sexta-feira, 17 de outubro de 2014

POR QUE VOCÊ NÃO GOSTA DE MING?

O nome Ming virou sinônimo de vaso precioso no Ocidente, e portanto de desastre. É só aparecer um vaso da dinastia Ming num filme que - pode apostar - dali a alguns segundos ele irá se espatifar no chão. Mas os Ming eram muito mais que isso. Reinaram sobre a China durante 300 anos, logo após o domínio mongol, e transformaram o país no maior e mais poderoso do planeta. Seus navegadores chegaram até a África e talvez à América; seus artistas atingiram um nível de refinamento jamais igualado. O British Museum está exibindo uma mostra que cobre apenas 50 anos desse período glorioso, e eu, que vim a Londres para ver duas peças de teatro, aproveitei a manhã para visitá-la. Claro que é deslumbrante e instrutiva. Serviu até para aliviar um pouco da birra que eu tenho hoje em dia da China. Depois fui dar um alô aos "Elgin Marbles", aqueles pedaços do Partenon que os ingleses roubaram no século 19 e que a Grécia quer de volta. Como estive no Museu da Acrópole no ano passado, agora a visita se completou. Ainda visitei uma exposição chamada "Ancient Lives, New Revelations" sobre múmias egípcias, e mais nada. Há mais de trinta anos, quando vim a Londres pela primeira vez, passei um dia inteiro no British e não vi tudo. Talvez precisasse de uma semana toda para explorá-lo, mas quem tem tempo?

3 comentários:

  1. O metrô de Pequim é eficientíssimo. TODOS os principais pontos turísticos da cidade tem estações com saídas nas entradas principais dos palácios e tais. Por isso, o único passeio com guia que contratei foi uma ida à Muralha com uma passadinha pelas Tumbas Ming. O guia era jovem e bem simpático e depois de terminar seu texto oficial, começou a falar a nos contar coisas que acho que o governo não teria gostado muito, como a politica do filho único, a especulação pós-olimpíada, a vida da sua geração etc etc. Foi um viagem bem agradável, mas chegando lá e que fui descobrir que as tumbas estão ainda lacradas pq abriram uma e a múmia PUF!!! se desfez em contato com o oxigênio, então estão esperando tecnologia adequada para que possam abrir as outras. E eu jurando que ia ver as múmias das imperatrizes ricamente vestidas. Mas o dia que abrirem essas tumbas, vai ser minha desculpa pra voltar à China que como destino turístico é um destino bem interessante.

    ResponderExcluir
  2. Pra quem se diz e se acha "TAO" cultural... a sra cometeu um grave erro: os "pedacos do Parternon" nao foram roubados e SIM SALVOS !!! Antes de se adentrar em Historia, procure conhece-la !!!

    ResponderExcluir
  3. Os mármores retirados por Elgin o foram a marretadas. Ele não retirou todos os frisos, mas retirou muitos - uma sequência inteira -, aqueles que ele considerou os melhores. Com as marretadas voaram pedaços do monumento, pedaços às vezes bem grandes, que se espatifavam no chão. Levados para a Inglaterra, foram mal-acondicionados por quase uma década, no porão úmido e salinizado de um prédio. A umidade e o sal tornaram o mármore poroso e desfiguraram todas as peças. O que se vê hoje é uma pálida lembrança da aparência que tinham amtes de serem desfigurados pelas más condições em que foram guardados na Inglaterra. As partes do friso que permaneceram no Parthenon foram sujeitas à poluição e ao tempo - e estão hoje em melhores condições...

    ResponderExcluir