terça-feira, 21 de janeiro de 2014

HISTÓRIA MAL CONTADA

Não, não estou convencido. Suicidas em potencial costumam apresentar sintomas de depressão e emitir sinais sutis do que pretendem fazer. Parentes e amigos garantem que este não era o caso de Kaique. Ah, e quem garante que ele não foi jogado da ponte? É notório que querem diminuir os índices de assassinato em SP. Sinto muito, mas a credibilidade da polícia ainda está em jogo. Ela é que tem que apresentar provas convincentes: dizer que há mensagens de despedida num diário não basta. De qualquer forma, tendo havido crime ou não, este caso precisa ser encarado como uma vitória pelo movimento LGBT. A mobilização pelas redes sociais foi rápida e eficaz. Uma morte que normalmente não ocuparia as manchetes foi parar até mesmo no "Jornal Nacional". Até o governo federal se manifestou, através da ministra Maria do Rosário. E não nos deixemos impressionar pelos homofóbicos disfarçados que nos acusam de histeria: Kaique pode até não ter sido mais uma vítima da intolerância, mas muitos ainda são, todos os dias. A luta continua.

16 comentários:

  1. Com certeza, Tony! O rapaz pode não ter sido mais uma vítima do preconceito, se foi há que investigar e punir. O que (me) causa espanto é a precipitação de muitos. A Polícia de São Paulo, queira ou não é a melhor e mais bem equipada do país. Rivalizando, talvez, com a polícia técnica do DF. A verdade, espero, vai aparecer, mas isso, infelizmente leva tempo. Cautela e canja de galinha!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Só rindo do "a polícia de São Paulo, queira ou não é a melhor e mais bem equipada do país". Acho que você quis dizer a melhor em truculência e brutalidade né kkkkkkkkkkkkkkk

      Excluir
  2. A família não tem que admitir nada, o que tem que dizer o que aconteceu são as provas e o fatos.

    ResponderExcluir
  3. O mio babbino caro
    A luta continua.
    "É desse jeito
    Aê, você saí do gueto, mas o gueto nunca saí de você, morou irmão"
    (R)
    ...

    ResponderExcluir
  4. O ponto é, se foi suicídio , também foi uma morte fruto da intolerância, é exatamente ela que faz com que diversos jovens LGBT tirem a própria vida.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cheguei aqui para dizer isso, mas já havia o seu comentário. Assino embaixo.

      Excluir
  5. ha dois dias atras vi no jornal da record news q um travesti q nao recordo o nome agora tbm foi morto covardemente em um bar, cheguei ate a me emocionar, pois passou a sua mae, um senhora que morava sozinha co. ele, aos prantos, dizendo que ele era uma pessoa decente/trabalhadora. sei nao viu, a parada gay deste ano deveria trocar o arco iris por PRETO pra chamar a atencao, pois ignorar essas coisas seria muito cinismo, da parte dos organizadores.

    ResponderExcluir
  6. Esse tipo de crime só vira manchete nacional se acontecer na cidade de SP,no resto do país o pau come e só sai-quando sai-em um ou outro veículo local.

    ResponderExcluir
  7. Manipular notícias de um jovem que cometeu suicídio é uma política asquerosa. A família viu o vídeo para confirmar. O que mais alguns de vocês precisam para aceitar o fato que erraram? Isto é ditadura da bestialidade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ER, existe um vídeo que mostra ele se jogando do viaduto???

      Excluir
  8. ER, a polícia recebe bônus para diminuir os índices de criminalidade. O garoto não apresentava sinais de depressão nem nada que sugerisse um iminente suicídio. A mãe mudou de ideia bruscamente...

    Mas o meu ponto é outro: este episódio mostrou a força dos LGBT. Agora somos reconhecidos como um agente político. Somos gatos escaldados: já sofremos demais calados, não vamos sofrer mais. E aposto como os poderosos entenderam o recado. O próximo caso de violência contra gays vai ser tratado com mais cuidado pela PM. vc vai ver.

    ResponderExcluir
  9. Eu não sei, não, Tony. Acho que ele tenha mesmo cometido suicídio. Mensagens no face e no diário, as quais certamente certamente a família deve ter visto e idem ticado sua grafia, por exemplo, denotavam o mesmo caráter depressivo que o rapaz sofria. Conhecidos dele diziam que de vez em quando, apesar de ser um garoto alegre, falava em morrer. :/

    De qualquer forma, valeu a pena tanto alarde. Que venham dias melhores.

    ResponderExcluir
  10. Bem, muitas famílias são pegas de surpresa por um suicídio (conhecimento de causa). O fato de haver mensagens de despedida em seu diário, não significa nada vindo de um adolescente de 16 anos. Por outro lado, amigos diziam que ele havia bebido muito...
    É o típico caso de morte não esclarecida.
    Se ficou algo de positivo nisso tudo foi a mobilização, mas por outro lado há quem considere isso alarmismo (gente que não está a par do número de homossexuais assassinados)...
    Quanto mais eu penso no assunto, mais confuso eu fico.

    ResponderExcluir
  11. Bom, eu também ainda tenho minhas suspeitas, no entanto sabemos que na prática vai ficar como suicídio mesmo. Os homofóbicos de plantão estão dando pulos, pois com a repercussão do caso e a possível divulgação de fatos inválidos pela mídia, agora eles terão um "argumento" para dizer que a homofobia não existe e só vão reforçar mais ainda o que sempre dizem: "a mídia manipula tudo em favor desta militância 'gayzista'".
    Mas o que você disse no final é muito válido. Pode até ser que neste caso o crime não foi de homofobia, porém outros foram e outros continuarão sendo, infelizmente.

    ResponderExcluir
  12. Tony, a história está sim muito mal contada. Um rapaz bêbado perto da ponte depois de um balada, segundo imagens em vídeos não divulgadas e que não mostram ele se jogando da ponte. A mãe, que estava desesperada e clamando por justiça e com o apoio da sociedade, que ela não imaginava obter por ser pobre e negra, muda sua opinião sem a conclusão do inquérito que tanto exigiu se baseando apenas lendo trechos de um diário e vendo esse tal vídeo, não divulgado até agora, mesmo com o clamor público. Depois descobrem que o advogado da vítima que defende o caso e elogia a postura de uma polícia que registrou o ocorrido como suicídio é um profissional conceituado e que tem escritório em um dos bairros mais valorizados de São Paulo, o Jardim América. Desde quando um advogado desse calibre aceita casos de famílias carentes? Existem outros fatores, como a forma que foi encontrado o corpo (sem dentes e com perfurações nas pernas provavelmente ocasionadas por uma barra de ferro). Eu já reconheci corpos de suicidas que pularam de prédios, das pedras da Praia do Tombo e os corpos estavam em melhores condições do que o descrito do Kaíque..Soma-se a isso, a nova politica do Governo de SP de premiar PMs para diminuírem os números de assassinatos na cidade, além de ser um ano eleitoral. Dá ainda pra pincelar outros pontos, como amigos/testemunhas que afirmam que haviam skinheads na balada e que houve discussões,corre, corre. E com a nossa ditadura disfarçada de democracia,eu não me convenço de que não foi um crime homofóbico. Independente do desfecho, valeu pela movimentação nas redes sociais, do engajamento de poucos, que mesmo assim conseguiu levar o assunto para o Jornal Nacional, Conquistamos apoio da Maria do Rosário e agora uma nova ação para a militância gay tratar o assunto de suicídios entre jovens gays, que na maioria das vezes acontecem por conta da homofobia, normalmente vivida dentro de casa. No mais, parabéns pelos que se engajaram e não deixaram esse assassinato embaixo do viaduto da 9 de julho, como outro que aconteceu no mesmo lugar e em situações semelhantes em 2012 e que não foi divulgado e esclarecido. O dia Mundial de Prevenção ao Suicídio acontece em setembro e o assunto cercado de tabus,mais comum do que muitos imaginam, deve ser encabeçado pela nossa militância, que na minha opinião colaboram muito pouco com os assuntos relacionados à nossa comunidade. Em tempo: nem cx de som para o discurso no dia da manifestação do Kaíque existiram, enquanto cxs de som e mcrofones não faltam na Parada Gay.

    ResponderExcluir