quarta-feira, 23 de julho de 2014

MANIA DE PERSEGUIÇÃO

A moda já chegou por aqui, com fundamentalistas de diversos matizes se dizendo tolhidos em seus direitos à liberdade de expressão e de religião. Mas, num país onde se constróem Templos de Salomão e se distribuem folhetos pregando a "jesuscracia", ainda não dá para essa turma reclamar muito. Nos Estados Unidos dá: as igrejas evangélicas de lá vêm perdendo a passos largos o poder que tinham dez anos atrás, e claro que estão se fazendo de coitadas. Um dos sintomas mais agudos dessa paranoia é o filme "Persecuted" ("Perseguido"), que conta a história de um pastor acusado de um crime que não cometeu - só porque não endossou uma lei liberal que ia contra algum de seus credos (o teor da tal lei não é revelado, mas pelo jeito devia tornar obrigatórias aulas de evolucionismo por professores gays em pleno dia de Natal). O cara então vira um fugitivo, mas felizmente, como qualquer pastor que se preza, sabe lidar bem com armas de fogo. "Persecuted" é uma produção independente visando um público-alvo bastante reduzido. Mas é desanimador pensar que este público existe.

Um comentário:

  1. Os pobrezinhos da Ku Klux Klan devem ter se sentido perseguidos também quando virou crime enforcar, queimar e matar os que eles consideravam uma raça inferior... Tadinhos!!!

    ResponderExcluir