terça-feira, 7 de janeiro de 2014

BONECA COBIÇADA

Digamos que você seja um homem que sempre quis se vestir de mulher. Um belo dia você tomou coragem e não só se vestiu como também se penteou e maquiou. E aí se olhou no espelho - e ODIOU o que viu. Foi o que aconteceu com Robert, que só conseguiu se montar quando já beirava os 70 anos de idade. O que fazer então? Que tal uma máscara... de corpo inteiro? Isso mesmo: de borracha molinha, para cobrir você da cabeça aos pés. Como nos Estados Unidos tem fabricante de tudo, logo Robert conseguiu se transformar em Sherry, a boneca humana. Ou melhor, uma das: elas são tantas por lá que já tem não só seu próprio encontro anual como também sua rede social. O fenômeno virou tema de documentário e é digno de atenção. A maioria dos adeptos desse calorento esporte são homens de meia-idade, casados e com filhos. Esconder-se atrás de tanto látex foi o jeito que eles encontraram para exprimir inconformidade - com a sexualidade, com o gênero, com a própria aparência. Parece horrível, não é mesmo? Mas, a julgar pelas fotos que Sherry posta no Facebook, ela leva uma vida muito mais divertida que a sua.

21 comentários:

  1. tudo ia indo até bem... mas ai eu cheguei na sequencia de fotos dele fantasiado de Dorothy e tive uma crise de pâ
    nico.

    ResponderExcluir
  2. Que o senso do rídiculo nunca me abandone.

    ResponderExcluir
  3. Lamento Tony, mas dessa diversão aí eu faço questão de passar bem longe. Só Deus sabe com que traumas essas pessoas convivem! Socorro!

    ResponderExcluir
  4. "vida mais divertida que a sua" Sério, tony?

    ResponderExcluir
  5. aff parece que a qualquer momento um deles vai sacar uma faca e começar a me matar, que meda. Achar homens desse tipo com filhos e casados uns psicopatas e safados frustrados se enquadra em homofobia internalizada?

    ResponderExcluir
  6. Etnocentrismo: convicção de que seu modo de ver, viver e experimentar o mundo é a medida das coisas, o que implica em que quem o vê, vive e experimenta de maneira distinta está, claro, errado. Congratulations pela maneira lúcida que escreveu sobre um fenômeno cultural/comportamental tão delicado, Tony.

    ResponderExcluir
  7. Hoje só tem anônimo aqui.

    ResponderExcluir
  8. O mio babbino caro
    Na América há lugar para quase tudo!

    ResponderExcluir
  9. Filme !!!! Posso garantir que iria virar um clássico instantâneo.

    ResponderExcluir
  10. American Horror Story: Dolls.

    Justo. http://img.photobucket.com/albums/v56/frankkd/2a98ciq.gif

    ResponderExcluir
  11. A vida dela é bem agitada realmente, só fiquei imaginando o calor da pessoa ao ficar coberto de látex tanto tempo, em tantos lugares, inclusive na praia, mas se ela se diverte e é feliz, qual problema? Acho bem pior bicha moralista querendo cagar regra. Quer seguir regras e padrões? Então seja hétero como quer sua família e a maioria da sociedade. Cada uma.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se alguém consegue se divertir e ser feliz coberto inteiramente de latex na praia, tá pronto pra subir alegremente, assoviando e cantando, a escadaria da da igreja da Penha, de joelhos, no sol do meio dia, em Janeiro. Até pago ingresso pra assistir.

      Excluir
  12. Cruzes! Parece até a Anabelle, a boneca endemoniada daquele filme de terror...

    ResponderExcluir
  13. Homens de meia idade americanos que não sabem o que adotar como hobby = RI-DÍ-CU-LOS!

    ResponderExcluir
  14. Boneca feia do carái.......... zzzzzzzroinc!

    ResponderExcluir
  15. gente isso aqui parece a convenção do feliciano e seus ismilinguidos... deixa a bicha, mas que coisa! Se ela - que é quem tá toda amarrotada e morrendo de calor embaixo daquela coisa - está feliz assim, o que os outros tem com isso?

    ResponderExcluir
  16. Tô horrorizado, juro.

    Quase não dormi na noite passada.

    ResponderExcluir