segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

DÊ UM ROLÊ

Rolezinho: pró ou contra? É fácil cair para qualquer um dos lados. Antes de mais nada, vamos combinar que quem tem perfil no Facebook não está exatamente alijado da sociedade de consumo. O que me causa desânimo é exatamente isto: que merda de juventude é esta, que só quer consumir mais e melhores grifes? Por quê não estão exigindo mais educação, como os chilenos? Por outro lado, não deixa de ser divertido dar um susto na burguesia. E essa molecada não tem mesmo muitas opções de lazer, os hormônios borbulhando... Enquanto ninguém se machucar, tá tudo certo. Mas talvez não demore muito.

19 comentários:

  1. É como quando os brasileiros são barrados na Europa, ao quererem fazer seu "rolezinho".

    A Europa do Brasil são os Shoppings.

    ResponderExcluir
  2. Quem tem Facebook é tratado como consumidor no Brasil, pois existe uma remuneração indireta (através de anúncios). Tanto é assim, que em processos envolvendo usuários do Facebook e o Facebook na Justiça, aplica-se o Código de Defesa do Consumidor, que traz várias prerrogativas ao consumidor.

    Dito isso, shopping é propriedade PRIVADA. Ele não é obrigado a aceitar reuniões dentro de seu espaço; multidões, etc. O problema é a seletividade (ex: barrar uma pessoa X sem motivo, que supostamente estaria associada ao movimento do rolé) e a violência policial, que nada tem a ver com o shopping, mas sim com a forma como as polícias brasileiras atuam.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meu, como esse joão é chaaaaaaato. Se acha o comentarista. Preguiça

      Excluir
  3. lazer de pobre é ver Faustao, se acham pouco que trabalhem pra pagar lazer de rico

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É assim mesmo.

      E tem quem acredite, começando pela nossa mídia preguiçosa e incompetente, que tudo se resume ao desejo de consumir "mais e melhores grifes".

      Ninguém parou pra pensar que em muitos lugares o shopping é a única "praça"? Privada, extorsiva e construída com todo apoio do governo, apesar dos custos ambientais e sociais? Uma taba há 500 anos tinha mais opções de lazer do que a maioria dos bairros tem hoje. Shopping é comércio, não é lazer. Não oferecer alternativas, de maneira que todo mundo acabe no shopping, é tratar a população como boiada (em regime de pecuária intensiva, pra piorar).

      O recado do rolezinho é principalmente para o governo. Mas todos fingem não entender, e o assunto vira mais um fogo de palha, um mero motivo para discussões carregadas de ódio e preconceito, como acontece com tantas outras questões sérias atualmente.

      Excluir
  4. Vamos combinar uma coisa: quem tem perfil no fb e' vulgar!

    Vamos tb combinar uma outra coisa: foda-se os jovens, foda-se os shoppings, enfim foda-se brasil!

    ResponderExcluir
  5. "Não deixa de ser divertido dar um susto na burguesia!!!!????" ....Perdeu qualquer propriedade pra falar do assunto...

    ResponderExcluir
  6. Concordo com o anônimo acima...Bola fora nesse post, Tony...Fazer arrastão em shopping é legal? Please...E se não há opção de lazer na periferia a culpa é do shopping, seus lojististas e frequentadores? Tá meio "maoísta" esse ponto de vista...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Digo e repito: como deve ser triste ter uma cabecinha pequenininha, onde não cabem duas ideias contraditórias ao mesmo tempo.

      Excluir
    2. hahahaha meu caro, elas sempre existirão... e o pior, na nossa classe de aula

      Excluir
    3. Não, trata-se apenas de civilização e barbárie, e triste é escolher esta última...

      Excluir
  7. Vou postar aqui o que postei no meu Face e que gerou um debate de mais de 40 comentários...

    Vou levar pedradas, mas vou me manifestar.

    Foi mal, gente, mas o shopping é área privada e não é obrigado a estar de acordo com eventos pré-agendados dentro de sua área ("rolezinho"). Isso não significa concordar com a violência policial; essa sim, que merece ser criticada e contra a qual deve haver protestos, preferencialmente diante da sede do poder que organiza a polícia, ou seja, o governo do estado. Apenas acho que há formas e lugares melhores para protestar e "sacudir" o "status quo". Aliás, até onde eu sei, o rolezinho não tem nada de político em sua origem.

    ResponderExcluir
  8. Substitua "pobres. pretos e favelados" por "gays". Ainda acha que faz algum sentido proibir a entrada de um grupo porque, aaahn, não são bem vistos?! Francamente, Tony.

    ResponderExcluir
  9. Anastasia Beaverhousen14 de janeiro de 2014 20:43

    Fala sério...
    Viado condenando consumismo é como o Jô Soares recomendando dieta.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O mio babbino caro
      Ninguém sabe aonde a esquizofrenia racial nacional vai chegar!

      Excluir