quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

TODO MUNDO LEVA A VIDA NO ARAME

Uma escritora inglesa (não vou lembrar o nome nem a pau) disse certa vez que não se incomodaria de morrer naquele instante se seu corpo pudesse ser sepultado no Taj Mahal. Eu também acho que não me incomodaria de cair fulminado agora se fosse para ter um funeral tão esplêndido como o de Virgínia Lane: maquiada, vestida de vedete, num caixão florido que mais parece uma pintura de Klimt, com o povo cantando "Sassaricando". Existe glória maior?

21 comentários:

  1. Triste mesmo é imaginar a quantidade de pessoas que nem fazem ideia de quem foi Virginia Lane. Coitados... Ainda bem que eu sei.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu sei quem ela foi como as demais e eu tenho 43 anos, procuro me informar, e gosto de saber, aos demais não sabem mesmo concordo com você, lamentável mesmo.

      Excluir
    2. Anastasia Beaverhousen14 de fevereiro de 2014 07:13

      Ui!

      Excluir
  2. Anastasia Beaverhousen13 de fevereiro de 2014 16:19

    Ninguém me tira da cabeça que Virginia Lane era um travesti.
    Tenho certeza de que foi ela quem desenvolveu a técnica de amarrar o bilau, e ninguém percebeu por 90 anos!

    ResponderExcluir
  3. O mio babbino caro,
    Eu quero ser enterrada com todo o luxo, glamour e uma enorme bandeira do PT em cima do caixão.
    No meu epitáfio quero escrito: "enterraram nela a vida inteira e agora está enterrada aqui".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anastasia Beaverhousen13 de fevereiro de 2014 19:14

      Show!

      Excluir
    2. Shirley Love - Petista Convicta13 de fevereiro de 2014 22:33

      Êpa êpa êpa...achei o amor da minha vida, acho??????

      VIVA O PT!!!!

      PT PT PT PT
      Ha-da-dê - Ha-da-dê

      Excluir
  4. Achei fenomenal, ela que pediu para ser enterrada assim, cinco anos atrás ela pediu a filha para que seu enterro fosse assim e com banda e o povo cantando sassaricando , fenomenal mesmo, mulher que viveu a frente do seu tempo e fez parte da história do teatro de revista Brasileiro. R I P.

    ResponderExcluir
  5. O mio babbino caro
    Assim na terra como no céu!

    ResponderExcluir
  6. Parabéns nota cem eheheh

    ResponderExcluir
  7. Ô nego, não tá curioso para ver Hoje eu quero voltar sozinho e Praia do Futuro, não?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu quero MORRE porque não consegui ingresso pra nenhum aqui. Vou ter que esperar a distribuição comercial do filme (e ver com legendas em inglês, iiiiirc)

      Excluir
  8. Falando nisso, viu que morreu a Maggie Estep assim do nada? Infarto fulminante aos 50 anos.

    ResponderExcluir
  9. Tony, tu viste?
    http://acapa.virgula.uol.com.br/lifestyle/bota-o-seu-na-reta-pra-ver-se-sou-gay-zeze-di-camargo-responde-comentario-postado-em-foto/1/15/23744

    ResponderExcluir
  10. Pode parecer mórbido até, mas achei muito, muito bonito esse funeral da Virginia Lane. Ela era uma mulher alegre, divertida e não combinaria com crisântemos brancos e um terço na mão como uma velhinha carola...Não sei se deixaram as belas pernas de fora, mas merecia. Ja deve estar lá bebendo um gim com Getúlio Vargas...rs...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso aí e dando altas risadas!!!!

      Excluir
  11. Ela era nuito da sincera, certa vez durante um documentário disse ter tido caso com dois presidentes (JK e Getúlio), daí o repórter safadinho perguntou quem era melhor de cama e ela não titubeou: Getúlio! - na lata e sem rodeios... As vedetes eram vistas como putas de luxo, mas nem de longe chegavam perto da vulgaridade dessas periguetes de hoje. Tinha glamour.

    ResponderExcluir
  12. Como disse o Xistus, putas de luxo, sim, mas com glamour!

    E seus belos corpos estavam a serviço da arte também, sem contar que cada uma era uma personagem, figuras muito mais elaboradas, a personalidade fazia parte do encanto e da aura de sedução.
    Não que elas fossem vistas assim há 50 anos, mas o que importa é que eram assim.

    Nem todas as vedetes eram Virgínia Lane (ninguém era como ela), nem todas são lembradas, a maioria (de tantas e tantas) nem marcou pra ter, pelo menos, a chance de ser esquecida, mas hoje não há qualquer complexidade na coisa, são só corpos, não tem alma, não tem nada!

    ResponderExcluir