quinta-feira, 17 de abril de 2014

A REPÚBLICA DOS G0YS

Você conhece algum g0y? Sei não, mas o tal do movimento que está eriçando a internet - umas cinco pessoas já me mandaram links para notícias a respeito - me parece meio fake. Ouvi falar dos g0ys há mais de um mês, graças a esta matéria no site Lado Bi. Depois disso eles ganharam site e página em português no Facebook, além de várias menções na imprensa. Mas o que eu acho de tudo isto? Pra começo de conversa, claro que eu acho que é tudo viado. Esse papo de "homens que curtem homens, mas não fazem penetração" não diminui em nada a homossexualidade dos envolvidos. Aliás, como que até hoje é difícil para alguns se assumirem, hein? Quando eu era adolescente, conhecia caras que comiam os viadinhos do colégio e nem por isto se achavam gays. Mais tarde, tive um amigo que se gabava de ser "ativo radical" e de nunca ter tocado num único pinto, apesar de só transar com homens (hoje em dia parece que ele aliviou as regras). Fui olhar a fanpage dos g0ys no Face e, apesar de não ter reconhecido ninguém, achei que todos levam jeito. Até aí zuzo bem: cada um tem o direito de gostar do que gosta, e de procurar outras pessoas que compartilhem do mesmo gosto. Mas repito que o fato desses rapazes criarem um nominho ishperto para si próprios - e até mesmo uma bandeira, que mais parece a de uma republiqueta do Caribe - me soa tão falso quanto aquele jornalista da Dinamarca.

53 comentários:

  1. Claro que é tudo veado, até hj tem muita gente com dificuldade em se assumir completamente, e fica procurando eufemismos para o fato de gostar de...pau, pura e simples. Entretanto, a sexualidade humana é bem complexa, especialmente a dos gays, e acredito que muita gente se realize sem penetração, mas daí achar que não é gay é estar far, far away from the little house...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gays que não entendem os g0ys também não podem exigir que os héteros entendam os gays. Sei lá, para mim ver esse tipo de comentário "gayzista" é a mesma coisa que ouvir um hétero dizendo "fulano VIROU gay".
      Ser g0y não é só não gostar de sexo anal, tem outras coisas envolvidas.

      Excluir
  2. Se pegar ao pé da letra os nomes e os conceitos. Eu até aceitaria que eles não são "gays" porque parece que ser gay é uma criação moderna, simplesmente cultura e com bastante influencia americana. Agora sentir atração pelo mesmo sexo, isto parece que não se cria, e seria justamente o comum a todos os subgrupos. Se existe o gay e a transex pq não existir os G0ys? Limitaria muito a complexidade humana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Simplesmente perfeito o seu comentário

      Excluir
    2. Exatamente, tanta discussão parecendo que gay pelo fato de usarmos toda hora é uma palavra brasileira. Tanto GAY, tanto G0Y são termos americanos. E nos EUA o sentido de gay é claro, só é gay quem é ativo ou passivo. Portanto um g0y não é gay.
      G-zero-y é um cara masculino e homoafetivo. Homoafetivo é muito maior e mais amplo do que ser gay e isso é tão OBVIO, que vejo motivos, e não sei pq tanto zum zum zum. Todo mundo agora tem que ser gay? agora é obrigatório isso? pq porcaria de diversidade é essa que os gays pregam?!

      Excluir
    3. Concordo com o Paulo-Rj26

      Excluir
  3. São as mais passivas e femininas da sociedade, e esse horror a qualquer coisa feminina provém do fato de que, no fundo, estão enxergando a si próprias. E esconder-se assim é fácil. Macho mesmo são as "lirous". Isso sim requer coragem. :)

    ivan

    ResponderExcluir
  4. Adorei o aviso no Face de que não aceitam passivos no grupo. Tem coisa mais passiva que isso?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hahaha exatamente.Tem que ser MUITO MULHER para ter um comportamento desses.

      Excluir
    2. HaHa...Bem que imaginei....Todo esse pavor de cú só poderia ser coisa de passiva até a morte, mas com vergonha de se assumir, daí inventar essa categoria...Sai com um deles e oferece comê-lo, pra ver se não aceita na hora...

      Excluir
    3. kkk Eu sou g0y, dei uma olhada nesses grupos do face e broxei, realmente de g0ys ali não tem nada, tudo cara de morde fronha.

      Excluir
    4. Gostaria de saber mais a respeito do mundo dos G0Ys. FELIPE vamos trocar informações. Abraço! What 996091478

      Excluir
  5. Era mesmo só questão de tempo o aparecimento desta espécie dentro do grande gênero Gay e é até fácil entender porquê. Com a grande exposição de hoje, estas pessoas olham para a extremidade mais pintosa do espectro (a que tem mais visibilidade na Parada Gay, por exemplo) e não se vê representada ou não sente identificação.

    Colocando-se o "gay barbudo lenhador" ao lado da "travesti ma-ra-vi-lho-sa" percebe-se a distância enorme que o espectro cobre, e talvez nenhum destes extremos se identifique no outro.

    Já está na hora de alguém compilar todo o conhecimento do assunto para criar algo como a ESCALA KINSEY da homossexualidade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas a escala Kinsey da homossexualidade já existe, pelo menos em relação ao desejo sexual.

      Excluir
    2. Tony, a escala Kinsey cobre todo o espectro da sexualidade, desde 100% homosseuxal até 100% heterossexual.

      A "escala Kinsey da homossexualidade" que eu imaginei seria uma escala só da homossexualidade e cobriria somente o gênero Gay em todas as suas variações graduadas.

      Alguém já deve ter feito isso, não sei se com o rigor científico necessário.

      Excluir
  6. Sim, eu sei o que é a escala Kinsey.

    Mas essa que você imaginou vai além do desejo sexual. Pelo que eu entendi, ela inmcluiria gênero, identidade e comportamento, exclusivamente dos gays. Mas, e quem não é exclusivamente gay? Voltamos à escala Kinsey clássica?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não ser exclusivamente gay poderia ser um dos subgêneros dentro deste imenso balaio.

      Excluir
    2. Resumindo, os gOys são simplesmente mais uma espécie dentro dessa escala, provavelmente localizados mais perto dos Ursos do que das Travestis, mas igualmente representantes do gênero Gay.

      Excluir
    3. Mas já é! A escala Kinsey já os contempla.

      Excluir
    4. vamos chupar um pinto e parar com essa discussão de comadres!

      Excluir
    5. As velhas discutindo, épico!

      Excluir
    6. Minhas ídalas ! Não quero que vocês briguem !

      Excluir
    7. A escala Kinsey destaca que nenhum comportamento sexual da humanidade é novidade e que em tempos antigos como tudo transcorria em ares de maior hippocrisia da sociedade, tanto mais caprichavam as pessoas nas permissividades entre 4 paredes. Na fase escravagista consta que muitos escravos eram exclusivos para serem estuprados por seus senhores que não contentes em se satisfazer traziam ainda amigos e outros coronéis que gostavam do negócio com o ânus, ou seja esses escravos em um ano vinham a óbito por sucessivas lesões anais decorrentes de horas e mais horas de penetração hardcore, e o pior: todos sabiam que coronel x ou y tinham tara gay e isso era tido como normal e chamado de 'coisas de homem'. Imagino Gays em 1910 com aqueles bigodões encalacrados nos pentelhos da jeba de outro cara, enquanto mandavam centímetros e+ centímetros de krléo p/ dentro da garganta...

      Excluir
  7. briga de egos, pq eu sei, e tu n sabe e bla bla bla. ah, vao catar coquinho na ladeira, bi sem vergonhas.

    ResponderExcluir
  8. Os g0ys não deixam penetrar no coo mas estuprar a boca esta liberado!
    Isso é o que eles pregam, mas o que fazem na hora H ninguém é macho pra assumir. Já peguei muito g0y que na hora H sentaram e cavalgaram mais do que eu.
    Essas mountain bikes estão mais pra Cecizinha!

    ResponderExcluir
  9. Esse lance de g0ys para mim é medo de cheque feat. preguiça de chuca.

    ResponderExcluir
  10. "Como já sugeri por aqui, o gayismo pode ser o futuro machismo se a gente não cuidar." Para maiores detalhes leia o texto desse blog: http://minhavidagay.wordpress.com/2014/04/18/g0ys-a-sociedade-e-as-sexualidades/
    Acho que o autor do texto tem razão, os gays que eram criticados agora criticam, se as pessoas se definem assim devemos respeitar assim como gostamos de ser respeitados.

    ResponderExcluir
  11. Esses tipos estão pipocando no Grindr, aliás o grindr é algo a ser observado: Eu sou macho, só curto macho como eu, afeminados não se aproximem... É um direito sentir atração por um tipo, por exemplo meus irmãos héteros não gostam de mulheres espalhafatosas, mas não precisa ser grosseiro para dispensá-las. Até parece que não somos todos gays.

    ResponderExcluir
  12. Encontrei um amigo no grupo do tal G0ys no facebook. É gay e passivo. E ao que parece tbm é burro, já que uma das regras é não penetrar outro homem e casar com mulheres.

    Um movimento lixo, pretensioso, contraditório e vazio de sentido. Além desse amigo, ha outros velhos conhecidos meus...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. mas ele tá no grupo certo. ele n penetra outro homem: é penetrado. uuiii.

      Excluir
    2. Ei acho que o problema está no seu amigo, que é gay e não curte outro gay e não nos g0ys que são héteros e curtem punha em grupo. Quanta discussão inútil e homofobia, melhor g0yfobia, Sou hétero e não tenho nada contra, nem transgêneros, nem gays e nem contra os g0ys, cada um pode ser o quer, desde que o seu companheiro(a) esteja de acordo, ora essa.

      Excluir
  13. O Feliciano e o Bolsonaro são g0ys ?

    ResponderExcluir
  14. Entao vamos chamá-los de g0ysonaro e felicig0y?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu Não Tô Rosa-Chiclete Hoje21 de abril de 2014 00:52

      Comassim? Até normal não fechar 100% com fechação e pintosas categoria dálmata, mas só porque não conecta plugue na tomada acha que não é gay? Peraê.... como adorador de ursos, afirmo que tudo com homem é delícia, quem curte homem sabe que isso pode até ser premissa pra um, mas jamais p/ os dois, sempre vai ter aquele que não vai se satisfazer com mixaria e racionamento de sexo na relação, fato.

      Excluir
  15. Karolaine Montou-se e Foi à Luta21 de abril de 2014 00:33

    Isso é tão furado quanto os papos de lesbica masculina e homossexual passivo da ermã Cleyciane, homem q transa/curte/chupa/ama homem eh gay sim, com ou sem penetração... q historieta eh essa agora? Movimento fake. Toh fora de dar visibilidade p/ preconceito às avessas.

    ResponderExcluir
  16. Todos enrustidos, grande novidade. No quarto dão que é uma maravilha, faço muito 'hétero' desse tipo. Tão mais simples dar o koo sem neuras e justificativas furadas.

    ResponderExcluir
  17. O amor é lindo, até você tomar no cu. Antigo próvérbio g0y.

    ResponderExcluir
  18. kkkkkkkkkkkkk, não sabia que eles têm até bandeira, não creio nisso. Sem mais comentários kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir

  19. Quando os tabus e neuras vão ser destruídos para que se possa ser mais feliz,porque isso é o mais importante,ser feliz.Vamos viver com menos preconceitos e condenações,por favor.

    ResponderExcluir
  20. Tony e galera do blog, tudo joia?
    Acho viável sim ter blog's e discutir o que bem entender, até porque o blog é seu. Mas creio que é muito conveniente entender um pouco mais sobre o assunto até para discutir com mais propriedade. Tem uma autora muito interessante (não me lembro nome agora) que diz que para saber um pouco mais sobre o machismo vai lá e conversa com as vítimas dos machistas; quer saber mais sobre o racismo, vai lá e conversa com os negros; sobre a homofobia, com os gays. O senhor já conversou com um g0ys? Imagino que não, mas mesmo assim compartilharei a minha historia. Eu tenho 21 anos e dos 6 aos 8 anos, mais ou menos, fui abusado sexualmente por um "amigo" mais velho, creio que tinha 15 anos na época. Isso me trouxe uma grande confusão com relação a mim mesmo. Para começar minha família é muito conservadora e religiosa. O desejo sexual despertou em mim para o mesmo sexo. Como era muito religioso, não aceitava isso. Por milhões de vezes desejei com todas as minhas forças que Deus tirasse isso de mim. Como aumentava cada vez mais esse desejo, a repressão ainda mais intensa, eu imaginava que era algum amaldiçoado ou algo do tipo. Deixei a igreja, passei a conhecer outras congregações, outras religiões e até algumas seitas. Mas como o que queria encontrar era identidade sexual e não religiosa acabei desistindo de "congregar" e hoje não pratico religião. Só senti atração por uma garota na minha vida, mas era é tradicionalmente religiosa e, quando abri o jogo para ela, me julgou não ter fé o suficiente para me libertar do "pecado", ou seja, não bastava me atrair por ela, também não era convincente sentir atração por outro homem. Após tentativas frustradas de tentar perder a virgindade, com os dois sexos, não me identifiquei nem com a heterossexualidade, nem com a homossexualidade e muito menos com a bi. Comecei a fazer terapia e aceitar um pouco mais os meus desejos, visto que não tinha como num passe de magica deixa-los para traz. Não escolhi sentir o que sinto, foi imposto para mim, só tive paz quando comecei a aceitar. Acho a penetração muito "invasiva" e não sinto tesão em comer. Meu fetiche está ligado todo às preliminares e ao sexo oral. Acho as palavras "gay", "hetero" e "bi" rótulos criados para segregar as pessoas em grupos, como que querendo organizar a sociedade de uma forma politicamente correta. Isso não dá certo - cada grupo, tribo, religião, seita, cultura irá gritar pela sua mais que as outras. Não rotular é mais interessante, confortante, acolhedor, flexível, e creio que isso que o movimento g0y busca. Queremos nos relacionar com homens, mas não como os gays e não como se fosse estática, paralisada. Queremos também o direito de ter um relacionamento hetero quando for conveniente e constituir família, se quisermos. Ótimas sugestões para leitura, não exatamente sobre o tema mas parecido, seria sobre a sexualidade dos jovens indianos. Como as indianas têm a virgindade como uma honra, só a abdicam depois do casamento, os jovens indianos acabam tranzando entre eles, perdendo a virgindade, para suprir o desejo sexual e, no tempo certo, se casam com estas jovens virgens honradas. Você me diria que eles também têm dificuldade de aceitar a homossexualidade, assim como seus colegas do colegial?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você mesmo diz que não quer rótulos. Concordo, porque sempre digo que a sexualidade é algo fluido e mutante. No entanto, aceitou com prazer o rótulo de "g0y", que é extremamente limitante....

      Excluir
    2. LIMITANTE PARA VOCÊ TONY, para mim o rótulo g0y é libertador. Eu também não gosto de rótulos, odiaria se alguém me chamasse de g0y, pq isso não diz respeito a ninguém. Agora por outro lado, se não exitise um rótulo - na verdade existem dezenas de rótulos, não haveria como os caras mais masculinos, que curtem as coisas masculinas e não acham que ser ser homo afetivo é dá a bunda e nem comportar-se como viado. O nome ou seja o tal falado rótulo, permite a integração entre quem se reconhece como fazendo parte do grupo.
      CONVIDO A ABRIR A MENTE, veja o link: http://www.topvitrine.com.br/artigo/o-novo-rotulo-nao-importa-importante-e-o-conceito pois o rótulo não importa, o nome pode ser qualquer um. O importante é o significado, o importante é o conceito.

      Excluir
    3. Esse link e texto que apresentou João Roberto. É nota 10! Pois Tirou todas as minhas dúvidas.

      Excluir
  21. Ser G0y es lo mejor para algunos de nosotros que aun cuando nos gustan los hombres no la penetración anal entre mismos, por ser hombres nos gusta el cuerpo de hombre y no hacer lo mismo que hacen los heterosexuales, nuestros penes es la genitalidad masculina, viví muchos años engañado con la cultura gay, al descubrir que existen otros hombres que piensan como yo estoy mas tranquilo con mi cuerpo, con mi ser y con mi masculinidad, fui activista gay y ahora después de muchos años quiero ser parte de un grupo G0y, respetando la diversidad de pensamientos.

    ResponderExcluir
  22. E o fato de ser atraido pelo sexo masculino , e não querer se vestir de acordo com o clichê de um homossexual assumido? , acho que as limitações goys caracterizam um homem com atitude e que procura diversão tocando o foda-se nos parâmetros exigidos pela sociedade a respeito da opção sexual, que ainda é pressionada por conceitos machistas ultrapassados. seja quem você é independente se o resto do mundo é diferente de você

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com toda a certeza. É isso aeh, viva a liberdade.
      Abaixo padrões de comportamentos gayzistas.

      Excluir
  23. Kkkkkkk quero só ver que mulher vai aceitar seu namorado se ralando com outro cara.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu sou casado e tá de boa. Já fizemos MMF, a três. E Também já fizemos FMF, ora essa! Você é casado? Tem experiências com mulheres, ou tá só jogando farofa no ar...

      Excluir
  24. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  25. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir