quarta-feira, 3 de setembro de 2014

O SONHO SEMPRE VENCE

Quase engasguei de tanto rir quando soube que Dilma iria contrapor com o "realismo" as propostas fantasiosas de Marina. João Santana é um marqueteiro experiente: não é possível que ele não saiba que é o sonho de mudar que vence qualquer eleição, não importa o que gritem os números do mundo real. Os novos comerciais da campanha do PT são constrangedores, e até indignos da história do partido que um dia combateu o "medo de ser feliz". Ao pregar a necessidade de se fazer alianças, Dilma está expondo uma das maiores fragilidades de seu governo - o fato de Collor, Sarney, Renan e quase tudo de podre que há na política brasileira fazerem parte de sua base de apoio. Sua equipe está passando o recibo de que não entendeu mesmo porra nenhuma das manifestações do ano passado.

Mas eu que não queria estar no lugar deles. Como produto eleitoral, Dilma é um pesadelo: antipática, sem carisma, ruim de teleprompter e ruim de improviso. Nos debates, tive a sensação de que ela era uma boneca de porcelana prestes a se quebrar, sob o peso de toneladas de maquiagem e de problemas. Para complicar, seus resultados não ajudam. A inflação sobe, o PIB encolhe, a Petrobras se desvaloriza. E ainda há a fadiga do material: é mais do que esperado que, depois de 12 anos no poder, qualquer partido seja visto como "isto que está aí" e não mais como o agente das mudanças. Fora que ir para a oposição faria muito bem para o PT. Logo de cara, os ratos que só sabem viver incrustrados no governo, qualquer governo, desembarcariam do navio. Os petistas teriam alguns anos para se reinventar, como um aluno mal-comportado que é mandado de castigo pela professora para o canto da classse. "Olha pra parede e pensa no que você fez!"

Sempre que o Brasil acha que é hora de se passar a limpo, ganha o candidato que melhor personificar este desejo. Collor, FHC e Lula foram os homens certos na hora certa, independente do que fizeram na presidência. Dilma só foi eleita porque seu mentor e antecessor ainda era a encarnação de um sonho. Ela não é, nunca o foi, e agora, ao invés de tentar levantar voo na imaginação do eleitor, se apega ao chão como se ele fosse bom. Claro que ainda não foi derrotada: muita coisa pode acontecer até 5 de outubro. Mas, se insistir em focar na dura realidade da qual ela mesma é uma das causas, Dilma já pode ir arrumando as malas.

41 comentários:

  1. VC foi no ponto. Na mosca morta (Dilma).

    ResponderExcluir
  2. Você tá quase meu novo Blog do Josias. ;P

    ResponderExcluir
  3. Ah, Tony, você curte o Piauí Herald?

    ResponderExcluir
  4. É estranho mesmo ver o PT fazer uma propaganda dessas. Não combina, parece que tem algo fora do lugar. Mas essa eleição está imprevisível. E não é só até 5 de outubro. O segundo turno promete ser melhor que final de seriado americano.
    Apesar de todas as canalhices de Dilma e Marina, pelo menos a gente sabe que tem muita gente engajada na internet e se importa com política.

    ResponderExcluir
  5. Dilma é o cocô do cavalo do bandido. Não tem partido, não tem apoio em lugar nenhum, é antipática, dizem que muito grossa e dá esporro em subalternos, tem um riso horrendo e uma voz de matar. Só o megalômano do Lula para empurrar essa Geni para cima do Brasil. E joga pedra na...

    ResponderExcluir
  6. Quem engasgou, de fato, foi eu ao acabar de ler essa porra!!! Tirar milhões de pessoas da miséria eh mesmo um doce sonho, ne? tucana de bico quebrado!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo, agora sou eu quem vai recorrer ao realismo: você viu que Dilma perde por 10 pontos para Marina no 2o turno? E mesmo tendo tirado milhões de pessoas da miséria...

      Excluir
  7. Tony, lindo texto. Você escreve criticamente sem a arrogância e sem ser pedante; defeitos da maioria dos colunistas que vejo por aí. Beijos do João

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo, João! Os textos desse sacana são foda!
      Votei no Lula as duas vezes e na Dilma na última eleição, e agora tô fechado no FORA PT! Mas tb estou completamente perdido, votaria no Eduardo Campos, e agora não sei se vou de Marina ou Aécio(político com o qual não me identifico, bem como com seu partido), acompanhando o blog do Tony para formar uma opinião!
      #tonymerepresenta

      Excluir
  8. Bom dia, Tony

    não sei se vc viu a sambada que a Marina levou no debate do SBT.

    caso não tenha visto, está no finalzinho deste vídeo:
    https://www.youtube.com/watch?v=IigYPuHHS2o

    ResponderExcluir
  9. Eu concordo. Como produto de marketing, Dilma é um desastre. Por essas e outras que parece que a eleição vai ser da Marina.
    E sempre que falam de números da economia eu lembro que ninguém recorda que o Brasil ainda é altamente dependente de capital externo. Na crise recente, tivemos a sorte de ser o destino de quem não confiava nos países em crise. Mas isso via passar. Independente de quem esteja no poder.

    Acho a Dilma, como presidentA, uma boa administradora. Sabe manter-se sóbria e longe de qualquer escândalo (cof cof Claudiogate). Mas eu também sei que ela traz todo um partido de companheiros junto que, por sua vez, trazem os malditos aliados. E infelizmente, isso acontecerá com ela, ou com Aecim. Só a Marina imprevisível e rebelde é que me dá medo. PT ganhou em 2002 porque amadureceu muito o discurso (e ganhou antipatia dos membros mais radicais que fundaram o PSOL). Já Marina... não sei. E é essa imprevisibilidade que mais me apavora. Pros mercados externos isso é uma temeridade. Se é pra comparar Marina com alguém, eu diria que ela tá mais pro Lula de 1989.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu trabalho dentro do governo e digo: ela não é uma boa administradora.

      Excluir
  10. O diagnóstico foi mal feito pela campanha de Dilma. Marina tem sim algumas fragilidades, mas o PT não está explorando-as corretamente:

    1.º Conservadorismo: a maioria da população não quer ter uma presidente evangélica, que terá a agenda pautada pela bancada da Igreja e sofrerá a influência de figuras nefastas como Silas Malafaia. O PT deveria resgatar sua imagem histórica de partido alinhado com os direitos igualitários, arranhados devido as barganhas necessárias para governar. Coloca a Marta Suplicy na campanha, se reaproxima das associações que lutam pelos direitos civis de minorias e se comprometa em tornar o Brasil um país mais liberal e igualitário. Joga conservadores como Malafaia, Feliciano e Bolsonaro para o colo da Marina, que a imagem de conservadora vai colar nela direitinho.

    2.º As contradições de Marina: Ela realmente terá muitas dificuldades para governar e Marina não é uma negociadora habilidosa, mostra um levantamento das crises que ela causou enquanto ministra, com setores como o agronegócio, hidrelétrico, petróleo. Levanta as questões que fizeram com que ela deixasse o ministério do meio ambiente, depois do PT, depois do PV, coloque-a como uma política desagregadora, desorganizada, que não conseguiu fundar a Rede, que está causando racha no PSB. Coloca o Lula para criticá-la. Cola nela a imagem de radical, de pessoa intransigente, que vai fazer o Brasil parar, mas que está tentando vender uma imagem diferente do que é de fato.

    Não é tarefa fácil, mas Marina tem sim calcanhar de aquiles.

    ResponderExcluir
  11. Adorei. Apesar de votar na Dilma no segundo turno (no primeiro turno vou de 50, Luciana Genro presidente), eu concordo que a oposição faria muito bem ao PT, tal qual faz ao PSOL. Mas acho que ainda é cedo - ou melhor, não vejo opções melhores.

    ResponderExcluir
  12. Tony, no segundo turno você vai de Marina ou Dilma?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Digo e repito: só voto em Dilma no segundo turno se o adversário dela for o Everaldo.

      Mesmo com todas as contradições da Marina, voto nela feliz se for para tirar o PT do poder.

      Excluir
    2. Desconjuro! Marina não dá!

      Excluir
    3. Tony, queria votar em Marina, mas não vou conseguir votar na candidata do Malafaia. Como você vai conseguir realizar essa "façanha"?

      Excluir
  13. Mas voto em Dilma num segundo turno com Marina. #EtaGod

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também voto em Dilma, com muita dor no coração, mas não tem jeito. Não posso votar em Marina, candidata que tem cada atitude exaltada e comemorada por Malafaia e Feliciano.

      Excluir
    2. Infelizmente vou ter que votar nessa Dilma ae, pra não ter que votar em uma candidata que se rende a críticas de um mequetrefe igual ao Malafaia

      Excluir
    3. Feliciano na CDH não diz nada pra vcs? "Governabilidade" aham

      Excluir
    4. 4 tuites dizem alguma coisa pra vc, Anônimo? Se com Dilma engolimos Feliciano, com Marina engoliremos a bancada evangélica inteira. E o Malafaia de brinde.

      Excluir
  14. se existe um apocalipse a ilustração perfeita é esta 'eleição'

    ResponderExcluir
  15. não quero q ela e o pt vá para o CANTO. quero q vá para o QUINTO. quinto dos infernos

    ResponderExcluir
  16. Tony, vc teve acesso ao Kit Gay? Eu tive e não era mto instrutivo não, material de qualidade mediana viu.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tive sim. Até publiquei os vídeos aqui no blog.

      Acho que a linguagem usada não era a ideal, e muitas melhorias poderiam ser feitas.

      Mas isto não justifica a histórica abertura de perna da presidentea, seguida por sua frase desastrosa sobre "propaganda de opção sexual".

      Excluir
  17. Para quem está sem candidato para deputado em SP:

    http://acapa.virgula.uol.com.br/politica/emerson-marcellino-candidato-a-deputado-estadual-fala-sobre-as-propostas-para-o-grupo-lgbt/2/14/24863#.U_5MaBYuxj0.facebook

    ResponderExcluir
  18. Vou assistir o desenrolar da história, mas ficaria muito feliz se Marina caísse um pouco nas pesquisas depois da história dos quatro twittes do Malafaia.

    ResponderExcluir
  19. O mio babbino caro
    Assim falava Marx!

    ResponderExcluir
  20. Não ia comentar nada por motivo de: estafa.

    Mas não entendo o medo do brasileiro (principalmente o medo das bichas) com a esquerda. Peguemos os EUA como exemplo:

    capital mais aberto que toba de michê, regulação zero e banco central mais

    independente que mãe solteira. E o que aconteceu? 2009.

    Durante e depois da crise vimos os seguintes programas sendo implatados (com êxito):

    Food Stamps (primo do Bolsa Família), Affirmative Act (primo das cotas pra negros e

    pobres), e Obama Care, que ainda está anos-luz atrás da cobertura que o SUS

    proporciona, mas é melhor do que o "cada um por si" de antes.

    Todos programas socialistas.

    O modelo econômico da direita liberal (banco central controlado pelo próprio mercado, diminuir impostos dos ricos, etc), é falho e cria enorme desigualdade social.

    Vou morrer sem entender como pobre, preto e bicha podem ser de direita no Brasil.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querido, é que existem direitas e direitas, esquerdas e esquerdas.

      Uma coisa é acreditar numa esquerda que dialogue com a iniciativa privada. Que admita que certas funções são melhor desempenhadas pela iniciativa privada. Um exemplo? Gestão aeroportuária. Você já esteve em Brasília ou Guarulhos pós-obras feitas pelas respectivas concessionárias? Eu estive em Brasília e o choque é gritante. O mesmo ocorre em países europeus, tradicionalmente conhecidos por suas políticas sociais de esquerda.

      Isso é social democracia.

      Outra coisa é criar um monstro "capital financeiro" e falar que tudo é culpa dele, tudo é culpa do empresariado, tudo é culpa da burguesia. É a burguesia que gera empregos. Mas numa visão social democrata não devemos acabar com ela, e sim criar regulações.

      O PSOL não acredita nisso. O Rafucko também não. O Jean, infelizmente, também não. Eles todos fazem um discurso clássico.

      Entenda isso, OK? Comece dando uma olhada nos seguintes pontos:

      - social democracia
      - marxismo e suas maiores tendências: stalinismo, trotskismo, reformistas, etc;
      - direita liberal;
      - direita conservadora.

      Faça essas diferenciações. Esse é um esquema resumido, mas você entenderá, acredito.

      Excluir
    2. Obrigado pela resposta, João, mas já estudei tudo isso. Acontece que não existe direita libertária no Brasil. Eu priorizo candidatos que sejam a favor da legalização do aborto, a favor da legalização e regulamentação das drogas, ferrenhos defensores dos direitos civis e humanos (inclui-se aqui casamento gay, pl 122, e políticas públicas LGBT), financiamento público de campanha, e a favor da desmilitarização das polícias.

      Só existem dois candidatos comprometidos com isso: Luciana Genro e o cara do PV que esqueci o nome. Ambos dessa esquerda taxada de radical, mas ambos comprometidos com meus interesses.

      Excluir
    3. PV é social democracia amore...

      Excluir
  21. Joanete arrasou na resposta...Estamos na mesma página, bee!

    ResponderExcluir
  22. Concordo, é incrível que minorias ou classes mais desfavorecidas sejam de direita. Marina é a mais liberal de todos os candidatos, mais até que o Aécio que traria o Armínio Fraga de volta, esse artigo do Boulos pra folha mostra como tanto um como o outro seriam péssimos para a economia brasileira: http://www1.folha.uol.com.br/colunas/guilhermeboulos/2014/09/1510639-o-neoliberalismo-saiu-do-armario.shtml

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, porque o intervencionismo estatal está sendo óóóteeemo.

      Excluir
    2. Ótimo não está sendo mas pelo menos não viramos a Espanha.

      Excluir
  23. Primeiro turno Luciana Genro. Já no segundo, mesmo que por um milagre, ela não estará lá, então VOTO NULO.

    ResponderExcluir