quinta-feira, 2 de janeiro de 2014

ÔÔÔ INFERNOOO

Eu tenho uma superstição que nunca consigo seguir: adoraria terminar o ano sem nenhum livro lido pela metade. O de 2013 é "Inferno", de Dan Brown, do qual ainda me faltam 150 penosas páginas. É ruim para danar, mas por quê eu simplesmente não largo? Porque gosto de acabar tudo o que eu começo (também não saio de nenhum filme no meio, por pior que seja). Comecei a ler "Inferno" em junho, assim que saiu, na esperança de me divertir tanto quanto com "O Código Da Vinci". Mas eu já tinha percebido que Brown é um escritor terrível em seu livro seguinte, o pífio "O Símbolo Perdido". Desta vez ele optou por um vilão que ficaria ridículo até num filme de James Bond: um cientista que quer eliminar boa parte da humanidade com medo da superpopulação (e isto num momento em que as taxas de nascimento caem em quase todo o mundo). Seu estilo over-didático parece pensado para retardados, e seu abuso do itálico me dá vontade de chamar a polícia. Prometo que esta é a última vez que eu perco tempo com as aventuras do simbologista Robert Langdon. A vida é curta.

9 comentários:

  1. Pois é. E a quantidade de "reviravoltas" que acontecem ao longo da história? Em que NADA, absolutamente NADA é o que parece ser? Ruim demais. O Dan Brown virou uma caricatura de si mesmo.

    ResponderExcluir
  2. tantos classicos obrigatorios ( vc nao deve ter lido todos) e vc perdendo tempo com dan browm.

    ResponderExcluir
  3. Tá no meu tablet desde junho também, não consigo passar do primeiro capítulo...

    ResponderExcluir
  4. Dan Brown? E o que virá na sequência...Paulo Coelho? Spare me!

    ResponderExcluir
  5. Deja vu...
    Continue lendo. Acho que vc terá uma boa surpresa.

    ResponderExcluir
  6. é otimo pra ler na ponte aérea.... pode até dar umas cochiladas em algumas páginas...o mais legal é relembrar as cidades mencionadas no livro.

    ResponderExcluir
  7. Inferno é chato, com um apanhado de citações históricas que se tiradas do livro não sobraria um capitulo inteiro de ação. Prometi a mim que o próximo livro dele não gastarei um centavo para adquirir e nem meu precioso tempo pra ler. O livro que deixei na cabeceira e que virou o ano foi Cinquenta Tons de liberdade. Consegui ler o primeiro e o segundo, mas o ultimo ta difícil. E sou como vc, prezo o valor do ingresso e fico até o fim, e nunca deixo livros pela metade...

    ResponderExcluir
  8. meodels, mto ruim
    li todo porém sofri

    ResponderExcluir
  9. Tô com esse livro aqui em casa, e nunca tive coragem de ler por medo de ser ruim! Obrigado por me avisar. Bjão!

    ResponderExcluir