domingo, 29 de dezembro de 2013

MEUS PROGRAMAS DE TV DE 2013

Meu ano diante da TV foi marcado pela chegada do Netflix à minha casa, o que me permitiu ver séries como "Nurse Jackie" desde o começo. Esse foi o lado bom: o ruim foi o fim da MTV do grupo Abril, o mais importante laboratório de renovação da televisão brasileira dos últimos 20 anos. Mas há muito mais a se destacar:

BREAKING BAD, Netflix - A melhor série dramática dos últimos tempos precisou chegar à última temporada para que o mundo inteiro (inclusive eu) a descobrisse - e se viciasse como se fosse mesmo crystal meth da boa. A história do professor bundão que descobre seu potencial para a maldade ao se ver desenganado se tornou um clássico instantâneo, e o nome Heisenberg virou sinônimo de bacanérrimo.

ORANGE IS THE NEW BLACK, Netflix - OK, eu confesso: não consegui passar do primeiro episódio de "House of Cards". Mas o Netflix me pegou de jeito com outra de suas séries originais, a sensacional "Orange is the New Black". Ainda tive a sorte de ler o livro e conversar com a autora Piper Kerman. Agora torço para que a 2a. temporada chegue logo.

AMOR & SEXO, Globo - Era para ser a derradeira temporada, mas tudo deu tão certo que a emissora quer mantê-lo na grade em 2014. A fórmula não precisa mais de ajustes, e Fernanda Lima atingiu o estado de graça. A nudez na estreia foi o momento de maior impacto da TV brasileira este ano. Sexy sem ser vulgar!

GAME OF THRONES, HBO - E a cena de maior impacto produzida pela TV americana em 2013 foi mesmo o sangrento "Casamento Vermelho", que encerrou o penúltimo episódio da 3a. (e melhor) temporada de "Game of Thrones". Afff, não me recuperei até agora.

PRÓFUGOS, HBO - Se esta série espetacular sobre narcotraficantes em fuga não fosse chilena nem falada em espanhol já teria virado cult há muito tempo. É a melhor produção da HBO na América Latina, com tomadas de tirar o fôlego e uma trama policial e política com que os brasileiros se identificam facilmente. Fora que um dos atores é o irresistível Benjamin Vicuña. - pena que não seja ele quem faz o fugitivo gay.

MASTERS OF SEX, HBO - William Masters e Virginia Johnson inventaram a profissão de sexólogos, mas a história real deste casal de médicos não tem nada de clínica ou fria. A primeira temporada se passa nos anos 50, logo antes da revolução sexual, num clima fascinante de repressão e descobertas. "Masters of Sex" é um folhetim recheado de sacanagem, mas de supremo bom gosto. Um programa para gente grande, que deve causar um estrago na premiação dos Emmys do ano que vem.

O CANTO DA SEREIA, Globo - Logo na primeira semana de janeiro chegou esta ótima adaptação de um livro de Nélson Motta, feita com boa parte do elenco e da equipe de "Avenida Brasil". Ísis Valverde está tão deslumbrante como uma estrela do axé assassinada em pleno trio elétrico que quase nos convenceu de que realmente canta bem. São só quatro capítulos, disponíveis no NOW, o serviço de vídeo on demand da NET. Vai lá se você perdeu quando passou no ar.

A MENINA SEM QUALIDADES, MTV - O canto da sereia da antiga encarnação da MTV foi esta minissérie em oito episódios, que trouxe uma linguagem inovadora e uma incrível interpretação de Bianca Comparato como uma adolescente que de fofa não tem nada. Foi prejudicada pelo absurdo horário de exibição imposto pela Abril (meia-noite!), mas reconhecida pela crítica como um dos grandes momentos da TV em 2013. Ah, e foi produzida por este gênio absoluto que é meu irmão Zico Goes.

DOWNTON ABBEY, GNT - Fico só imaginando a cara dos ingleses quando, em plena noite de Natal, o que parecia ser um episódio bem tranquilinho da 3a. temporada de "Downton Abbey" de repente perdeu o volante, bateu numa árvore e... A série foi criticada por ter estragado a ceia de muita gente, mas compensou ao escalar Shirley MacLaine como a avó americana, para um embate delicioso com Maggie Smith.

BROADCHURCH, GNT - Também é da Inglaterra que vem essa minissérie. Um crime misterioso abala uma cidade à beira-mar; um par de detetives descobre uma pá de segredos. Não só uma 2a. temporada já está em produção, como também um remake americano.

Bom, não foi só isso. Também gostei muito de alguns episódios de "AS CANALHAS" (GNT) - não todos, é verdade, mas isto é normal em séries de antologia, sem personagens fixos. Achei que o reencontro do "SAI DE BAIXO" (Viva) foi mais divertido do que eu esperava. E a cinebiografia de Liberace, "BEHIND THE CANDELABRA" (HBO), foi o melhor telefilme do ano.

Ah, e não posso esquecer do "VÍDEO SHOW" (Globo), o melhor programa da história da humanidade de todos os tempos sem exceção. Mas eu sou suspeito.

8 comentários:

  1. Breaking Bad teve o efeito de uma Avenida Brasil em mim, viciante, empolgante, enternecedor, tudo num pacote só. Pena que 2013 marcou a última temporada dessa série. Na TV aberta, Pé Na Cova sem dúvida foi humor com crítica social das boas, graaaande Falabella, novelas todas uma droga sem sentido. Canto da Sereia teve estreia eletrizante para depois embarcar numa narrativa lenta quase parando, não gostei, Nelson Motta vale o livro que é bem melhor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Crítica social no mau sentido né.

      Excluir
  2. Nicolette Parsons a.k.a. Wândala Ensandecida29 de dezembro de 2013 16:11

    Amor e Sexo podia trocar aqueles, sei como se chamam, 'jurados' ou 'comentaristas' - aquela psicóloga obesa que só diz coisas de almanaque, Otaviano Costa e o tal de Alê Nero são muito chaaatos, mas Fernanda Lima domina geral, muito dinâmica e criativa.... Não me apeteceu a nudez frontal de ninguem naquele palco, como sempre faltaram ursos pra representar com dignidade, rs rs rs...

    ResponderExcluir
  3. Teledramaturgia brasileira tv aberta: zero. Enlatados: Breaking Bad realmente representou e muito pra muita gente que se antenou na historia.

    ResponderExcluir
  4. My Name Is Garbo, Greta Garbo31 de dezembro de 2013 17:51

    Hoje em dia assistir tv aberta é o equivalente a se expor à radiação gama: muito nocivo. TV a cabo é aquela coisa - muitos canais e o dedo calejado no controle remoto tentando escapar de programações inteiras sobre animais engraçaditos e seus hábitos, criação de gado, venda de joias, reality shows sobre gente gorda, sobre gente que se veste mal, sobre gente que quer ser chef, estilista, ....

    ResponderExcluir
  5. Ótimo post, Tony. Realmente "Breaking Bad" arrasta fãs por onde passa. Uma dica para 2014: "Rectify". A primeira temporada tem seis episódios, online vc encontra. Vale muito a pena.

    ResponderExcluir