quinta-feira, 19 de setembro de 2013

PARA A FRENTE, MAS NÃO MUITO

O papa Francisco está nas manchetes do mundo inteiro. A entrevista que ele deu para a revista "America", voltada para os jesuítas dos Estados Unidos, rendeu uma frase que encantou os editores: "Não podemos insistir apenas nos assuntos relacionados ao aborto, ao casamento gay e aos métodos anticoncepcionais. Isto não é possível". Claro que ele não está mudando a posição da Igreja sobre nada, mas tem toda a razão. A obsessão de seus antecessores (e de boa parte do clero) em condenar qualquer indício de modernidade está minando o futuro da instituição. Ainda não li a entrevista inteira, mas alguns trechos são reveladores: Francisco percebe que a Igreja está seriamente ferida, e dá pistas de que vai promover reformas profundas - mas não o suficiente. Logo adiante, ele reitera que a ordenação de mulheres continua fora de questão. Então eu também continuo fora da religião onde fui criado. Não dá para aceitar que um homem possa rezar uma missa e uma mulher não.

15 comentários:

  1. Que coincidência, pq justamente hj um padre argentino foi julgado e condenando por abuso sexual e corrupção de menores. Abafa o caso neh?


    http://www.lanacion.com.ar/1621367-tras-el-fallo-de-la-corte-bonaerense-piden-la-detencion-del-padre-grassi

    ResponderExcluir
  2. O mio babbino caro
    Nasci, fui batizado na Igreja Católica Apostólica Romana, fiz primeira comunhão, fui da cruzada, participei de grupo de jovens cristãos. Sou
    gay... Perdi a paciência com essa instituição, mas não abro mão da minha trajetória espiritual. Eles vão ter que me engolir a toda hora que eu quiser.

    ResponderExcluir
  3. 300 anos para absolverem Galileu e reconhecerem o erro. Portanto vamos morrer lyndas sem ver uma mulher rezar missa. Quem sabe meus tetranetos!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lindinalva, 350 anos, para ser mais preciso. Mas não quer dizer que a Igreja vai precisar de tanto tempo para perdoar os seus pecados.

      Excluir
    2. Você devia reler as histórias da Pollyana, estão lhe fazendo falta.
      A afirmação 'não podemos insistir...' foi tirada do contexto e se perdeu por completo, ganhando assim sentido oposto - nem o Lewandowski faria tal mau caratisse!, mesmo para livrar o Dirceu do estupro no presídio.
      Convenhamos, o Papa Francisco não é o Dan Savage, mas é bastante interessante, contestador e sua insistência, vai mudar muita coisa na Igreja, ainda que não tanto quanto gostaríamos.

      Excluir
  4. Não creio em mudanças profundas na igreja, se isso acontecer no futuro, nenhum de nós estará aqui para ver. No entanto, acho um baita avanço essa mudança de tom. Talvez tenha sido com segundas intenções, mas é muito bom saber que um papa pense que líderes espirituais devam ser acolhedores e não inquisidores.

    ResponderExcluir
  5. Anastasia Beaverhausen20 de setembro de 2013 08:15

    Sei não... Chicão tá pisando em terreno perigoso. Por bem menos que isso apagaram João Paulo I, e João Paulo II só ficou tanto tempo no poder porque, além de um marketeiro de primeira, sempre foi categórico no conservadorismo.

    ResponderExcluir
  6. Tony, dá um desconto aí... Você já acompanhou pelo menos 4 papas, tem que reconhecer que a coragem desse novo é algo notável. Até onde chegará, não depende só dele, mas já é bem avançado expressar-se com tamanha clareza. E se comparado aos malafaias e felicianos, dá até um certo orgulho da igreja católica, pois há homens mais esclarecidos, pelo menos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Comparar Papa com felicianos e malafaias é insano. (assim com minusculas mesmo)

      Excluir
  7. É um avanço, sem dúvida. Lembro-me do que padre Fabio de Mello disse sobre homossexualidade em seu programa, que a Igreja oferecia princípios à seus fieis, sugeria meios de viver dentro do catolicismo; mas que não tinha poder sobre suas decisões e sentimentos - mais ou menos isso. Em outras palavras, parafraseando os Titãs, é cada um por si e deus contra todos.

    ResponderExcluir
  8. Margarido Magnólio20 de setembro de 2013 17:03

    Ah Tony, vc fez pouco caso, ele foi além e disse haver uma 'obsessão pela vida privada dos fieis, em saber se são gays com puro intuito não de acolhe-los mas de tentar uma cura que não cabe mais à igreja discutir ou endossar', ele foi divo e papal, amo esse cara. Adorei o 'Pope Francis' grafado na capa, dá uma ideia de intimidade que definitivamente essa publicação não tem, kkkk.

    ResponderExcluir
  9. Por muito menos, João Paulo 1º foi despachado para melhor em apenas um mês...

    ResponderExcluir
  10. Essa novela na qual a tal "mudança das estruturas da igreja" se tornou é totalmente clara, mas têm muita gente aplaudindo as atitudes do papa. Clara no sentido de que eles não querem mudar nada, apenas evitar perder mais fiéis já que ganhar está difícil. Ao meu ver esse lado mais "humano" do pontífice e toda essa humildade são artimanhas para segundas intenções e povão vai acreditando. Ainda que no fim resultasse numa maior tolerância social para com os homos, por exemplo, tudo bem. Mas os reais fiéis e seguidores da doutrina continuarão tendo a mesma visão sobre nós independente do que o papa diga.

    ResponderExcluir