quarta-feira, 1 de outubro de 2014

CONCORDÂNCIAS VERBAIS

A linguagem é uma arma poderosa. Uma simples palavrinha pode mudar todo o  sentido de uma discussão. Porque ela é bem mais do que uma etiqueta: cada palavra traz toda uma bagagem própria, repleta de outros significados. Foi por causa desse poder que surgiu a onda do politicamente correto, 20 anos atrás: de fato, dizer “pessoa portadora de deficiência física” é muito diferente do que chamá-la de “aleijada”. Mas as palavras também servem para mascarar as piores intenções. A toda hora, estão tentando ressignificá-las. É o caso dos homofóbicos, que querem restringir a homofobia apenas à violência física contra os homossexuais. Por isto, como eles não saem por aí batendo em bichas, não poderiam ser enquadrados como homofóbicos. Líderes fundamentalistas também passaram agora a se chamar de “cristãos”, para que as críticas contra eles atinjam também católicos, ortodoxos e protestantes em geral. Outro termo que entrou na moda é “concordar”: não é que fulano tenha ódio aos gays, ele apenas “não concorda com o homossexualismo”. O que quer dizer isto? A atração pelo mesmo sexo não é escolha: é algo que aflora à revelia do indivíduo. Faz sentido alguém dizer que “não concorda” com os cabelos louros ou os narizes aduncos? As escolhas que existem são duas: exercer ou não esta sexualidade, e declará-la ao resto do mundo. Muitos católicos acreditam que os gays devem permanecer castos, superando dessa maneira o “desafio” que lhes foi imposto por Deus (como se Deus fosse o Boninho inventando provas para o “BBB”, como eu já disse muitas vezes). Outros mais “liberais” não ligam para o que se faça entre quatro paredes, contanto que ninguém mais fique sabendo. Mas cada vez mais gente está optando por não só seguir sua verdadeira natureza como também sair do armário. Aí, novamente, não cabe o verbo “concordar”. Você “concorda” que alguém se torne evangélico? Tudo isto faz parte do esforço dos tacanhos de renomearem seus preconceitos como “opiniões”. Portanto, queridos leitores, cuidado com esta armadilha. Não vamos sair por aí dizendo que essa laia tem pelo menos o direito de “discordar” da homossexualidade (não -ismo, claro). Assim estaremos fazendo o jogo deles.

12 comentários:

  1. Em tempo: hoje já se rejeita o "pessoa portadora de deficiência"
    Em favor do "pessoa com deficiência".
    Não sendo eu membro deste grupo, confesso que não compreendi a importância dessa mudança.

    ResponderExcluir
  2. Eu não sou racista, inclusive tenho vários amigos negros. Mas não concordo com essa cor de pele escura.
    Faria sentido dizer isso?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sentido não faria Luciano, mas as pessoas, pela maior idiotice que seja, têm que ter o direito de concordarem com este discurso, desde que não ofendam ou prejudiquem terceiros.

      Excluir
  3. Essa corja homofóbica é muito covarde, vivem mudando os nomes dos seus preconceitos e das suas próprias denominações parecem que sempre procuram as sombras para poder atacar sem serem vistos... além de vivenciar plenamente nossa afetividade temos que jogar luz nesse ranço, nesse bolor social até que ele desapareça e a casa se torne habitável para todos.

    ResponderExcluir
  4. Eu não sou contra vocês, só não quero que você tenha os mesmos direitos que eu tenho.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ótimo! Também queremos o direito de sermos o que somos sem ter medo de sermos espancados por em razão do ódio de alguns.

      Também queremos que nosso direito de casar com quem amamos seja defendido por Lei, e não por uma decisão do STF que pode ser eventualmente derrubada por conta da mudança de opinião de uns poucos senhores togados.

      E por fim, queremos o direito de aparecer na novela da Globo sem ninguém achar que isso é propaganda de sexualidade.

      Excluir
    2. anonima 18:40 : a sra entao deve pegar suas tralhas e se manca dai!
      Corea do Norte ou Iran seriam excelentes opções pra sra viver em paz com o seu retardamento social…

      Excluir
  5. anonima 18:40 : a sra com certeza deve ser "carnerinha" do templo do salomao (que com sua arquitetura fascista e megalomaníaca so pode ter saido do escritorio de arquitetura do Albert Speer), do qual esvazia o seu bolso/carteira mais rapido do que a sua vida.

    O governo brasileiro deveria considerar esses negócios de "igrejas evanjas" como ameaça a segurança nacional. Essas "igrejas" sao fabricas de ideologias reacionarias, de divisão social, extremismo político e exploração económica dos pobres e desesperados.

    BRASILEIROS: vcs nessa eleição tem uma oportunidade única: NAO VOTEM EM EVANJAS !!!!!

    Vamos mostrar que somos inteligentes!!!

    Vcs ja imaginaram como seria ser governado por essa evanja doida!!!!, que toma decisões abrindo a sorte a bribria????, a pessoa perfeita para ser presidente do Brasil, nao e' mesmo??!!!!

    Vamos mostrar que somos racionais e eliminar esse CANCER ja no primeiro turmo!!!!

    TOMAM EVANJAS !!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Vamos mostrar que somos inteligentes", disse o anônimo que não consegue entender uma simples, básica e óbvia ironia.

      Excluir
    2. De "ironia" eu nao entendo nada mesmo, agora, a sra deve ser mestra, ne?
      Uma pergunta: retardamento social tem cura?

      Excluir
  6. Eu sei que do ponto de vista da sensatez, da inteligência e dos argumentos válidos, não concordar como a homossexualidade é burrice. Mas as pessoas que por algum motivo, por mais fraco que seja, têm que ter a liberdade de não concordar com os homossexuais e com a homossexualidade e de poderem expressar isso, ainda que não de maneira ofensiva. Não precisamos de aprovação de ninguém, precisamos de respeito e direitos iguais.

    ResponderExcluir