domingo, 1 de dezembro de 2013

SERÁ QUE ELA MORDE?

Fico admirado como a sexualidade feminina ainda é motivo de galhofa em pleno 2013. Até amigos gays estão revoltados com a popularidade do aplicativo Lulu, onde as mina podem avaliar os caras. Os homens nunca tiveram o menor prurido em medir as mulheres publicamente, haja vista os concursos de miss. Elas sempre trocaram informações entre si, mas a portas fechadas. Agora estes papos vêm a público e causam escândalo. Ano passado foi a vez de "50 Tons de Cinza" ser achincalhado: como assim, um romance erótico escrito por uma mulher, para agradar às mulheres? O livro era uma fantasia absurda, mas não há nada de errado com isso. E pensar que um livro da feminista Naomi Wolf chamado "Vagina" teve o título censurado até na iTunes Store! Que medo, hein? Será que ela morde?

20 comentários:

  1. Bando de cagões!!!! Passam a vida com uma régua na mão medindo a pica, não se preocupem rapazes, nós mulheres, estamos fazendo isso por vocês!!!! hahahaha

    ResponderExcluir
  2. eu acho é pouco! um aplicativo desse não chega nem perto do que as mulheres aguentam todos os dias a muito tempo. pior que agora os machistinhas recalcados criaram um aplicativo pra "dar o troco", é muito ridículo. esse bando de homem babaca merecia era passar a vida toda na punheta mesmo.

    ResponderExcluir
  3. O Lulu não tem nada de feminista. O Lulu é sexista.

    Um dos aspectos mais criticados do sexismo é a objetificação da mulher. E é exatamente o que o Lulu faz com os homens.

    Do ponto de vista jurídico, a coisa fica mais grave na medida em que é possível avaliar um cara sem qualquer consentimento dele. Ou seja, é criado um constrangimento moral absurdo.

    Esse papo de "não chega nem perto do que as mulheres aguentam todo dia" é patético. Dar o troco é tão ridículo quanto o próprio sexismo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você sabe como funciona o Lulu? Você viu quais são as hashtags disponíveis?
      Não existe nada de sexual, objetificante ou ofensivo naquilo, é uma brincadeira muito próxima das conversinhas de banheiro que rolam em comédias românticas. Não tem nada de #brocha #paupequeno #fedido #psicopata e coisas do tipo, nada que vá macular a imagem do grande macho alpha poderoso. Deviam entrar na brincadeira e dar risada.
      Quando digo que o que as mulheres aguentam é muito pior é pq qualquer blog, site, aplicativo que possua o tema "caiu na net" trata a mulher de uma maneira muito pior. Outro dia abriram uma página no facebook chamada As vagabundas de Curitiba, sete minutos depois de aberta eu descobri a página e denunciei, 5 minutos depois tinha ido de 350 curtidas pra 780, demorou 24 horas pra ser retirada do ar. Meninas de até 14 anos tinha a foto do perfil com nome, celular e outras informações divulgadas na página. Isso é um crime, isso é objetificação, isso destrói a imagem e a vida de uma pessoa. Uma marcaçãozinha de #nãogostadedormirdeconchinha não. Nem tente colocar tudo no mesmo barco pq não é a mesma coisa.

      Excluir
    2. Liga não. Joaninha é mega recalcada. Na horta dela não dá nem rola nem buceta.

      Excluir
    3. Marcel, acho que você não utilizou o Lulu, então. Pois existem hashtags como "fedido" e outras coisas ofensivas. Existem hashtags que insinuam que o cara não é fiel (mais um traço conservador do app, minha gente!).

      Ser contra o Lulu não significa ser a favor do "Caiu na Net". Não vejo nexo no que você diz, sinceramente.

      Excluir
    4. "Vagabundas de Curitiba"? Onde me inscrevo?

      Excluir
    5. João, acho que muitas pessoas são da opinião que está na hora das mulheres absorverem os piores defeitos dos homens. Infelizmente.

      Excluir
  4. o que eu não entendo é pra que tanta avaliação se no final elas pegam qualquer porcaria.

    ResponderExcluir
  5. O mio Babbino caro
    Até eu (que sou uma bicha patética) infelizmente já fui avaliado nesse aplicativo, quem sabe um dia eu possa me assumir assim nenuma mulher ficaria achando que sou hetero parariam de me avaliar, nesse dia quem sabe eu possa até usar meu nome nos comentários e deixar de ser anônimo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E qual foi a nota?

      Excluir
    2. Anônimo, vc sabe se dá pra gente entrar nesse site e deixar uma mensagem deixando bem claro pras mina que elas não têm nada que me interesse?

      Excluir
  6. Nada mais educativo do que provar do próprio veneno.

    ResponderExcluir
  7. 'C'mon, baby, c'mon, c'mon, darling,
    Let me steal this moment from you now.
    C'mon, angel, c'mon, c'mon, darling,
    Let's exchange the experience, oh...'

    And if I only could,
    Make a deal with God,
    And get him to swap our places,
    Be running up that road,
    Be running up that hill,
    With no problems

    ResponderExcluir
  8. Anastasia Beaverhausen3 de dezembro de 2013 08:14

    Os mano que dão nota pras mina são patéticos.
    As bicha que dão nota pra outras bicha são patéticos.
    Parabéns às mina! Conseguiram ser tão patéticas quanto!

    ResponderExcluir
  9. De Onde Vem a Calma3 de dezembro de 2013 16:50

    SERÁ QUE ELA MORDE? - Inofensiva!! Não vejo intolerância à vagina, não passam metade de um terço do que passamos. Acho mundo mais livre e menos encucado pra elas e bastante hostil pra homem gay. Hipocrisia sociedade tem é com o pênis, com dois homens juntos, daí junta lâmpada, agressão, homicídio....

    ResponderExcluir
  10. o importante é usar um bom vagisil antes de mostrar a (x) na cam - afinal, a mulher tem seu direito de revogar [e sempre esteve nas mãos do arquétipo feminino] a FALOcracia e tenho dito, app, meninas, usem apps e mostrem suas vaginas, sejam felizes

    ResponderExcluir
  11. Esse Lulu é só mais uma tranqueira inútil e fútil para criar intrigas e problemas com a privacidade alheia. Nessas horas é que é bom dizer: ainda bem que não gosto de mulheres e ainda bem que não tenho fakebook (site do qual o aplicativo puxa o perfil do alvo)...

    ResponderExcluir
  12. Justiça proíbe no Brasil app 'Tubby', em que homens avaliam mulheres http://glo.bo/1g7Nmc4
    Semana que vem: Justiça proíbe que seres humanos ajam como seres humanos.

    ResponderExcluir