sábado, 2 de agosto de 2014

TUDO ZEN MEU BEM

Hoje foi um dia de primeiras vezes. Assisti ao meu primeiro casamento gay no religioso, não por acaso também o primeiro casamento budista, e ainda tive meu primeiro contato direto com a famosa Monja Coen. Ela simplesmente irradia sabedoria, serenidade e bom humor. A cerimônia aconteceu no templo zen do Pacaembu e foi bem curta, mas nem por isto deixou de ser maravilhosa. Os noivos beberam águas de pinheiro (que permanece verde no inverno), de bambu (que é sempre flexível) e de flor de ameixeira branca (a primeira que floresce na primavera). Para completar o encanto, os dois cães do templo entraram na sala do altar, cumprimentaram os convidados e foram se deitar tranquilamente no meio do tatame. Enquanto isto, no Templo de Salomão...

8 comentários:

  1. https://31.media.tumblr.com/bc0fce8b2572df32b65716a43360d5d9/tumblr_inline_n5y6b9NohR1rr2z3y.gif

    ResponderExcluir
  2. O mio babbino caro
    "Um dia pretendo
    Tentar descobrir
    Porque é mais forte
    Quem sabe mentir"
    (RR)

    ResponderExcluir
  3. Não conheço a monja em questão, então acredito na sua palavra neste caso específico. Mas o fato é que TODOS monges e monjas parecem ser assim. É uma técnica de falar lentamente, sorrindo e com firmeza, como se eles fossem realmente seguros de tudo. Mas se você conseguir olhar além disso, vai ver que eles estão de fato o tempo todo pensando se o seu pau é torto para a esquerda ou direita, como faria qualquer ser humano normal.

    ivan

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tirando a careca, a monja Coen não tem nada de "exótica". Ela não fala lentamente nem sorri o tempo todo. E mesmo assim é impressionante.

      Excluir
    2. Não é técnica, Ivan, É um longo, sofrido e extenuante trabalho de autoconhecimento em que a pessoa é levada a se confrontar consigo mesma, com seus medos, egoísmos, desejos. Com isso há um gradual e autêntico desprendimento da personalidade que se traduz nessa calma e nessa percepção de presença que o Tony vivenciou. Esse espaço de presença é, simplesmente, viver no presente, acolhendo a vida do jeito que ela vier, sem fugir ou temer, aceitando, entregando-se. Claro que os monges ou qualquer pessoa que escolha uma vida monástica, possui as preocupações normais de todo ser humano - o trabalho, a família, os estudos... o que diferencia é a maneira como ela vive esses aspectos da vida. Lamentavelmente não é possível colocar tudo em palavras, é preciso experimentar. Se há uma técnica envolvida, essa técnica é a meditação, aqui utilizada apenas como ferramenta para o autoconhecimento.

      Excluir
  4. E quando vc vai engordar as estatísticas e casar com o Oscar, Tony????

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa pergunta.

      Vivo dizendo para ele: cause if you liked it, then you should have put a ring on it.

      Excluir
  5. Uma vez vi a monja Cohen à noite, andando tranquilamente com alguns cães ali nos arredores do Pacaembú, não entendi nada, mas achei uma cena simples e inspiradora. Agora tá explicado pq ela estava ali. Gostaria de assistir um casamento como esse, um dia!

    ResponderExcluir