terça-feira, 25 de março de 2014

UM PAÍS ADOLESCENTE

Hélio Schwartsman, colunista da "Folha", disse que o Brasil sofre de excesso de autoestima. É verdade: achamos que somos não o mais, mas o único povo bacana do mundo, e tiramos sarro dos gringos que não apresentam requisitos básicos como samba no pé. Em tempos de Copa, então, esse traço da nossa personalidade coletiva vai às alturas. A propaganda é uma das culpadas, produzindo pérolas como o comercial em que Neymar ensina turistas a se humilhar pedindo guaraná, ou o singelo slogan "tudo de bra para você". Mas esse orgulho transbordante é acompanhado por uma insegurança paradoxal. É o que mostra a gritaria em torno da matéria publicada na revista da FIFA com dicas para os torcedores que virão nos visitar. Não há nada ali que a gente possa chamar, em sã consciência, de preconceito ou de estereótipo. Ainda assim esperneamos, e conseguimos que a FIFA pedisse desculpas. Porque não passamos um país adolescente e cheio de espinhas.

19 comentários:

  1. Concordo plenamente com você.
    Pura mágoa de caboclo. Povo que nāo sabe rir de si próprio mas adora fazer piadas com os outros.

    ResponderExcluir
  2. O problema, Tony, é que eles esqueceram daquilo que mais pode chocar os europeus: os brasileiros tomam banho todos os dias e consideram isso algo extremamente necessário. Sim, pode parecer clichê, mas quem saiu à noite na Europa ou fez academia lá sabe o total desprezo do europeu médio pela higiene. É de chocar.

    A reportagem esqueceu de fazer o alerta que somos limpinhos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Joãozinho está pro estereótipo do europeu que não toma banho como o europeu que acha que brasileiro mora na selva.

      Excluir
    2. Ai ai ai.. Joaozinho combatendo "preconceito" com preconceito...Então todo europeu médio ( que seria um europeu médio?) não tem higiene... e aliás... generalizar é um erro tremendo não??

      Excluir
    3. João, normalmente gosto de seus comentários, mas dessa vez vc foi infeliz. Os anônimos aí em cima estão com a razão.

      Excluir
    4. Ué, gente, não é preconceito. É conceito. É algo bastante normal ver gente fedendo na Europa; algo que chocaria aqui. Casas noturnas, boates, transporte público. A gente é muito mais higiênico, assim como os americanos também são.

      Excluir
    5. João está certo. Omitiram o fato de tomarmos banho por pura conveniência. A lista foi feita pra provocar - vide a recomendação final.

      Excluir
    6. Mas o foco da matéria era o Brasil. Se fosse pra falar sobre estereótipos de todos os países participantes da copa, seria necessária uma enciclopédia.

      Excluir
    7. Farlley, lê de novo o que eu escrevi. A reportagem fala sobre hábitos e costumes brasileiros. Minha sugestão jocosa foi incluir o hábito de tomar banho diariamente, o que não é algo universal na Europa.

      Excluir
    8. Brasileiro toma banho todo dia , no entanto o país tem uns 50% de casas sem esgoto.
      Se isso é ser limpo....
      A piadinha da limpeza perde a graça diante a pobreza que nos assola.

      Excluir
    9. Anônimo, argumento péssimo.

      Sabe o motivo? Estamos falando de países europeus, cuja maioria da população têm acesso à educação, ao saneamento, a serviços essenciais. E mesmo assim, a falta de higiene é gritante.

      Não dá para comparar partes do Brasil com muita pobreza com o metrô parisiense, cujo fedor é inesquecível.

      Então, desculpe-me, mas não há desculpas para isso. É falta de higiene de gente esclarecida, educada, etc. Esse povo tem que ser zoado, sim. É o "fim" não tomar banho e ficar usando a mesma roupa várias vezes por semana (sujinha).

      As pessoas pobres no Brasil que não tomam banho certamente o fariam se tivessem acesso a serviços essenciais. Não é o que acontece com boa parte da Europa, que tem serviços e não os utiliza plenamente.

      Beijos e abraços

      Excluir
    10. tem, sem acento. É singular. rs. Ops.

      Excluir
    11. Caro João. Entendi o que vc escreveu e entendo sua revolta. Ninguém gosta de ver seu país criticado, mas a matéria falava sobre coisas que o estrangeiro verá no Brasil. A maioria deles não verá brasileiros tomando banho, nem participará das campanhas de vacinação infantil que são as maiores do mundo, nem participará de eleições e verá o patriotismo que o brasileiro mostra nessas ocasiões.
      Tenho certeza que verão muitas coisas boas no Brasil e no povo brasileiro, mas saber rir um pouco de si mesmo faz bem.

      Excluir
    12. Ai meu Deus, foi uma brincadeira!!!!

      Excluir
  3. Passou dos limites, para uma publicação oficial. Tá mais pra roteiro dos Simpsons, mas sem a mesma graça.

    Crítica por crítica, prefiro essa aqui: http://br.esporteinterativo.yahoo.com/noticias/agora-%C3%A9-real--revista-francesa-critica-copa-no-brasil-200356437.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Por falar em Simpsons, me acabei de rir agora só de ler sobre o episódio da Copa.

      http://oglobo.globo.com/esportes/copa-2014/em-episodio-dos-simpsons-brasil-perde-copa-para-alemanha-12040893

      Excluir
  4. Interssante a análise, e dá pra falar o mesmo das pessoas;aquelas que demonstram um excesso de autoestima são normalmente as mais inseguras em relação às críticas (não era pra ser o contrário?)...O texto da FIFA foi leve e bem humorado, e só falou verdades, qual o problema de aceitar as tais "críticas" numa boa? Freud neles...

    ResponderExcluir
  5. Achei o texto bem humorado, do tipo que seria escrito por um Danilo Gentlli ou um Rafinha Bastos europeu. Só os itens sobre contato físico e desrespeito a filas são bem equivocados.
    Enfim, todo esterótipo tem um fundo de verdade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não. Discordo. Rafinha e Danilinho não seriam capazes de humor leve e sem agressão.

      Excluir