domingo, 11 de maio de 2014

BOULES DE CIRE

Moro ao lado do hotel onde o One Direction está hospedado em São Paulo. A gritaria na porta começou na madrugada de sábado e não parou nem quando os garotos saíram para dar seu primeiro show. Hoje está frio e nublado, e nem por isto as meninas (e umas poucas bibas) arredam pé. A banda também não colabora: a toda hora um deles aparece na janela para dar tchauzinho, o que faz com que o berreiro ultrapasse o volume de decibéis de um avião supersônico. Existem muitas teses a respeito desse comportamento de manada da sexualidade feminina. As fãs são todas mocinhas de família, e muitas provavelmente ainda são virgens. Mesmo assim, acham perfeitamente normal vir para o meio da rua extravasar seu desejo (e os pais liberam, talvez para elas não ficarem enchendo o saco em casa). Deve haver algum componente biológico nessa exaltação, pois se algum dos integrantes do grupo quisesse comer todas de uma só vez, conseguiria. Só que, mais do que entender, o que eu preciso neste momento é das famosas boules de cire Quies para lacrar meus ouvidos. Mas não nas antissépticas embalagens modernas. Tinha que ser naquelas caixinhas egípcias, como as que minha avó usava.

13 comentários:

  1. Sempre fico perplexo comigo mesmo quando repito(no automático) algumas palavras como "bibas", "bichas" e etc... Posso até acreditar que é uma forma debochada de "normalizar" o preconceito que vivemos, dando a essas palavras sentido menos pesado, menos excludente... Mas, um gay chamar outro de "biba" deveria ser tão inaceitável quanto é um negro americano chamar ao outro de "nigger". Por que não escrever "e nem por isto as meninas (e uns poucos meninos) arredam o pé "? eles são menos meninos? A diferença que faz deles "bibas" merece que eles sejam tachados com uma palavra depreciativa? eu, que sou gay, usar essa palavra homofóbica é uma postura autodepreciativa? Ou inteligente, já que revestida de suposto sarcasmo contra os "verdadeiros" homofóbicos? será que nós somos mesmo imunes à homofobia? Pelos seus post, sempre altamente politizados, perspicazes e inteligentes, sei que a palavra "biba" no seu texto não revela uma atitude negativa, mas me pergunto se não é uma atitude "automática" que poderia(ou deveria) ser repensada... Meninos, diversos como somos todos nós, agradeceríamos se os rótulos caíssem.... O que acha?

    ResponderExcluir
  2. Uso a palavra "biba" justamente para tirar a carga negativa que ela tem. "Biba", para mim, é uma versão carinhosa de "bicha". E também uma maneira mais precisa e bem-humorada de descrever certo tipo de gay (acho que nem todos são bibas).

    Justamente por sermos tão diversos, acho que um rótulo único como "meninos" não nos faz justiça.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quanta gente chata, caraio.

      Excluir
    2. Priguiiiiiiiiiiçaaaa...

      Excluir
    3. Meninos não vão pra porta de hotel gritar por boyband, foi mal. Biba sim. Não tem nenhum problema nisso, mas é como as coisas são.

      Excluir
    4. Gays tem autoestima tão baixa que precisam se autocategorizar pra poder se sentir melhor (ou pior) uns dos outros.
      Vê lá se hetero tem nome pra classificar o fã de alguma banda de rock ou qq outra bosta musical.
      Mas gay precisa sempre - e de preferência - criar e insistir em nomes pra botar as bichas uós no lugar delas.
      E claro que sempre vão dizer que criticar isso é mau humor, é coisa de reacionário, é de direita etc etc etc.
      Queremos é ver alguém gostar de ser chamado de BIBA, tipo no trabalho, ou quando chega em casa na portaria do prédio.

      Excluir
    5. Cumequié? Hétero não dá nome para fã de "qualquer bosta"? Claro que dá!

      E nomes pesados até, como "porco" para os palmeirenses.

      Faz parte do ser humano esse impulso de classificar o mundo e uns aos outros em categorias. É injusto? É. Cometem-se excessos? Claro. Mas é algo perfeitamente natural.

      Eu não me incomodo de ser chamado de "viado". Inclusive os posts sobre assuntos gays aqui no meu blog são assinalados com o marcador "viadagem", não como "homossexualidade" ou "LGBTXYZ".

      Biba, no meu dicionário, não é ofensa. É uma palavra que, para mim, descereve um gay levemente afeminado, muitas vezes magricela, com gostos e jeitos femininos. E ATENÇÃO: não estou dizendo que isto é ruim.

      Ruim é falta de caráter.

      Excluir
    6. Esse Anônimo tem uma cara de mal resolvido...

      Meus amigos, bem, 90% deles, são HTs, e posso dizer que o Tony está C-O-R-R-E-T-O!

      Excluir
    7. Melhor vc definir o que VOCE entende por ter uma "cara de mal resolvido", senão seu comentário vai ser a coisa mais debilóide que alguém que JURA e SE ACHA poderia escrever.

      A propósito: vc gosta(ria) que em todos lugares, trabalho, academia, restaurante, as pessoas todas se referissem a vc como "a biba"? "Olha lá a biba chegando", "oi biba tudo bem?". Pra vc OK viver assim?

      Excluir
    8. Óbvio que não. Ajo naturalmente e acho que não me encaixo no estereótipo. Mas vivemos em sociedade e devemos reconhecer o direito de termos pessoas DIFERENTES em sociedade. Fico feliz por haver gente pintosa, gente com cabelo azul, gente conservadora, etc. Infeliz seria o mundo se todos fossem iguais ou onde todos fossem necessariamente seguidores de um padrão heteronormativo, seguido por você. Enfim, FODA-SE o que acham de mim; aliás, foi essa a postura que vários caras gays adotaram e são pessoas bem sucedidas. Pessoas como você, que OVER se preocupam acabam se denunciando. Foi mal, meu caro, mas você é o cara enrustido do escritório. E sempre será. As pessoas falam dos enrustidos também e SABEM quem são eles. Não ache que você passa despercebido na academia...não passa não.

      Excluir
  3. falta de rola, define

    ResponderExcluir
  4. Febre de juventude. Tipo Beatles, só que por bandas montadas com hits feitos por um batalhão de gente e autotunada até a morte no estúdio.

    ResponderExcluir
  5. Sabe o que é pior? Vários deles devem ter 12cm de neca.

    ResponderExcluir