sábado, 28 de junho de 2014

EAU DE PANACHE


Nunca fui muito fã do cinema de Wes Anderson, mas dessa vez ele acertou na mosca - ou pelo menos me acertou. 'O Grande Hotel Budapeste" entrega tudo o que o trailer promete: é uma comédia destrambelhada com uma direção de arte deslumbrante e uma pá de atores famosos usando bigodinhos ridículos e/ou fazendo sotaques bizarros. Nenhum deles está melhor do que Ralph Fiennes, que demonstra com espantoso timing cômico a tremenda injustiça de jamais ter ganho um Oscar. A trama é meio sem pé na cabeça, mas isto é o que menos importa: num país imaginário da Europa Oriental, o gerente de um hotel de luxo herda uma fortuna de uma de suas clientes milionárias, durante uma invasão por tropas estrangeiras. Só que este país não é a Hungria (o Budapeste do nome do hotel é gloriosamente gratuito), as tropas não são exatamente nazistas e assim por diante. O filme é uma imagem da realidade distorcida por espelhos de parque de diversões, e também uma ode às boas maneiras. O protagonista exige se banhar com Eau de Panache, seu perfume predileto, mesmo quando está na cadeia, e solta mesuras e bon mots nas horas mais impróprias. Dá para perceber que todo o elenco se divertiu muito, e eu me diverti também. Viva a civilização.

Um comentário:

  1. acho engraçado q seus posts de cultura dão ibope zero rsrs as bilu querem mesmo é tocar o salseiro. já ler um livro, ir ao teatro, ver um filme com um tiquinho mais de conteúdooozzzZZZZ...

    ResponderExcluir