quinta-feira, 3 de abril de 2014

A INCRÍVEL CARREIRA QUE NÃO ROLOU

George Michael tem absolutamente tudo para ser um dos maiores nomes da música pop de todos os tempos. Ótima voz, fantástica presença no palco, enorme talento como compositor, sensibilidade aguçada e visual de superstar. Mas alguma coisa não rolou. Ele arrebentou nas vendas e ganhou um Grammy de melhor do ano com "Faith", seu primeiro disco-solo, e emplacou hits que tocam até hoje (como "Freedom 90") com "Listen Without Prejudice". Mas aí brigou com a Sony e passou seis anos sem gravar. Sua carreira nunca mais se recuperou desse hiato. Seus trabalhos se tornaram raros, e, para piorar, a biba se meteu em alguns escândalos envolvendo drogas e/ou sexo em lugares públicos. Seu último CD saiu há uma década; de lá para cá, um ou outro single e olhe lá. Depois de encarar uma doença quase fatal há dois anos, Georgios (seu nome de batismo, de origem cipriota) reaparece com "Symphonica", um álbum gravado ao vivo com a participação de uma orquestra. Ele nunca cantou tão bem e os arranjos são belíssimos, mas um pouco mais de novidade só faria bem. Não há uma única canção inédita, além de covers que ele nunca havia cantado antes. Um deles é o standard "Wild is the Wind", que sofre na comparação com a versão de David Bowie. George Michael promete um disco novo em folha até o final de 2014. Mas não se anime: o moço não é de confiança.

7 comentários:

  1. Ellen Degenerada3 de abril de 2014 22:42

    Tenho Faith e Listen Without Prejudice na estante, ele era sexy sem ser vulgar, ele tinha vibe bad boy, ele fazia dançar e tb relaxar... Mas ele simplesmente não é mais aquele, hard to face it.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sexy sem ser vulgar.

      Sério que alguém AINDA tem coragem de formular esse tipo de conceito caquético?

      Excluir
  2. Tenho o Fatih, LWP e o Older ainda em CDs. Do Older em diante, a cada 10 baladas dele, 11 são chatas para caralho,
    O DVD da turnê de 25 anos de carreira dele é fenomenal (uma versão bigger and better do Unplugged que ele fez em 1996). Já esse Symphonica me dá uma preguiça.

    ResponderExcluir
  3. O maior sex symbol da minha adolescência!!

    ResponderExcluir
  4. Só cheguei a o conhecer porque ele cantou na abertura das olimpíadas de Londres.

    ResponderExcluir
  5. Acho "Amazing" uma das músicas mais deliciosas de ouvir, não só contando o repertório dele, não.

    ResponderExcluir
  6. Ouvi a versão de Wild is the wind, mas nada supera a versão da Nina Simone! Nem a do Bowie.

    ResponderExcluir