segunda-feira, 7 de outubro de 2013

WINDECK, HA OBA, BA


Hoje saíram as indicações para o Emmy Internacional. A Globo emplacou dois títulos na categoria Melhor Novela: "Avenida Brasil" e "Lado a Lado". Também há um concorrente do Canadá e, surpreendentemente, um de Angola. Acho fabuloso que um país, há pouco mais de uma década ainda devastado pela guerra civil, agora esteja produzindo folhetins com trama glamurosa (a história se passa na redação de uma revista de moda, a "Divo") e "elenco de luxo" (que inclui o brasileiro Rocco Pitanga, irmão da Camila). Para o meu olhar contaminado, é meio estranho ver tantos atores negros em "Windeck" (o título parece ser uma gíria local para vigarista ou coisa que o valha). Mas também é sintomático que a protagonista-vilã Vitória seja interpretada por Micaela Reis, ex-miss Angola e de pele mais clara que a maioria de seus conterrâneos. Enfim, o que importa é que Angola está no páreo. O primeiro capítulo de "Windeck" está aí em cima. Quem gostar, pode ver a novela inteira no YouTube.

(Angola rules: nada menos que DOIS dos finalistas ao Emmy de Melhor Novela deste ano têm aberturas ao som do kuduro...)

18 comentários:

  1. Olha não é porque eu sou fã da FY, mas o "Como Aproveitar o Fim do Mundo" foi um seriado ótimo, a composição dos "fersonagens" são sempre ótimos, mas houve alguns deslizes de texto, a comunicação dos personagens é igual Rui e Vani, até os bordões eram iguais tipo "pataqueparé"

    Mas mesmo assim, seriado super divertido!

    ResponderExcluir
  2. Gzus. e o sócio italiano? Mor-ri.

    ResponderExcluir
  3. Ver tantos atores negros juntos causa essa estranheza mesmo.A gente tá acostumado a ver a maioria branca,nas novelas,nas propagandas e acha natural.Como voce mesmo escreveu,o nosso olhar tá contaminado.Que pena.

    Um abraço

    ResponderExcluir
  4. Vi pedaços desse 1º capítulo, achei muito interessante e bem produzido. Mas tem qualquer coisa de novela da Record, aquela coisa meio mal acabada...

    ResponderExcluir
  5. O mio babbino caro
    Para o meu olhar contaminado, é meio estranho ver tantos atores negros em "Windeck"
    Mother, mother
    There's too many of you crying
    Brother, brother, brother
    There's far too many of you dying
    You know we've got to find a way
    To bring some lovin' here today - Ya



    ResponderExcluir
  6. Tony, please. Angola tem menos de 5% de "caucasianos".

    A África é mesmo um universo muito exótico para nossos olhos *latino*americanos, tão convictamente colonizados...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É, mas quem utiliza a expressão "latino-americano" é igualmente colonizado. Expressão criada para homogenizar tudo que está abaixo do Texas. :)

      Excluir
    2. Pra um consumidor nato de foie gras você está muito americanizado, Joãozinho. "Latino" não significa "imigrante ilegal". Significa proveniente do latim ou dos romanos, e é tão ofensivo quanto "anglo-saxônico". Além disso, a expressão "América Latina" não foi inventada nos Estados Unidos.

      Quando destaquei o termo "latino", no meu texto, me referi à nossa visão de mundo europocêntrica, segundo a qual os brancos são obrigatoriamente o centro do universo - inclusive, ironia extrema, na África.

      No mais, somos todos colonizados sim, mas adultinhos o suficiente para abandonar certos preconceitos.

      Excluir
    3. A gente gosta porque esse menino constelação e cabeção se supera nas vomitada de bobagens que escreve. Nem fígado de pato dá jeito nessa mente debilóide que acha que viajar pros EUA e Europa o torna alguém.

      Excluir
    4. Giovanni, sim, eu sei disso. Mas você já viu alguém chamar EUA + Canadá de Anglo-América ou América Anglo-saxã? Não, né? A ideia é isolar os países latinos através da utilização de uma expressão que tem, sim, um teor pejorativo.

      Ai, Anônimo...que mágoa de caboclo, hein? Quer um cafuné? Em breve estarei em NY e colocarei um belo Chrysler Building na minha foto, enquanto você estará aí se debatendo de raiva dos outros!! kkkkk

      Excluir
    5. Isso, repito, supostamente olhando pelos olhos de um norte-americano. Coisa que eu não sou, nem você. A expressão foi criada pelos próprios latino-americanos, e o teor pejorativo está na sua cabecinha. Que complexo de vira-lata, hein?

      Excluir
    6. Acho que essa expressão tem que ser defenestrada.

      Vamos stick to the real locations (North, Central, South).

      Bjs

      Excluir
    7. Não deve ser fácil pra quem é branco, tem olho claro, cabelo liso e dinheiro ter nascido na América Latina. Europeu e americano tá nem aí pra vc.

      Falando sério agora: difícil mesmo é ter complexo de vira-lata.

      Eu adoro ler esse blog, principalmente porque me divirto em ver como o autor se revela uma dama absorta em seu mundo cor-de-rosa. "Para o meu olhar contaminado, é meio estranho ver tantos atores negros..." é dessas canduras sinceras como uma travessura de criança ou uma impertinência de um idoso, que a gente perdoa porque não tem mais jeito.

      Excluir
    8. Deve ser muito triste não ter a inteligência necessária para entender o que eu quis dizer. Mais triste ainda é ser covarde.

      Primeiro deixa crescer um par de culhões, depois assina seu nome e mostra sua carinha feia se quiser me ofender. Ah, e vai ler mais, estudar mais, viver mais, porque tá precisando.

      Excluir
  7. Esse Rocco... suspiro....

    ResponderExcluir
  8. Negrada bonita e a maioria parece ser talentosa, e se não se trata de uma história incrível, o produto final parece interessante, bem que poderia passar no SBT!

    ResponderExcluir
  9. A novela com maior numero de extensões de cabelo por episódio :))

    ResponderExcluir
  10. João o termo para americano branco é WASP White, Anglo-Saxon and Protestant

    Daniel

    ResponderExcluir