terça-feira, 21 de janeiro de 2014

À PRIMEIRA VISTA

Passei todo o primeiro episódio de "Looking" comparando-o com "Queer as Folk". Claro que a nova série de temática gay da HBO tem algumas semelhanças com aquele seriado pioneiro de uma década atrás. Os protagonistas também estão em busca de amor e sexo, não necessariamente nessa ordem, e as cenas de pegação são bastante atrevidas (se bem que ainda não houve nudez em "Looking"). Mas as diferenças são gritantes: sair do armário não é mais um problema, as boates foram substituídas pelos sites de encontros e, pelo menos até agora, ninguém foi à academia. O capítulo de estreia não se preocupou em explicar quem é quem, nem mostrou como todos se conheceram. A ação simplesmente começou, e o espectador tem que deduzir por si mesmo os laços que unem os personagens - uma técnica moderna de narrativa também usada por "Girls". Pelo menos uma das tramas pegou na veia: Patrick, o designer de videogames interpretado por Jonathan Groff (de "Glee"), vai a uma date com um sujeito supostamente dos sonhos - louro, médico, refinado - que se revela um desastre absoluto. E logo em seguida é paquerado no metrô por um cara que não corresponde ao modelo que tem na cabeça, repetindo a história de dezenas de amigos meus que reclamam da escassez de namorados. Supostamente uma comédia, "Looking" não provoca frouxos de riso nem fornece frases malandrinhas para memes. Não me apaixonei logo de cara, mas já marquei um novo encontro. Ainda estamos nos conhecendo.

17 comentários:

  1. Pela temática é inevitável lembrar de "Queer as Folk". Mas acho que para por aí. Mesma temática, mas abordagens diferentes. "Looking" tem mais o estilo do filme "Weekend". Não à toa, já que Andrew Haigh é diretor de ambos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Agora entendi porque gostei tanto da série. Weekend é meu "filme gay" favorito, justamente porque se foca em outros detalhes do universo que não seja necessariamente a sexualidade dos personagens.

      Excluir
    2. "Weekend" é um dos meus favoritos tbm. Merecia ter feito mais sucesso, como "Brokeback".

      Excluir
  2. Série gay sem academia? Já ganhou meu interesse!

    ResponderExcluir
  3. Jonathan Groff já é motivo suficiente pra eu me apaixonar pela série e virar seguidor!

    ResponderExcluir
  4. Looking é feita para um enorme grupo de telespectadores que não assistiram QaF e que nem imaginam quem seja Brian Kinney. Assistir QaK hoje, para ELES, é mais ou menos como assistir a Água Viva no canal Viva.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkkkkkkkkkkk Vamos combinar um dos personagens de seriado americano mais antipático de todos os tempos: Brian Kinney. Parei de assistir os episódios disponibilizados no youtube pq não suportava aquele veado!

      Excluir
    2. Sério, Anônimo?
      Pra mim o Brian era o tempero do seriado. Claro que algumas atitudes dele me deixavam morrendo de raiva, mas quase sempre tinham uma boa justificativa por trás (ui!). Sua personalidade complexa, aparentemente contraditória, era muito mais interessante do que a do bonzinho Michael, por exemplo.

      Excluir
    3. Concordo, Pedro! Mas isso não impedia de achar o personagem antipático, agora a série era do caralho, muito boa! O problema era que ele era visto como um gay alfa, e eu não conseguia enxerga-lo assim: as atitudes com a família dele, a maneira como sacaneava o próprio Michael por saber que este era apaixonado por ele... Era um homem imperfeito enfim, como todos nós, ele era antipático e interessante, ficamos combinados assim!

      Excluir
    4. "Eu vi a face de Deus e ele se chama Brian Kinney." Eternamente apaixonada pelo Gale Harold, só por causa desse papel...

      Excluir
  5. dammint, perdi :( procurando na web em três, dois, um

    ResponderExcluir
  6. Achei legal.. O timing em algumas cenas tava bem equivocado, como quando o casal aquele faz sexo a três com o barbudinho mais novo. Mas vamos acompanhar. Se é pra fazer cena de sexo broxante, melhor cortar o sexo. No momento minha paixão é True Detective. ^^

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Timing equivocado na cena a três por quê?

      Excluir
  7. achei td muito facil/pegaçao/promiscuidade gay caricata(sexo,drogas), parece até que fki escrito soh por heteros. mas nao sei neh vai ver que em san chico é assim mesmo.

    ResponderExcluir
  8. Bicha pobre e interiorana faz como para assistir????/ kkkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  9. Eu gostei da série e se depender da minha vontade tem tudo para ser um sucesso hehehe

    ResponderExcluir