segunda-feira, 21 de outubro de 2013

DIANA E HASNAT

Se houvesse justiça no mundo, o título deste post também seria o título do filme "Diana". Porque o roteiro foca nos últimos três anos de vida da princesa, e especificamente no romance dela com o cirurgião paquistanês Hasnat Khan. O caso só ganhou notoriedade depois da morte da moça, mas na tela é retratado com tal intensidade que se trata, realmente, de um filme de amor. As críticas não têm sido boas e algumas pessoas reclamam do retrato por demais chapa-branca, mas eu discordo. Gostei mais do que esperava, e saí pensando do cinema. Diana dizia que seu casamento com Charles envolvia três pessoas (a terceira era Camilla Parker-Bowles), mas a verdade é que qualquer relacionamento dela pós-família real também seria sempre um ménage à trois: a terceira pessoa é a mídia, esse monstro insaciável. A ex-futura rainha achava que sabia manipulá-lo, mas volta e meia metia os pés pelas mãos. Suas entrevistas surtiam o efeito contrário ao esperado, e ela mesma não hesitava em alertar os paparazzi quando uma foto indiscreta sua nos jornais lhe interessava. A Diana do filme é complexa. Quer levar uma vida simples, mas não abre mão do luxo; usa a celebridade para atrair atenção a causas nobres, mas a-do-ra um iate ou uma joalheria; sonha em ser mulherzinha, mas também em controlar a vida do namorado. Naomi Watts e Naveen Andrews (o Sayid de "Lost") estão ótimos nos papéis principais, e têm uma química palpável que nos faz crer que estamos vendo um casal apaixonado. "Diana" talvez não seja um puta filme, mas lança um pouco de luz numa personagem emblemática que morreu no comecinho da era da internet. Como estaria ela hoje, na arena ainda mais cruel das redes sociais?

8 comentários:

  1. O mio babbino caro
    Eu queria ser a princesa Diana só pra poder dar pro Sayd do Lost.

    ResponderExcluir
  2. O que me leva a pensar no puta azar do Dodi Fayed que só teve tempo de namorar a Diana por um mês e morrer com ela logo depois.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dodi tb era gostoso, ela tinha bom gosto para homens e sabia equalizar bem sex-appeal e conta bancária, essa mulher sabia das coisas... só não sabia que ia morrer de forma inédita, causa mortis: papa-paparazzi...

      Excluir
  3. Empedernidus Adelante22 de outubro de 2013 15:32

    Vou devorar com prazer essa fina iguaria, SDD de Lady Di e de um mundo pré-redes chatiais.

    ResponderExcluir
  4. A caracterização da Naomi neste poster tá um primor, louco pra ver...

    ResponderExcluir
  5. Diana tinha tanta beleza, tanto brilho e está tão viva na nossa memória que é impossível uma atriz parecer mais bonita do que ela, ao contrário do que costuma acontecer em cinebiografias. Mais ou menos como Michelle Williams interpretando Marylin. Mas o filme tá na minha lista de próximos.

    ResponderExcluir
  6. E sobre as redes sociais, acredito que ela ia tirar de letra, possivelmente usando-as em benefício das causas dela.

    As redes sociais são fichinha perto da sanha dos tablóides. Basta ver que quem andou bagunçando a vida de Kate Middleton não foi o Facebook...

    ResponderExcluir
  7. Diana foi vítima dela mesma, e dos tabloides que arruinaram sua vida como também da Sarah Ferguson, difícil querer ser comum em um mundo de luxo e glamour, ela pelo menos quebrou paradigmas da realeza Britânica abriu novos caminhos para uma realeza mais "popular", mulher linda e inesquecível, lembro-me muito bem quando ela apareceu, se casou, teve filhos, separou e teve seu fim trágico.

    ResponderExcluir