quinta-feira, 18 de setembro de 2014

HOJE EU QUERO GANHAR O OSCAR

Mias uma vez, o Brasil não tinha um blockbuster óbvio, tipo "Cidade de Deus", para ser seu representante na disputa pelo Oscar de filme em língua estrangeira. Mas opção era o que não faltava: 17 títulos tentaram a indicação, alguns deles muito bons. "Praia do Futuro", "O Lobo Atrás da Porta" e o excelente "Tatuagem" são filmes que honram qualquer país, assim como "O Menino e o Mundo" - que ainda tem chances na categoria de longa-metragem em animação. Mas no final o comitê encarregado selecionou meu favorito pessoal, "Hoje Eu Quero Voltar Sozinho". É uma escolha ousada, porque a Academia não costuma morrer de amores por filmes de temática gay. Mas também faz sentido, porque é o filme brasileiro mais premiado do ano no exterior (o que talvez não queira dizer muita coisa: o indicado do ano passado, "O Som ao Redor", também era, e não ficou nem entre os nove semifinalistas). Como bem disse a ministra Marta Suplicy, a história de "Hoje Eu Quero..." é universal, e também muito original. O longa de estreia de Daniel Ribeiro já tem estreia garantida nos EUA, mas o fato de ter sido escolhido pelo Brasil para brigar pelo Oscar vai lhe dar um gás. Se bem que nenhuma bicha precisa desse tipo de incentivo para ver essa pequena joia. A beleza dos meninos protagonistas já basta. Se você ainda não viu, corra - isto é uma ordem.

11 comentários:

  1. Tony,

    Vc acha que existem chances reais do Hoje... chegar aos finalistas? Vc mesmo em seu post/crítica disse que o filme era fofo, e filme fofo não ganha Oscar!

    Praia do Futuro tem jeitão de filme europeu mas se fodeu com a insistência do diretor e do protagonista em alegarem que não era um filme gay. Porra, o casal da história é gay... quem quiser que assista. Ironia das ironias, receberam literalmente carimbo de filme gay!, enquanto Hoje... foi assumido desde o início e tranquilo em sua trajetória.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olha, o comitê de filme estrangeiro da Academia é absolutamente imprevisível. Durante muito tempo, o gosto dos velhinhos era muito conservador: só eram indicados filmes caretinhas, grandes produções, histórias de época e/ou rurais, draminhas com crianças. Poucas coisas com sabor contemporâneo, nada de violência ou sexo, nada de ousadias formais.

      Mas isto vem mudando nos últimos anos. O Oscar foi criticadíssimo por ter sequer indicado "Cidade de Deus" na categoria de língua estrangeira (compensou indicando o filme no ano seguinte em quatro categorias importantes - direção, roteiro, montagem e fotografia). Desde então, tem prestigiado obras mais modernas.

      O maior obstáculo para "Hoje Eu Quero..." é a concorrência. Tem muitos peso-pesados na corrida, e a Argentina vem com o badalado "Relatos Selvagens". A Academia costuma fazer um mix mais ou menos assim nos indicados: um latino-americano, um escandinavo, dois outros europeus e um "exótico", geralmente da Ásia. Alguns países emplacam quase sempre, como Alemanha, Israel ou Itália. Mas há exceções, claro.

      De qualquer forma, o histórico do Brasil não tem sido bom. Nossa última indicação na categoria foi há 15 anos, com "Central do Brasil". Ficamos entre os semifinalistas em 2008 com "O Ano em que Meus Pais Saíram de Férias", e só. Nem um sucessaço como "Tropa de Elite 2" conseguiu ser indicado.

      "Hoje Eu Quero..." tem a vantagem de ser fofo, bem feitinho e fácil de ser entendido. Fora que tem sempre muito gay no júri... Em todo caso, oremos.

      Excluir
  2. Nossa quem diria que este filme tido como de baixo orçamento que só veio ao mundo por causa do clamor dos fãs admiradores do curta metragem, fosse chegar a esse ponto. O diretor deve estar se sentindo nas alturas. Que bacana saber disso. Parabéns a toda equipe e agora só falta mesmo ser selecionado na premiação do ano que vem.

    ResponderExcluir
  3. um filme extraordinário, de uma simplicidade genial ! um filme obrigatório e um grande prazer! sorte do Oscar se esse filme entrar pra a disputa!

    ResponderExcluir
  4. IRMÃ KEITYELLY SOUZA18 de setembro de 2014 14:57

    EITA JESUS DE JIRÉ REPREENDA ESSES HOMOSSEXUAIS!

    ResponderExcluir
  5. Eu assisti o filme há duas semanas. É lindo! Recomendo.

    ResponderExcluir
  6. é lindinho o filme e os atores são uma graça mesmo, mas sinto que falta aquele elemento, aquele componente de IT movie - faltou a este filme [apesar de retratar a homossexualidade de forma doce e singela de adicionar elementos tão pertinentes como a deficiência visual] sinto que faltou um componente de impacto, faltou aquele leitmotif - que dá o termo tão usado por Tony "o nó na garganta" ampliado pelo estímulo - aquela trepidação extra que deixa o filme reverberar por semanas na mente. Lindo ver o amor dos dois, mas é claro que é. É daqueles filminhos que vc sai com o pau latejando, sim, e nota a surpresa de que antes da ereção, ele tb derreteu o coração. Não sei se isto o leva ao pináculo da pirâmide dos prêmios. Mas como diria o senhor dono do blog, oremos. E sim, vá sabendo que vc terá de arrumar seu pinto melhor na cueca, umas apalpadelas daqui, outra ali, apalpadelas em Cristo, confirma irmã keity?

    ResponderExcluir
  7. e TATUAGEM Tony ? nao e um filme forte que fala de ditadura?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É um filme sensacional. Um dos meus favoritos do ano passado. Mas acho muito mais impalatável para o Oscar do que "Hoje Eu Quero Voltar Sozinho", por causa do contexto político e das cenas de sexo gay quase explícito.

      Excluir
  8. "Hoje Eu Quero Voltar Sozinho" deveria ser prescrito como sonífero... Dá um soooonooooo !!!

    ResponderExcluir
  9. Baixando Tatuagem. Tô na dúvida se vejo hoje esse ou The Two Faces of January. #classemediasofre

    ResponderExcluir