segunda-feira, 15 de setembro de 2014

A MARCA PODRE

Quando uma marca fica associada a alguma coisa muito negativa, é difícil reverter o quadro. Mais fácil mudar a marca. Foi o que aconteceu com a consultoria Arthur Andersen, depois da descoberta que ela estava ligada a inúmeros casos de corrupção. A empresa ainda existe, mas agora com o nome de Accenture. Esta regra não vale apenas para a propaganda comercial: o poder das palavras se estende a todos os aspectos da vida humana. Algo parecido está aocntecendo neste momento com a expressão "evangélico". Até pouco tempo atrás, ela era usada como um distintivo de autoridade moral - "sou evangélico!", gritavam alguns com orgulho, como se isto os fizesse superiores aos demais. Mas nada como um dia depois do outro. A ganância desenfreada de algumas igrejas, os pastores moralistas pegos com a boca na botija e as propostas absurdas da bancada religiosa no Congresso degradaram a marca. A tal ponto que, hoje em dia, é comum vermos fiéis de igrejas mais tradicionais reclamarem de serem incluídos no mesmo saco que os fanáticos. É verdade que os evangélico são divididos em vários grupos, e os não-pentecostais - onde se incluem os batistas e outras denominações mais antigas - costumam ser muito mais discretos e menos intrusivos na vida alheia. O "problema" são os neopentecostais, quase todos pertencentes a igrejas fundadas há menos de 40 anos, que fazem muito barulho e buscam uma influência política maior do que seu número lhes garantiria. Hoje em dia, quem se declara evangélico é imediatamente encarado como retrógrado e preconceituoso. A marca está apodrecendo tão rápido que até os maiores culpados pela sua degradação já estão tentando trocá-la. Reparou como o Marco Feliciano agora se refere aos "cristãos", como se fossem todos iguais? A tática tem lá sua esperteza: assim fica muito mais difícil criticar os cristãos, uma parcela enorme da população. Mas, como todo profissional de marketing sabe, mudar a marca é apenas um paliativo. Se o produto continuar o mesmo, não vai demorar muito para o consumidor rejeitá-lo novamente.

27 comentários:

  1. Quem é que não tem preconceitos neste mundo?Acho engraçado ver gente que não gostaria de ver sua filha bem criada casando com um pedreiro preto e pobre,apontando o dedo para os evangélicos e chamando-os de preconceituosos.

    ResponderExcluir
  2. Tony, entendo a comparação, mas o caso da Arthur Andersen não foi exatamente como vc descreveu acima. Arthur Andersen (auditoria) e Andersen Consulting (consultoria) eram empresas co-ligadas até 2001, quando elas se separaram completamente. Por conta dessa separação, a Andersen Consulting teve que para de usar a marca Andersen e trocou de nome para Accenture. O desastre da falência fraudulenta da Enron foi em 2002 e arrastou a Arthur Andersen junto pra falência. Os sócios da Arthur Andersen não envolvidos com a fraude da Enron simplesmente se juntaram a outras firmas de auditoria (KPMG, Deloitte, Ernst Young, PWC) e continuam fazendo business as usual.

    ResponderExcluir
  3. Já reparou também como Marco Feliciano está quietinho, sem se envolver em nenhuma polêmica nem apontar seu dedo sujo pra cima da gente? Por que será, né? Ele se regenerou e agora só distribui o amor ou só está esperando o dia 5 de outubro passar pra voltar a colocar a fiscalização do cu alheio entre suas prioridades?

    ResponderExcluir
  4. Religião católica é ainda a mais pop com um monte de padres gays
    Lembra daquele caso de um padre que foi afastado por ir a um casamento homo em goiania?
    Então, de modéstia parte sou bonito, ja fui modelo inclusive, fui num local resolver um assunto e ele veio puxar papo comigo, descaradamente dando em cima de mim, tem mta bixa no meio, so não entendo esse masoquismob interior, vai saber...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Deve ser por essa pecadaria toda que a católica tá despencando e a evangélica cada vez maior e mais forte.

      Excluir
  5. Isto é verdade, eu trabalho na área de recritamento e era comum a pessoa se delcarar evangelica nos processos de seleção para agregar os valores de honestidade e correção ao curriculo, hoje em dia isto não mais aocntece e percebo que alguns ficam ate constrangidos quando perguntados sobre estas questões, mesmo numa conversa informal!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Me perguntando aqui se o "aocntece" foi proposital ou pura aleatoriedade. Na verdade, tanto afz

      Excluir
    2. Hahahaha!!! Pensei o mesmo!

      Excluir
  6. Peço licença para discordar de vc, Tony. Não acho que até pouco tempo atrás a marca 'evangélico' era um distintivo de autoridade moral. Talvez na cabeça dos próprios, pois quase todo mundo que eu conheço que não é evangélico, associa a palavra a pessoas bitoladas, ignorantes, fanáticas e que dão rios de dinheiro às igrejas (AINDA QUE ESSA NÃO SEJA, DE FORMA ALGUMA, UMA DEFINIÇÃO DO EVANGÉLICO).
    Os membros de igrejas mais antigas, como as testemunhas-de-jeová (da qual eu, infelizmente, fiz parte), sempre referiram-se a si como cristãos. Não apenas repudiando a carga negativa da palavra evangélico (ou crente, como se dizia até os anos 1990), como para deixar claro que eles, e não os católicos, são os verdadeiros cristãos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sem nenhuma maldade (juro!), mas tenho curiosidade msm. Vc batia na porta das pessoas? Como era? Tem algum treinamento?

      Excluir
    2. Caro Motumbo
      Há certas coisas da minha vida que prefiro não lembrar, e também não gostaria que o Tony pensasse que estou usando esse espaço pra fazer algum tipo de pregação, mas como a sua curiosidade me parece genuína, la vai.
      Eu batia na pota das pessoas, sim. Eles chamam isso de 'pregação de casa em casa'. Esse trabalho é compulsório, pra ser considerado membro da religião vc tem de fazer isso.
      Também há um treinamento, bem amplo por sinal. Todos os membros (inclusive mulheres) fazem periodicamente uma apresentação em frente à congregação e recebem orientação sobre oratória.

      Excluir
    3. Caramba! É bem organizado. Meio empresarial, meio avon, ne? Nao.imaginava! Tks por esclarecer!

      Excluir
  7. Tony, amoooo o que você escreve, mas é muito dificil ler essas letras brancas neste fundo preto! Pelo bem dos nossos olhos, seu blog é de textos e não de videos e fotos. Sei que é dificil mudar o seu gosto, mas pensa que você escreve num fundo branco, e a gnt lê em fundo preto, a gnt que lê e não você. Coloca ao menos um fundo cinza claro.

    Concordo 100% com seu texto. beijo no coração!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. TAnte gente tem me pedido para mudar o fundo que eu acho que vou precisar fazer alguma coisa.

      Eu AMO esse fundo preto, acho a cara do meu blog, e quando mudei o layout há alguns anos eu mantive a cor. Talvez esteja na hora de dar uma grande sacudida... Mas tem que ser de graça, não tenho $$ para pagar um designer.

      Excluir
    2. Tem que pensar isso mesmo. Mas sabe que eu sempre achei que o fundo preto cansa menos? Tem que lembrar que um fundo branco é mais luz saindo do monitor. Pode cansar as vistas. E concordo com vc que fundo preto é mais bonito.

      Excluir
    3. aaaaahhh bixa a sinhora e funcionaria da globo viado, trabalha no viva ta arrasando o cu das guei, e nao tem dindin pra pagar um designer?
      se a senhora frontosa quiser entre nesse site aqui, é mto bom pra aprender, bem simples
      http://abduzeedo.com.br/

      Excluir
    4. Grana vocÊ tem, né tony! Trabalha para Folha e para Globo. Deve está com os bolsos cheios!
      De qualquer maneira, tem layouts de graça que são ótimos!

      Excluir
    5. Não entendo qual seria o desconforto do fundo preto, que, além de chic, apresenta bom contraste com a letra branca. Ainda mais para ler textos, muito consistentes, mas curtos.
      Se for para ler a Bíblia toda, aí cada um deve procurar a melhor cor para fundo e letra...

      Excluir
    6. Ih eu acho esse contraste de branco no fundo preto ótimo pra ler. E olha que eu já estou precisando de óculos para perto (tentando adiar esse momento).

      Excluir
    7. Eu não consigo ler o blog por muito tempo, porque o fundo preto cansa muito os olhos, o que é uma pena. Quando eu saio e volto para o resto da internet, que é tudo em fundo branco, vejo até estrelas...

      Excluir
    8. Algumas considerações:

      1) Ganho muito menos do que vocês pensam. Minha verdadeira riqueza é a interior...

      2) Não quero gastar dinheiro com o blog porque não ganho dinheiro com ele. E existem ótimos templates gratuitos. Mas cadê tempo-barra-saco para pesquisar e experimentar?

      Excluir
    9. Tony, tenta algum tom de cinza nas letras, em vez de branco. É a solução com mais chance de agradar todo mundo. Acho que o problema não é o fundo preto, e sim o excesso de contraste.

      Excluir
  8. Eu nunca vi problema no template do blog - na verdade adoro e acho uma das marcas registradas. Na boa, procurem um oftalmologista.

    ResponderExcluir
  9. O mio babbino caro
    MalafAnita Bryant contribuiu decisivamente para esse apodrecimento.

    ResponderExcluir
  10. http://www.cartacapital.com.br/revista/817/basta-coragem-1914.html

    "m curiosa concordância com a típica assunção neopentecostal, o comitê político de Maurício Moraes fica às portas do Inferno. Mais especificamente no número 550 da Rua Augusta, São Paulo (em frente ao clube de nome sugestivo), onde gays e lésbicas, anarquistas e esquerdistas, prostitutas e boêmios têm seu lar: enclave ideal para o candidato a deputado que almeja representar todo o espectro de pesadelos do pastor Silas Malafaia e de Marco Feliciano (PSC), porta-vozes do conservadorismo que ele pretende enfrentar, e para quem “bichas e maconheiros” queimarão nas chamas do fogo eterno. Moraes não tem medo de inferno"

    ResponderExcluir
  11. No EUA isso já não é de hoje também. Algumas igrejas evangélicas estão tirando a palavra "evangélica" de seus nomes por conta do negativismo que está crescendo na população a ela. Mas aí, me pergunto, adianta? Isso por acaso muda a essência? Claro que não...Só que lá as que mais estão fazendo isso são as igrejas batistas pertencentes a vertente tradicional do protestantismo cristão.

    ResponderExcluir