terça-feira, 6 de maio de 2014

MÃE NÃO É TUDO IGUAL

Hoje é terça-feira. Portanto é dia de vídeo novo do "Põe na Roda", e também do meu post obrigatório sobre ele. Dessa vez os garotos vêm numa chave um pouco mais séria, com depoimentos incríveis de mães de gays e lésbicas. Pelos bottons que algumas usam, dá para perceber que são militantes de ONGs pró-igualdade. Quem me dera que a minha mãe fosse assim... Apesar de ter me assumido para ela há mais de 30 anos (eu conto como foi no vídeo "Não Gosto dos Meninos") e dela ter respondido, como as fofas acima, que desconfiava desde sempre, o assunto não é bem resolvido até hoje. Sabe o que mamãe me disse outro dia? Que havia pedido a Deus para não passar por três provas nesta vida - divórcio, câncer e filho gay - e acabou passando por todas. Talvez seja por causa da geração dela, talvez soe como um exemplo de superação, mas o fato é que eu odiei ser incluído neste trio de desgraças. Ainda bem que tem mãe moderna que pensa diferente, desmentindo aquela velha piada do "só muda de endereço".

14 comentários:

  1. Que bom, os vídeos estão cada vez melhores. Já perdi a birra que tive quando vi o primeiro.

    ResponderExcluir
  2. Tony desculpe-me o deslocamento (Mas lá do alto, vc só viu 100 mil pessoas também, como a PM, na Parada. Então quer dizer que no Reveillon tem no máximo 10 mil almas na Paulista.)

    ResponderExcluir
  3. A Edith Modesto é do caralho!!!!!!!!!! E a lindinha que se emociona no final, muito linda!
    E discordo Tony, mesmo sua mãe e a pérola que ela soltou kkk, faria bonito nesse vídeo, afinal, mãe é tudo igual só muda de endereço, basta ser bom caráter! ;D

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade, a primeira mãe é mesmo a Edith Modesto - presidente do GPH, o Grupo de Pais de Homossexuais. Não a reconheci.

      Excluir
  4. Tive um namorado cuja mãe vivia tentando levá-lo para a igreja, psiquiatra, umbandista, tudo. A mulher não desistia nunca, toda semana tinha uma nova tentativa milagrosa. Mas aceitava a nossa relação na boa, e sempre me tratou super bem. Vai entender, né?

    ivan

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso é Brasil! Dos bons tempos, é claro. Hoje ela contrataria um marginal para pelo menos te cobrir de porrada.

      Excluir
  5. Tony, desculpe perguntar, mas como é o relacionamento entre você e sua mãe?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bastante boa. Mas ela não tem nem de longe o engajamento dessas mães do vídeo...

      Excluir
  6. E a mãe deste aqui, como será que reagiu?

    http://www.homorrealidade.com.br/2014/05/suposto-pivo-da-separacao-de-rick.html

    Ela não sei, mas eu? Eu morri!

    ResponderExcluir
  7. Oi Tony. Este post me fez lembrar de uma enquete que está rolando no site da câmara federal sobre a definição de família "a partir de um homem e uma mulher". Quase não vejo repercussão do assunto. Trata-se de um nebuloso estatuto da família - projeto de lei 6583/13. Acho uma boa divulgar. O link é
    http://www2.camara.leg.br/camaranoticias/noticias/DIREITOS-HUMANOS/461790-CAMARA-PROMOVE-ENQUETE-SOBRE-CONCEITO-DE-FAMILIA.html

    ResponderExcluir
  8. Tipo... quando saí de casa para morar sozinho e já tava num relacionamento não-efêmero, resolvi contar pra minha mãe. A reação foi parecida com a dessas mães do vídeo, que já sabia, bla, bla bla... e me aceitou. Mas volta e meia escuto uns comentários não tão legais vindos da parte dela. Mas melhorou muito depois da novela do Félix, noveleira que só ela... aos poucos rola uma adaptação, da minha parte e da parte dela.

    ResponderExcluir
  9. Cantinho da terapia. Ô dó de vcs bichas

    ResponderExcluir
  10. Sugiro ir ao facebook da Folha de SP, no post sobre esse video, e ver a reação das pessoas. Na útlima vez que fui, tinham uns QUATRO MIL comentários, praticamente TODOS apoiando Claudia Leitte não querer filho gay e citando a ditadura gay.

    ResponderExcluir

  11. Tinha lido metade do post outro dia, porém só hoje o fiz por inteiro. Estou muito surpreso e, pra ser sincero, bastante decepcionado. Faz uns 3 anos que me assimi pra minha mãe. Foi a primeira a saber. Simplesmente agiu como se não me conhecesse mais. Vivia chorando pelos cantos - longe de mim, claro; e meu pai veio me pedir paciência, que com o tempo ela aceitaria. Tudo ficou muito subentendido desde então. Acho isso horrível. Às vezes penso que sou culpado por não insistir, mas a verdade é que evito me magoar com o que venha a dizer.

    ResponderExcluir