domingo, 2 de fevereiro de 2014

O ÓDIO QUE NÃO DIZ SEU NOME

Não existe maior ofensa no Brasil do que ser chamado de preconceituoso. Nosso passado de escravidão e nosso presente de desigualdade fazem com que todo mundo rejeite o rótulo com horror - inclusive os preconceituosos. Já virou clichê ouvir algum babaca dizer "não tenho nada contra os gays, mas...". Agora a moda é se fazer de vítima e acusar as minorias perseguidas de "intolerantes". O mais recente exemplo deste fenômeno vem de Rodrigo Constantino, novo colunista-sensação da Veja online. As ideias ultrapassadas e o estilo sensaborão do sujeito me confirmam que eu estava certo quando deixei de ler a revista, mais de um ano atrás. Num texto publicado neste fim de semana, Constantino diz que deve ter assistido a uns 15 minutos de toda a novela "Amor à Vida" - e depois se dedica a analisar em detalhes cada subplot da trama. Isto em si é até engraçado: só expõe um traço antigo da cultura brasileira, que achava que novela era um subproduto indigno de atenção. Mas, alguns parágrafos depois, Constantino revela o homofóbico que realmente é:

"...os “tolerantes” querem impor, de qualquer jeito, suas preferências aos demais, sem tolerar de fato o que pensam ou sentem. Por que digo isso? Porque algumas pessoas podem, simplesmente, sentir aversão natural à imagem de dois homens barbados se beijando. É um direito deles.

Ninguém deve ser obrigado a achar “lindo” um beijo entre dois homens. Não são pela “diversidade”? Então que aceitem a verdadeira diversidade, inclusive com pessoas que não apreciam esteticamente um beijo entre machos. Ou não? Ou vão tirar a máscara e admitir que são autoritários, intolerantes, e querem um mundo onde todos pensem como vocês?"


Ora, ora, ora. Para começar, não existe "aversão natural" a dois homens barbados se beijando. Ninguém nasce assim. Isto sim é um aprendizado cultural e, em última análise, uma escolha. Veja o caso dos meus sobrinhos: desde que nasceram eles me veem beijando meu marido, e jamais tiveram o menor problema com isto.

Também não se exige de ninguém que "aprecie esteticamente um beijo entre dois machos". Gosto estético não se discute (mas claro que se lamenta). O buraco é infinitamente mais embaixo: o que se cobra são direitos iguais. Nem mais, nem menos. Quem acha que os homossexuais não são cidadãos plenos merece ser criticado sim, do mesmo jeito que um racista ou um machista.

Constantino faz parte do imenso contingente que foi pego de calças curtas pelo avanço do movimento LGBT. Agora esperneiam pelo "direito" de continuarem sendo homofóbicos. Quem negar esse direito a eles é que seria o verdadeiro intolerante, ao tolher as liberdades de opinião e expressão alheias. Aham. Sugiro que ele leve umas lampadadas na Paulista - ou simplesmente se veja impedido de incluir a esposa num plano de saúde - antes de sair dizendo por aí que o oprimido é ele.

No mesmo texto, Constantino ainda comete outro descalabro: "Não vou negar que representa uma conquista sob o ponto de vista do movimento gay (longe de ser, então, uma conquista dos brasileiros)." Ora, ora, ora. QUALQUER conquista dos direitos humanos é uma conquista de TODOS. Quando um homossexual brasileiro tem sua cidadania mais reconhecida, a cidadania de todos os brasileiros se fortifica. Devia ser óbvio, mas não é. Gente como ele não faz a puta ideia do que seja uma verdadeira democracia, que protege as minorias mesmo que a esmagadora maioria seja contra.

Fora que Constantino ainda trata os gays como uma espécie de outro. Fala como se fôssemos os exóticos habitantes de uma região remota, brigando pela demarcação de nossas terras. Não, bobinho: nós estamos em toda parte, em todas as famílias. Mais do que provavelmente, até na sua. Portanto, o beijo gay entre Félix e Niko também foi uma vitória - ainda simbólica, mas nem por isto menos vitória - para algum parente seu. Por isto, lutar pelos gays é lutar por si mesmo. Sempre.

40 comentários:

  1. Revistinha sem graça e reacionária!! Já cancelei minha assinatura tb!!

    ResponderExcluir
  2. Rodrigo Constantino é uma cópia piorada do Reinaldo Azevedo (se isto é possível...), não passa de um carola travestido de liberal; aliás, não consigo entender o liberalismo dessa turma, que se resume à ecônomia, mas quando se trata de comportamento, parecem medievais...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente, Danny. Você tocou num dos maiores problemas do Brasil: a inexistência, no debate público, de uma linha autenticamente liberal. Vemos, basicamente, um duelo entre os conservadores e a esquerda festiva. Na verdade, esses dois grupos fomentam uma polarização do debate. Não vemos, por exemplo, pessoas que sejam socialmente liberais (a favor do casamento gay) e economicamente também liberais (a favor do livro mercado, Estado mínimo, etc). Talvez o Pondé seja uma exceção, apesar de às vezes derrapar um pouco para o lado mais conservador. Ele é o único da turminha que disse, reiteradas vezes, ser a favor do casamento gay e dos direitos igualitários. Isso sim é ser liberal! Se existe uma parcela da extrema esquerda (PSOL, PSTU) que instrumentaliza fragmentos dos movimentos sociais em prol de sua causa, isso não significa que as demandas, em si, sejam socialistas. São coisas completamente distintas. Um liberal autêntico saberia distinguir as coisas, vendo que o fato de haver grupos que cooptam minorias para formar sua base partidária não significa que não devamos ampliar os direitos dessas mesmas minorias. Afinal, liberalismo nasce com ideias de equidade.

      Excluir
    2. Bravo, Joaninha! Estamos na mesma página (by now)...

      Excluir
  3. Gente, e essa fotinho de bear no Growlr?

    ResponderExcluir
  4. Constantino, vamos lutar juntos pela exclusão de beijos hétero em novelas, filmes, publicidades, peças de teatro e em vias públicas, já que eu sinto aversão a um barbado e uma racha se beijando!!!

    ResponderExcluir
  5. Peraí me explica que eu não entendi: o cara se diz partidário do liberalismo, um liberal, mas é contra os direitos( humanos de liberdade e igualdade) dos homossexuais pq ele é ele, e acha que ele mesmo pensa assim, então tá de boa? E que o blog é dele então ele liberalmente fala o que quer e xinga quem fala que ele errado pq ele È ELE!
    Queria saber o quais foram as "algumas coisas", que ele aprendeu com o discurso de Martin Luther King Jr.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Usar King Jr. pra defender a opressão está na moda.

      Excluir
  6. Como disse a Rihanna pra Star Magazine: "Your pussy is way too dry to be riding my dick like that".

    ResponderExcluir
  7. Aversão natural eu sinto quando olho pra foto desse mané ali em cima, mas não escrevo uma coluna sobre isso. Esse cara quer ibope, e só.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E tem pau pequeno ou ejaculação precoce...ou os dois!

      Excluir
  8. Concordo totalmente com você. Nossa luta não é para ninguém gostar ou aceitar, até por que ninguém é obrigado a aceitar nada, é somente para respeitar e sermos tratados de forma igual.

    ResponderExcluir
  9. Vão passar agora no Fantástico uma reportagem sobre o beijo, com uma entrevista com os atores.
    Eu sabia que os ataques viriam após o beijo, mas até agora eles estão risíveis.

    ResponderExcluir
  10. "Tenho aversão ao beijo de dois homens barbados".

    Ahã. Parece papo de escravagista pré-1888 falando que tem aversão ao beijo entre branco x negra ou negro x branca.
    É de um preconceito absurdo.

    O que este senhor considera como "esteticamente bonito" é o que vale para os demais? É ele quem vai cagar regra para a sociedade a partir de agora?? Faça-me rir.

    ResponderExcluir
  11. O mio babbino caro,
    Esse colunistas descobriram que vão pra mídia e são lembrados quando fazem alguma postagem polêmica, quando mais se falar deles mais eles gostam.
    É a mesma estratégia do Feliciano, Malafaia e do Bolsonaro, falar mal dos gays dá a repercussão que eles querem.
    Quando mais comentamos as besteiras que eles vomitam mais felizes eles ficam, vamos ignorá-los?

    ResponderExcluir
  12. Essa revista Veja não dá uma dentro. Também, para encantar os leitores conservadores os colunistas e jornalistas precisam repassar aquilo que os primeiros querem ler. Quanto retrocesso, argh.

    ResponderExcluir
  13. Tony sambando sem prometer!

    ResponderExcluir
  14. O Constantino devia escrever também sobre a crescente presença de negros na TV brasileira, por que 'algumas pessoas podem sentir uma aversão natural à presença' de descendentes de escravos nos produtos culturais brasileiros.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bravo!
      Pq preto é feio, vc sabe né? Eu racista, imagina? rsrs

      Excluir
  15. É isso aí, Tony! E parabéns pela pachorra...

    ResponderExcluir
  16. Esse cara é um bolha...baixei um livro dele pra ler no kindle...na terceira pagina deletei o livro. Nem a autobiografia de Eike Batista era tão sebosa qto o que esse sujeito escreve...mais um infeliz com voz na mídia. Paciência!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Qual era o livro? Gostei do Privatize Já. O editor foi tão competente que nem pareceu que era ele escrevendo. Mas não voltarei a contribuir financeiramente com esse boçal...

      Excluir
    2. Long way home...
      Difícil aprendermos a conviver como iguais sejam quais forem nossas supostas desigualdades.

      Excluir
  17. Curioso como essas pessoas se intitulam "liberais"… não sabem nada de liberalismo político (quiçá do liberalismo econômico), nunca devem ter lido um Rawls ou mesmo um John Locke.

    ResponderExcluir
  18. Trolagem redacional contra qualquer assunto que gere mídia é o novo melancia no pescoço. Ignorar é o melhor antídoto. E nem é difícil.

    ResponderExcluir
  19. "Analise de um liberal sem medo de polemica" Minha avó sempre dizia, se quer aparecer pendura uma melancia no pescoço e sai por ai. Os tempos mudaram, agora somos palco para analise de um liberal sem medo de polemica - devemos esquecer esse liberal sem medo de polemica.

    ResponderExcluir
  20. Faço como você, parei de ler a Veja há anos. Pior do que as ideias do cara, é o texto mal escrito e sem nenhum fundamento.
    Comparar direiros iguais ao direiro individual de não querem que os demais tenham os mesmos direitos, por opinião própria, é no mínimo ignorância.
    Ninguém é obrigado a ver novela, muito menos uma novela que tem um gay como o principal personagem. Troca de canal. Isso sim é direito individual.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Reinaldo Azevedo, também de VEJA, acabou publicando um texto sobre o beijo gay. Pode-se até discordar do Reinaldo, mas frente ao texto do Constantino, escreve quase uma obra-prima.

      Excluir
  21. A Veja deu uma rejuvenescida na galera, outro dia também li pérolas de um tal de Felipe Moura Brasil, na linha: Meu direito de ser preconceituoso, porra!
    Ok, tudo bem, seja preconceituoso e assuma o caralho de seu preconceito como os americanos costumam fazer, seja preconceituoso mas não seja covarde! Não se preocupe, a escravidão negra, o holocausto nazista, o horror enfim, não foram perpetrados pelo direito de alimentar preconceito contra supostas minorias.

    ResponderExcluir
  22. O legal foi que li agora no igay o filósofo Luiz Felipe Pondé comentando que o beijo gay foi uma vitória do capitalismo. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    Quem diria que a turma da Veja tem algo de Vladimir Putin! kkkkkkkkkkkkk
    Quem nunca, meninos da Veja?

    ResponderExcluir
  23. Acho que o mais surreal do texto do Constantino é o momento em que ele fala de "aversão natural". Ou seja, transfere um sentimento pessoal dele (ele tem o direito de ter aversão) a toda uma coletividade. Isso vindo justamente de alguém que preza pelo individualismo. Incoerência total!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Surreal mesmo é a grosseria com que ele trata os leitores (alguns de longa data, aparentemente) que ousam discordar...

      Excluir
  24. E a pinta de beardelícia?

    ResponderExcluir
  25. O Constantino é muito fraquinho. Como a Veja tá dando blog pra qualquer um que fale mal da esquerda em geral - e do PT em particular - ele ganhou um espaço pra ser fraquinho por lá. É economista de formação, e palpiteiro por vocação. Ele só é liberal quando defende a privatização dos tubarões (sim, ele escreveu isso) ou diz que estabelecimentos privados que barrem negros estão apenas exercendo seu direito de propriedade. No resto ele é da velha direita conservadora, como outros já apontaram por aqui. Mas só não digam que ele é "carola", porque o Constantino é ateu assumido.

    ResponderExcluir
  26. Ta ficando "famoso"!! Rsrs..."Outro dia mesmo um colunista de um blog me acusou da mesma coisa. Só não o processei porque não acho que vale a pena perder meu tempo - Rodrigo Constantino" http://veja.abril.com.br/blog/rodrigo-constantino/cultura/bolsonaro-na-comissao-de-direitos-humanos-ate-que-nao-parece-tao-ruim/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O texto é puro lixo e ainda cheio de citações que são puro chorume. Pelo menos ele tem a dignidade de aceitar os muitos comentários discordantes.

      Excluir
    2. O meu, para o texto anterior, ele não aceitou...

      Excluir
    3. Caí como um patinho então...

      O engraçado é que vivem pagando de "defensores das liberdades individuais", o que inclui a liberdade de expressão... Acusam os "esquerdistas" de autoritarismo, radicalismo, intolerância etc e ao mesmo tempo evitam o debate com toda essa covardia. E tem que faça pior ainda, "dedetizando" os comentários e instaurando um consenso forçado.

      Não existem limites para a hipocrisia...

      Excluir