quinta-feira, 14 de agosto de 2014

RIR PARA NÃO CHORAR

Ayrton Senna morreu em 1994, numa época em que a internet ainda não estava disseminada. Talvez por isto as piadas sobre sua morte não tenham surgido no mesmo dia do acidente em Imola. Mas não demoraram muito: apesar do choque coletivo pela morte súbito de um de seus maiores ídolos, os brasileiros também estavam rindo de coisas como o novo nome do gibi “Senninha” (“Gasparzinho”).

Hoje em dia todo mundo não só está conectado às redes sociais como também tem opinião, e muita. Desde ontem, como não poderia deixar de ser, há quase que um único assunto no mundo virtual: a morte de Eduardo Campos. Além das manifestações de horror, pesar e solidariedade à família, logo surgiram as gracinhas. E na esteira dessas, a condenação veemente de muitos internautas: respeitem o luto, seus babacas, um desastre aéreo não é motivo para riso.

Desculpem a sinceridade, mas claro que é. Conheço dezenas de boas piadas sobre desastres aéreos, cataclismas naturais, hecatombes e doenças infecciosas. O humor é uma das nossas mais poderosas ferramentas para lidar com o medo. E já que a morte é inevitável, pelo menos vamos rir dela.

Uma morte como a de Eduardo Campos desafia o nosso sentido de lógica. Ele era jovem; ele era bom; ele não merecia. Não conseguimos entender porque um Sarney ou um Maluf ou um Calheiros não estavam a bordo, e passamos a tecer teorias conspiratórias rocambolescas. Todas absurdas, aliás, porque PT e PSDB terão suas chances diminuídas na eleição se Marina Silva assumir a cabeça da chapa do PSB – peraí, então foi ela!

Centenas de amigos meus estão ameaçando deletar seus amigos insensíveis no Facebook. O Leonardo Sakamoto, sempre possuído pela ira santa, escreveu um artigo acusando de blasfêmia esses modernos bobos da corte. É natural que nos sintamos revoltados quando os parentes de Eduardo Campos – tornados ainda mais próximos pela internet – estão sofrendo de maneira inimaginável.

Mas rir faz parte, galère. O ser humano é mesmo um escroto, e por isto sobrevive há tanto tempo. Também somos frágeis e burros, e, se não entendemos porque as coisas acontecem, então rimos delas. Ainda bem. Já vou avisando: se eu me tornar muito famoso e morrer de maneira estúpida, vocês estão proibidos de me aplaudir no meu enterro. Não existe nada mais cafona e eu vou voltar para puxar o pé de vocês. Mas por favor, façam muitas piadas, e do pior gosto possível.

42 comentários:

  1. Aproveitando o gancho, lembrei do funeral do Graham Chapman, quando os colegas de Monty Python não pararam de falar palavrões e ainda cantaram "Always look on the bright side of life" fazendo todo mundo presente gargalhar.

    E sobre a Marina, ela mudou de agenda em cima da hora e pegou um voo comercial para SP. The plot thickens...

    ResponderExcluir
  2. Vc diz isso, Tony, mas tente imaginar a dor da sua família ouvindo as piadas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Claro que ninguém vai contar piada para a família. Não estou falando para desrespeitar a dor de ninguém.

      Mas elas são inevitáveis - e saudáveis, acho eu.

      Excluir
    2. Ninguém vai contar à família, mas eles podem vir a saber. Te falo por experiência própria, mas sei que não vou mudar o teu olhar a isso.

      Excluir
    3. Eu preferia todos rindo e fazendo graça da minha morte, do que todo mundo triste e chorando. A morte é inevitável. Que nos faça rir então.

      Excluir
  3. Tony, se as pessoas estivem apenas fazendo uso do humor estaria ótimo! O que pega é a criatura utilizar uma tragédia para disseminar ainda mais intolerância e ódio por aí... Respeito pela opção (no caso, opção política) do outro, nunca é demais, não é? Bjos.

    ResponderExcluir
  4. "O ser humano é mesmo um escroto, e por isto sobrevive há tanto tempo." Esse tipo de pensamento seu é o que mais me interessa sempre!rs..adoro :)
    Mas, essa constatação não deixa de criar questões quanto a que tipo de ser humano vc quer ser no futuro. É natural que o passado incivilizado do ser humano, que ainda persiste, nos faça querer rir como forma de compreender(mais até: de nos excluir da tragédia, que também um dia vai se abater sobre nós- algo inaceitável). Mas, não quero eu, para o futuro, pretender ser um ser humano que ri quando outros iguais a mim choram tanto. Piada só é boa quando é boa para todos. O limite do humor é a dor de outro. Acho desrespeito fazer piada. Mas respeito as opiniões alheias, como a sua, que acha legal que piadas sejam feitas, mas que não fez, você mesmo, pelo menos publicamente, qualquer piada sobre a tragédia alheia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Piada NUNCA é boa para todos. Tem sempre alguém que é a vítima de uma paida. O humor é sempre contra alguma coisa. Não existe humor a favor de tudo.

      Excluir
  5. Todo mundo falando que foi a Diuma ou o Aécim que derrubou o avião do Dudu. Será? Não faz mais sentido dizer que foi a Marina? Esse papo de não deu tempo de formar meu partido não cola. Parasitar um partido inteiro faz muito mais sentido não faz? Evanja é esperto, querido.

    ResponderExcluir
  6. Como sempre existe uma linha tênue em humor e mau-gosto... esperar alguns dias para fazer piadas, talvez poupara a familia, acho que alguns limites podem ser seguidos.. por isto não achei o texto do Sakamoto tão ruim assim...
    o meu avô sempre falava - quando sabia que alguém tinha morrido - ANTES ELE DO QUE EU! e nós rimos muito comentando isto no dia em que ele morreu! Mas n´so eramos netos, podiamos falar dele poruqe ninguem ia questionar oquanto o amavamos...mas é sempre bompensar sobre as coisas, unanimidades são geralmente burras!

    ResponderExcluir
  7. Estou aguardando alguma piada BOA sobre esse caso.

    Alguém?

    ,,,

    Não tenho pressa.

    ResponderExcluir
  8. Resumo do texto: Externar porque vc se acha no direito de ri da morte daquelas pessoas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu me acho no direito de rir de qualquer coisa. Aliás, acho que todo mundo tem esse direito.

      Excluir
    2. Westboro Baptist Church

      Excluir
    3. À qual dou total apoio de funcionamento embora discorde do que digam e tenha nojo dos métodos.

      Excluir
  9. Perfeito Tony!!! uma das coisas que eu mais odeio foi o advento do "politicamente incorreto" ( e insiro aí as piadas inoportunas ); gosto muito do Sakamoto, leio sempre, mas ele forçou a barra demais em chamar os piadistas de plantão de psicopatas incapazes de se solidarizar com a dor alheia!!! Creio que como pessoa comum que sou, me choquei e realmente me pus no lugar dos familiares; sei que a dor é inimaginável; mas tambem não perco ( nunca ) a oportunidade de rir, principalmente das minhas tragèdias! Já disse aos meus amigos que no meu funeral tem que ter muita bebida e muuuuuuuita risada! grande abraço

    ResponderExcluir
  10. O mio babbino caro
    Uma morte como esta nos revela a condição humana. Assim ou assado chegou sua hora, já era. Pateticamente, rimos ou choramos e podemos estar triste com o fato.

    ResponderExcluir
  11. Kkkk lembro me que na época do Airton disseram que a estrela. Iria lançar o jogo tamburello. Que seria.o.quebra. cabeça. Do airton senna

    ResponderExcluir
  12. Eu sou dos que acham que não tem graca nenhuma, afinal quem faz essas piadas DE MAL GOSTO, geralmente acham que isso é ser ouzadi e que ficam com imagem de cool. Pau no cu deles.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. graça
      MAU gosto
      ousado
      Tá mal de português, não?

      Excluir
  13. quando aquela sua bee amiga ficou chapada e morreu afogada na piscina, vc não aceitou muito bem os comentários ácidos aqui. lembra disso? ou vc acha que a família do morto fica blindada a esse tipo de comentário babada? enfim, preguiça de vc, antonieta!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fiquei bravo com os comentários ignorantes sobre drogas, isto sim.

      E muita gente está me entendendo mal: não falei em nenhum momento para desrespeitarmos a dor da família e irmos contar piadas para os parentes.

      Mas rir da morte é um traço humano, e mais feacil de aceitar do que a morte em si.

      Excluir
    2. mas, gata, como fazer que familiares de pessoas públicas não sejam atingidas por comentários escrotos? o filho do robin william saiu do twitter por conta dos comentários...

      Excluir
    3. A bixa amiga da tony, morreu na afogada, e a única coisa que boiou foi a bunda dela, era traveca no passado...

      Excluir
    4. Hahahahaha. Que puta sarro, meu.

      Só um adendo: a Hillary não era bixa, era trans mesmo. E nada boiou.

      Excluir
    5. Hillary m-a-r-a-v-i-l-h-o-s-a!

      Excluir
  14. Reproduzindo texto que escrevi há pouco sobre este assunto:

    A enxurrada de postagens motivadas pelo acidente aéreo de ontem inclui condolências, mensagens de apoio à família, considerações políticas, teorias da conspiração, piadas de gosto duvidoso, brincadeiras fora de hora, reclamações sobre a insensibilidade de alguns. E eu só conseguia pensar uma coisa: sejam bem-vindos à Web 2.0!!!

    Web 2.0 é o termo utilizado para definir a Internet como a temos hoje, em que os próprios usuários são provedores de conteúdo através de blogs, redes sociais, vídeos caseiros, aplicativos wiki, ou outros meios, em contraposição à Web 1.0 em que o conteúdo era provido unicamente por grandes portais oficiais (UOL, Globo, etc).

    A Internet é hoje o bar da esquina. É o espaço onde muita gente pode botar a boca no trombone. Agradeça muito por isso. Há lugares (como Cuba, por exemplo) onde isso não é possível.

    Acostume-se com o fato de que nem todas as pessoas com as quais você interage na Internet têm o mesmo nível cultural, educação, valores, prioridades, e expectativas que você. A Internet é um grande caldeirão, e isso não é uma coisa ruim.

    Aprenda a não ficar reclamando dos tipos de postagens que lê aqui ou em qualquer lugar da web. Você não pode (felizmente!) controlar o que as pessoas postam, mas pode controlar quais amigos quer manter e que textos quer ler. Vivemos muito tempo sob censura e cair no erro de reproduzi-la aqui seria imperdoável.

    E viva a Web 2.0!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso vale tb pra piada sobre viado ou vai dizer que é homofobia? Mas pense bem, to falando de toda e qualquer piada de viado e nao só as que os voados acham aceitáveis.

      Excluir
    2. Tem tanta piada boa sobre viado... Minha favorita é a do saco de dormir da Lacoste, conhece?

      Excluir
    3. Acho que pouca gente entendeu que o post é sobre a natureza humana, o id, não sobre o super-ego que manda ser polido nessas situações.

      Excluir
  15. Trata-se de uma questão de evolução intelecto-moral - que é diferente da patrulha politicamente correta. - A partir do momento que o individuo evolui, deixa naturalmente de achar graça naquilo que causa sofrimento ao próximo. Percebo que as pessoas que ainda não tem esse filtro - e riem de qualquer coisa - são na maioria das vezes indigentes intelecto-morais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não tem evolução que apague o instinto. E hoje em dia, como tudo é telegráfico, as coisas saem sem serem filtradas. O jeito é aprender a viver com isso, se não, um dia ninguém terá nenhum amigo.

      Excluir
  16. Legal. Rir tem tudo a ver. Quando a gente ri. E rir, claro, nem todo mundo vai rir. Então essa pessoa que não ri deve fazer de conta que acha engraçado? Da mesma maneira que tem tudo a ver a gente decidir adicionar alguém que diante de um fato como esses é capaz de uma tirada de espírito, porque não teria a ver se afastar de alguém que não é capaz de senão falar merda?

    Uma coisa é - depois do episódio das lâmpadas fluorescentes na Paulista - alguém sugerir que a OSRAM decidiu patrocinar a UFC (ou a parada de SP, tanto faz). Outra coisa é alguém comentar, em cima da bucha 'em vez de lâmpada fluorescente deveriam dar no viado era com pé-de-cabra.' Comentários de uma pessoa que deletei dos meus contatos não tinha nada a ver com tentativa bem ou mal sucedida de fazer graça. Era vontade pura de ser mau. Era disso que o Sakamoto falava. Da maldade pela vontade de ferir.

    ResponderExcluir
  17. Você sempre como porta voz da lucidez! Preguicinha total dos patrulheiros das redes sociais e defensores do politicamente correto way of life! O primeiro velório de familiar proximo que eu fui foi o do meu avô paterno e eu estava no inicio da adolescência. O clima do velório foi super leve graças ao meu avô materno, piadista nato, que nos fez rir o tempo todo e isso amenizou bastante a nossa dor! E como já disse alguém aí acima: Deus me livre de gente contida, comportada e chorando baixinho no meu velório!

    ResponderExcluir
  18. Excelente seu texto, e excelente também o comentário do Luciano. A internet realmente é um gde caldeirão de etnias, classes sociais e tudo mais que possa misturar, basta ao leitor escolher o que quer ler ou não. Prezo o respeito a família de Eduardo Campos, mas eles ja sabem, assim como todos nós, que piadas infames são feitas em qualquer momento, tristes ou não. O melhor nesse caso é eles se pouparem de escutar, ler ou perguntar oq se fala de Eduardo Campos por aí. O restante dos comentários deu preguiça...qta gente "politicamente correta" não? Os mesmos que criticam, são os mesmos que na menor oportunidade atacam...Ja disse que vc vai pro céu, sem escala, tamanha sua paciência...abração.

    ResponderExcluir

  19. http://tonygoes.blogspot.com.br/2010/01/uma-estrela-voltou-para-o-ceu.html

    Srs. Anônimos, peço que respeitem a minha dor e a de todos os amigos da Hillary, e guardem para outra ocasião seus comentários podres. Não vou aceitá-los de qualquer jeito, mas gostaria de nem sequer lê-los. Obrigado.

    GÓIS, Antonieta, Diário de uma cacura. 2010, São Paulo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo, troque seus óculos porque meu nome não é Góis, é Goes.

      E troque seus neurônios, porque em nenhum momento eu disse que deveríamos fazer piada para a família do morto.

      Mas pior do que piada, muito pior, é lição de moral e coisas tipo "bem feito". Era isto o que eu não queria ouvir.

      Só que escroto sempre existe por aí, né? Como você acabou de demonstrar.

      Excluir
    2. Preguiça disso de "cacura" com intenção de ofender. Envelhece quem não morreu. Qual você prefere?

      Excluir
  20. Na verdade, nao vejo graça nenhuma nesse tipo de "humor politicamente INcorreto". parabens a quem consegue.

    ResponderExcluir
  21. A 'culpa' é da internet. Se ela já existisse nos anos 80 será que Xuxa usaria shorts tão curtos? Mussum beberia tanto num programa visto por crianças? Chico Anysio faria um personagem como Tim Tones tirando um sarro dos evangélicos?

    ResponderExcluir
  22. Anastasia Beaverhousen15 de agosto de 2014 19:57

    Lembram quando os Mamonas Assassinas morreram?
    Um dos vermes do caixão cantava: "comer o Dinho é bom, que pena que só tem as costaaaaaaaaas".

    ResponderExcluir