras primas. Nem o público, que continua lotando a noite mais concorrida do Festival MixBrasil, nem a apresentadora Marisa Orth, que suspirou aliviada ao constatar que havia só 15 candidatos inscritos. Foi-se a qualidade, restou a zoação. Marisa permanece afiada feito um bisturi, e a plateia permanece decidida a não deixar um único vídeo chegar até o fim, por melhor que seja (mas não são). Na noite de ontem havia quatro pérolas indescritíveis dirigidas por um certo Cristiano Sousa e estreladas por uma certa Bárbara Félix. Todas eram toscas, nenhuma falava explicitamente em diversidade sexual e apenas uma conseguiu ser exibida na íntegra - pelo singelo fato de ter apenas um minuto, o prazo mínimo para que o respeitável público permaneça mais ou menos em silêncio. Alguns outros concorrentes também conseguiram tal façanha, e por um momento parecia que o júri - tão disperso que Marisa precisou confiscar-lhe os celulares - teria que dar o cobiçado Coelho de Prata a uma porcaria confirmada. Mas não deu: de repente surgiu "Shoshanna", um filme sem diálogos sobre uma travesti se montando. Quando fica pronta, ela dispara uma arma sobre fotos de Bolsonaro, Malafaia e Feliciano. A tela explode em sangue e a plateia explode em urros de "já ganhou". Foi de fato o melhor da noite, e de longe, mas não chega a anos-luz dos pés de vencedores clássicos como "Telebambis". Na verdade, nem aos pés de vencedores marromeno como "GLOSSário". Pelo menos o convescote acabou cedo, por volta das 23 horas, para alívio da Silvetty Montila e de todos os que tínhamos que pegar o metrô.

(Procurei "Shoshanna" nas internets mas não encontrei. Talvez seja o primeiro campeão do Gongo em muitos anos que ainda não estava no YouTube antes do Show. Assim que o achar, posto aqui. Enquanto isto, delicie-se com os vencedores das edições cobertas por este blog: 2009, 2010, 2011, 2012 e 2013)

5 comentários:

  1. Que legal! Shoshanna como a vingadora judia incendiária do filme Bastardos Inglórios.
    Mereceu ter ganhado, já que ela fez o que todos inconscientemente temos vontade: pegar uma metralhadora e mandar estes pulhas para o inferno, sem escalas.

    ResponderExcluir
  2. Tony, não publica:
    "...todos os que tínhamos..." foi intencional? semanticamente ta ok, maaaas....
    no tea, no shade
    beijos, gata!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este tipo de formulação é mais comum em espanhol do que em português, mas está correta. Implica que eu também estava de metrô.

      Vamos expandir os limites da língua!

      Excluir
  3. Sim, semanticamente, como eu disse! Tipo "o povo falam" (mas esse dói um pouquinho de ouvir rs).

    Só era um toque de amiga. Bjos linguísticos!! :D

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não, "o povo falam" tem erro de concordância mesmo. Sujeito no singular e verbo no plural.

      "Todos os que tínhamos" tem sujeito oculto, que é "nós" (todos nós que tínhamos...)

      Excluir