domingo, 2 de novembro de 2014

O ESPIÃO QUE VEIO ENCHER O SACO

Dizem que os livros de espionagem de John Le Carré são eletrizantes. Não sei, nunca li nenhum. Só sei que os filmes adaptados de suas obras são bem marromeno. A exceção honrosa é "O Jardineiro Fiel", talvez por causa da montagem alucinante imposta pelo diretor Fernando Meirelles. Já "O Espião que Veio do Frio", que rendeu a Gary Oldman uma indicação ao Oscar três anos atrás, era um porre. E "O Homem Mais Procurado", atualmente em cartaz, é pior ainda. Quase nada acontece ao longo de quase duas horas. Só a sequência final tem alguma agitação, e mesmo assim é pouca. Fora que eu demorei um pouco para entender que todos esses atores americanos falando inglês (inclusive Phillip Seymour Hoffman, em um de seus últimos papéis) na verdade interptetam personagens alemães que, pelo menos na teoria, estariam falando alemão (a trama se passa toda em Hamburgo). A espionagem na vida real provavelmente é como Le Carré a retrata: tediosa, crivada de politicagem, sem grandes arroubos. Mas isto não rende bom cinema.

3 comentários:

  1. Fiquei muito na dúvida se o Phillip estava interpretando ou se tava chumbado mesmo de tão rouca que estava a voz dele.
    A história so filme/livro, supostamente é real.
    Alguns amigos meus acharam que o filme tinha continuação por causa do final (sorry, spoiler). Mas não tem. O final é aquele mesmo. Você que readeque a sua interpretação da história ao que o filme te conta: os EUA são um país FDP.

    ResponderExcluir
  2. Tony já viu Relatos salvajes, com o Darin? É a mais nova sensação na américa do sul, exceto ainda o Brasil.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, já vi, e todo mundo que viu aqui no Brasil também está adorando.

      Dá um scroll down no blog que você lê meu post a respeito do filme.

      Ou então clique aqui:

      http://tonygoes.blogspot.com.br/2014/10/por-eso-soy-vengativo.html

      Excluir