quarta-feira, 20 de novembro de 2013

O DIA DA INCONSCIÊNCIA

O Infeliciano aproveitou mais uma vez que o Brsil estava distraído e conseguiu que a CDH aprovasse hoje, em pleno feriado, dois projetos contra os gays e rejeitasse um a favor. Ah, e não me venham dizer que o tal plebiscito é democrático e blábláblá porque não é: direitos são direitos e pronto, não precisam ser submetidos a votação. Fora que direitos de minorias não costumam ser aprovados em votações majoritárias, a não ser que a população seja educada e esclarecida - o que obviamente não é o caso da nossa. Mas não há muito a temer: passar pela CDH não significa que o projeto se tornará lei, e o Congresso rejeitou fragorosamente as últims estripulias desse vendilhão do templo. Mas a marola desejada por ele foi provocada: num dia de pouca notícias, o sacripanta conseguiu voltar às manchetes, e assim garantir uma reeleição por um número absurdo de votos no ano que vem. E pensar que eu reclamava do Tiririca...

18 comentários:

  1. Deus te ouça Tony, Deus te ouça....

    Gostaria de ter essa sua confiança, tenho medo desses deputados malucos acabarem topando esse tal de plebiscito, a maioria decidindo o que a minoria pode ou não pode fazer.

    Será que a gente não devia mesmo botar a boca no trombone, como no caso da Cura Gay?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não! O que ele quer é isso! Que todos caiam na pegadinha dele e voltem a agredir ele, dessa forma ele se faz de vítima e ganha mais votos

      Excluir
  2. a dupla ainda ta de pê? João Campos não aparece mais, sera que a Felicia descartou o amiguinho?
    pra mim pareceu ser apenas trampolim.

    ResponderExcluir
  3. É por isso que precisamos estabelecer o voto distrital. Um Bissau como esse jamais conseguiria votos suficientes em um só distrito!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com voto distrital, Jean Wyllys e Heloisa Helena também não conseguiriam se eleger. Já Collor e Sarney conseguiriam. Voto distrital puro é tão ditadura da maioria quanto esse plebiscito que estão propondo...

      http://revistaepoca.globo.com/opiniao/noticia/2011/09/por-que-o-brasil-nao-deve-cair-na-falacia-do-voto-distrital.html

      Excluir
    2. Toda a argumentação contra o voto distrital desse artigo gira em torno de bipartidarismo, o que não é obrigatório no voto distrital. Vou te dar o contra exemplo do Canadá, onde o voto também é distrital e existem vários partidos.

      Excluir
    3. Bipartidarismo é a questão mais superficial e inofensiva da discussão... Me preocupo muito mais com minorias não conseguindo eleger candidatos, baixa rotatividade, baixa competitividade, manipulação do perímetro dos distritos...

      Excluir
  4. Ah, vc escreveu errado, não é dois projetos contra os gays e um a favor, na verdade é "aprovou dois contra e rejeitou um a favor".
    Ou seja, foram 3 contra!

    ResponderExcluir
  5. O mio babbino caro
    Esse crápula não perde por esperar. "Não mexe comigo"

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu sou o "O mio babbino caro" original, mas concordo com esse fake!

      Excluir
    2. Coringa, na Net, não é nada.

      Excluir
  6. Anastasia Beaverhausen21 de novembro de 2013 11:27

    Seguinte: sabemos que o coisa ruim já tá reeleito e sabemos também que ele vai cumprir o mandato à frente da CDH até o fim.
    Será que ainda vale a bancar o Police (every breath you take, every move you make)?

    ResponderExcluir
  7. Muito curioso. Somos simpáticos ao Carnaval e ao mesmo tempo conservadores c/ a sexualidade. Até a biografia do Mario de Andrade, os parentes tão querendo "melar" por causa do seu suposto homosexualismo. Vai entender.

    ResponderExcluir
  8. Essa charge é do Clayton, do jornal O POVO de Fortaleza. Faltou o crédito.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito boa essa charge, Clayton conseguiu até deixar o Feliciano másculo, sim, porque na minha opinião ele dá uma pinta-estrela e é um grandessíssimo enrustido!

      Excluir
  9. Fazer força para barrar o casamento entre pessoas do mesmo sexo ele até pode fazer e conseguir algo, mas não creio que será suficiente para retirar a norma do CNJ. Já com relação ao plebiscito, não tem jeito, isso é só fogo de palha. Mas até imagino como seria o cenário caso aprovassem essa maldição. Seriam os tais vendilhões do templo fazendo propagandas nefastas em tudo quanto é tipo de mídia, gritando e fazendo de tudo para este povinho sofrido ver que os gays são os piores seres que habitam o planeta. Tudo para no final mostrarem como eles ainda têm poder sobre as massas e impor medo à sociedade.

    ResponderExcluir
  10. Tudo tabula rasa. A decisão do STF é baseada em garantias fundamentais. Nem o Papa pode mudar.
    Não sou muito fã do Joaquim Barbosa. O cara se acha o novo Imperador do Brasil, ao invés de ministro e presidente de um colegiado, que é o STF. Mas, nessa ele acertou em cheio. E nem digo isso como gay, mas como advogado. Ele encurtou trâmites burocráticos que seriam redundantes depois daquela decisão UNÂNIME do STF.

    ResponderExcluir