segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014

EM FAMÍLIA

Mia Farrow se casou com Frank Sinatra em 1966, quando ela tinha 21 anos e ele 50. Três anos depois, já divorciada, ela engravidou de um homem casado, o maestro André Previn - 16 anos mais velho do que ela. Ou seja, Mia entende bem de mocinhas que se interessam por homens maduros. Imagino o terror que ela sentiu ao ver o feitiço se virar contra o feiticeiro, quando sua filha adotiva Soon-Yi Previn - que na época tinha algo entre 19 e 21 anos (a data exata do nascimento dela é incerta) - se engraçou com seu namorado Woody Allen, então com 55. Claro que é creepy pra caralho um homem dessa idade garfar uma garota recém-saída da adolescência, e ainda mais sendo filha de sua namorada. Mas Mia tampouco era santa: ela mesma admitiu que andou sapecando com o ex- Frank Sinatra, àquela altura já casado com outra. Tanto que Ronan, seu suposto filho com Woody, "pode" ser filho do cantor (claro que é, basta olhar as fotos). Mas o inferno não conhece fúria maior do que o de uma mulher desprezada, e eu não me surpreenderia se Mia envenenou mesmo os próprios filhos contra Woody. Veja bem, não estou dizendo que foi isto o que aconteceu: provavelmente nunca saberemos quem diz a verdade nesse imbroglio todo. Só sei que Dylan Farrow é sem dúvida uma vítima, pois tem sequelas até hoje do que acredita ter acontecido em sua infância. Mas de quem é a culpa?

16 comentários:

  1. da Mia, aquela racha uó...Adoro o Woody Allen, realmente espero que ele seja inocente nessa história sórdida e mal-contada...

    ResponderExcluir
  2. torpe ao extremo!!!!!

    ResponderExcluir
  3. Muita fácil falar que a mulher é a culpada da porra toda né não?

    ResponderExcluir
  4. Mais fácil e engolir qualquer coisa que sai na mídia sem antes ouvir todas as partes envolvidas, neamm?

    ResponderExcluir
  5. Do sistema, onde brancos, ricos e judeus raramente são presos. Ele sequer foi indiciado.

    ResponderExcluir
  6. Penso ser muito escroto quem escreve esse tipo de artigo ignorando um relato tão real e delicado da própria vítima, desvincilhada das vaidades, facilidades, do glamour fácil que uma família hollyoodiana é acessível e jogar a podridão de um pai pedófilo, agressor sexual e gênio das artes. Você se coloca em cima do muro e não levanta questionamento algum acerca da canalhice do Allen. Branco, judeu, representante da maioria que manda e tem poder, permanece intocável em sua construção textual. Vergonha também ao reduzir Mia como uma mulher que teve filhos fora do casamento como não santa. Machista! Superficial.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como não levanto questionamento? Qual parte desta frase que você não entendeu?

      "Veja bem, não estou dizendo que foi isto o que aconteceu: provavelmente nunca saberemos quem diz a verdade nesse imbroglio todo."

      Mas, assim como você se inclina a achar que Woody Allen é de fato culpado, eu me inclino a achar que ele é inocente.

      Excluir
    2. estou com um pouco de nojo de vc, tony

      Excluir
    3. Aguarde minha coluna de amanhã no F5. Você vai querer vomitar.

      Excluir
    4. tony o povo julga sem saber!!!! vc diz so as partes sabem da verdade, o que é o mais sensato!

      Excluir
  7. Anastasia Beaverhousen4 de fevereiro de 2014 16:54

    Sabe a diferença entre um homem e uma manga?
    A manda amadurece.
    E sabe a diferença entre uma mulher e Deus?
    Deus perdoa.

    ResponderExcluir
  8. "Brancos, ricos e judeus"...Se substituirmos a palavra 'judeus" por "gays", ou apenas "ricos e negros", todos caíriam de pau em cima, né? Mas em judeu pode bater, que não é preconceito, segundo a agenda esquerdista...Ah sim, e a Mia, por ser mulher, está acima de qualquer suspeita e não se pode sequer sugerir que tudo não passou de uma vingaça sua...Temos a declaração da garota, mas does "escola de base" ring a bell?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tira o judeu da frase, o argumento permanece intacto.

      Excluir
  9. De longe, a coisa mais sensata que li sobre esse caso ultimamente.
    Mia vem tentando provar a pedofilia de Woody há muito tempo, inclusive declarando que o próprio filho com ele (ou com o Sinatra - como assim ela pragueja contra a dupla traição de filha e marido, mas mantinha um caso e pode ter tido um filho com outro homem, tudo isso antes dos dois?) foi molestado também, algo que jamais conseguiu provar. E várias vezes já declarou a sua revolta pela complacência com que o caso dele com sua filha foi tratado, algo que é compreensível, porque eles estão juntos até hoje, é socialmente assimilável, já que não há parentesco.

    Não se trava de achar que Woody é santinho, mas né?
    Ela o persegue com uma tenacidade impressionante.
    Ok, alguém pode dizer que é uma mãe querendo vingar as crias.
    Sinceramente, me parece que a mulher traída está muito à frente e acima da mãe vingadora, nesse caso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. De longe, o post mais sensato que li aqui...

      Excluir
  10. Geralmente a palavra a vítima (sempre suposta) não é levada muito a sério por que se trata de indivíduo considerado mais vulnerável (mulheres, crianças, travestis, homossexuais). A maioria dos casos de abuso sexual é cometida por alguém de próximo e de confiança. Mas como se trata de uma figura do stabishment como um homem, branco, bem sucedido.

    ResponderExcluir