terça-feira, 10 de dezembro de 2013

O RANHO DE ADÈLE

Abdellatif Kechiche só sabe fazer filmes longos. Às vezes dá certo: "O Segredo do Grão", vencedor do César em 2008, era hipnotizante. Às vezes não: "Vênus Negra" transformava o sofrimento da protagonista numa sessão de tortura para o espectador. Agora o diretor franco-tunisino volta com o badaladérrimo "Azul é a Cor Mais Quente", vitorioso em Cannes este ano e já célebre por causa das cenas de sexo lésbico. Que não decepcionam, aliás. Tive a impressão de que as atrizes estavam transando de verdade, e mais de uma vez me senti um intruso olhando pelo buraco da fechadura. Mas o filme parece quere justificar o título original em francês, "La Vie d'Adèle". A vida da personagem é contada em mínimos detalhes, quase que em tempo real. Para quê serve, exatamente, uma longa sequência dela tomando banho? Ou jantando com a família, sem que ninguém diga nada de importante? O spaghetti al sugo aparece na tela nada menos que três vezes, nos provocando a imaginar qual metáfora ele esconde. Tanta enrolação diminui o impacto da história, maravilhosamente banal e verdadeira. Adèle é uma jovem estudante e professora que se apaixona por uma garota um pouco mais velha e bem mais experiente. As duas transam, namoram, brigam e se fazem sofrer. Acontece todos os dias, acontece com todo mundo. A diferença aqui é o tratamento. A câmera de Kechiche parece estar sempre a dois milímetros do rosto das atrizes, expondo hectolitros de lágrmas, cuspe e ranho. É óbvio que ele está obcecado pela protagonista, e por que não deveria estar? Adèle Exarchopoulos (que nome formidável) é uma revelação. Sua boca eternamente entreaberta sugere imaturidade, mas ela é totalmente desinibida em relação ao próprio corpo. A bem mais conhecida Léa Seydoux também está perfeita como a sedutora do cabelo azul, e a química entre ambas ee evidente. Mas que falta que fez um editor, capaz de cortar pelo menos uma hora de material...

5 comentários:

  1. Vá ver A Grande Beleza. Sem dúvida o melhor filme do ano.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acabei de ver o trailer que você postou no Face. Já estava na minha lista, agora estou enlouquecido. Estreia logo antes do Natal!

      Excluir
  2. Gostei do filme, mas achei muuuito longo. Cochilei umas duas vezes.

    ResponderExcluir
  3. eu já tinha pirado no sobrenome da atriz - e você toca no assunto. o filme é legal, mas as cenas arrastadas atrapalham um tiquinho...

    ResponderExcluir
  4. Realmente a única crítica a se fazer sobre o filme é o seu tempo de duração, pois em todo o resto, é um grande filme e uma ótima atuação da Adéle

    ResponderExcluir