segunda-feira, 14 de julho de 2014

TENDE A ZERO

O Monty Python voltou a se reunir justamente no momento em que sai o novo filme de Terry Gilliam, o membro do grupo que se tornou um diretor renomado. Renome injustificado por este trabalho: "O Teorema Zero" se pretende moderninho, mas já nasce velho. Apesar da trama envolver hackers e sexo virtual, tanto a direção de arte à la "Blade Runner" como a mensagem central - "o mundo é controlado pelas corporações" - tem cheiro de anos 80. Isto nem seria tão grave se o roteiro não andasse em círculos, ou se Christoph Waltz, com os cabelos e as sobrancelhas raspadas, não doesse tanto nos olhos. A única coisa de que eu realmente gostei foi a pequena participação de Tilda Swinton, irreconhecível e engraçadíssima. O resto é quase um zero à esquerda.

3 comentários:

  1. Um filme vindo da adolescência artística do diretor...
    Concordei 100% com a sua crítica!

    ResponderExcluir
  2. ah tonya a sra tah muito azeda em 2014 pronto falei

    ResponderExcluir