quarta-feira, 29 de outubro de 2014

SUZANE IS THE NEW BLACK

Eu ia soltar um post comentando as semelhanças da história de Suzane Richthofen com a da protagonista da série "Orange is the New Black", mas a crítica Luciana Coelho, da "Folha", foi mais rápida. Na verdade, o caso da brasileira é ainda mais rocambolesco - e bem mais violento - que o de Piper Kerman, a americana que inspirou o programa. Suzane sempre evitou entrevistas depois que foi em cana, mas isto está mudando. Agora, graças à revista "Marie Claire", o Brasil todo está sabendo que ela se afastou da pregação evangélica para viver com sua "marida" (que antes havia o sido de Elise Matsunaga, o que seria delicioso se não fosse mórbido). Pois é, cadeia não tem jeito: ou a presa vira crente, ou lésbica, ou ambas. Não vejo a hora desse filme entrar em cartaz.

3 comentários:

  1. Eu acho que uma grande parte das mulheres são bissexuais, mas elas não admitem pelo machismo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muitos homens também são. Isso é feminismo da minha parte?

      Excluir
  2. Gente, nem se fosse novela mexicana seria tão suculentamente absurdo.
    Essa mulher ja viveu umas 30 vidas.

    ResponderExcluir