terça-feira, 3 de setembro de 2013

O PIOR ENTRE OS PIORES

Qual é a pior ditadura do Oriente Médio? Não, não é a Síria - pelo menos não era, até o regime de Bashar al-Assad matar criancinhas para se manter no poder. Também não é o Irã, apesar dos aiatolás enforcarem homossexuais e escolherem quem pode ou não disputar eleições. Pelo menos por lá existem eleições, por mais suspeitas que sejam. Na Arábia Saudita não existe nada disso. Também é o único país do mundo onde as mulheres não podem sequer ter carteira de motorista. Mas o Ocidente pega leve com os sauditas, pela singelíssima razão do petróleo. No entanto, talvez esteja na hora de não fazer vistas tão grossas. Os sauditas já declaram apoio irrestrito aos militares egípcios, que estão enterrando a Primavera Árabe e voltando o calendário para três anos atrás. Também são os sauditas que armam a oposição síria, e não exatamente porque queiram instalar uma democracia por lá. Agora os EUA se vêem num impasse terrível, onde parece não haver alternativa correta: ou ataca a Síria, e corre o risco de ver o país nas mãos de franquias da al-Qaeda (que tem raízes sauditas, nunca devemos esquecer), ou não faz nada e passa recibo de cagão. Mas se indispor com a Arábia, de cujo petróleo dependem? Out of the question. Ainda bem que um dia essa riqueza toda vai se esgotar.

26 comentários:

  1. Sem falar q essa história do EUA fazer o papel de polícia do mundo e a ONU ser só o maior cabide de empregos da face da Terra ñ ajuda muito a população síria. Pobre gente...

    ResponderExcluir
  2. Eu iria além: eu diria que os EUA COMPRARAM a Árabia Saudita, o único país do mundo onde o nome da família real faz parte do nome do país.
    Petróleo árabe subsidiado pelos EUA foi o que botou o país como potência mundial pós-gurra.
    E sim, a Síria não sai dos noticiários europeus, mas ninguém se atreve a intervir "sem o OK da ONU" que, francamente, jamais sairá.
    E sorry pelas criancinhas sírias, mas acho melhor não termos outra filial da Al Qaida por aí.

    ResponderExcluir
  3. Daniel, discordo bastante da tua afirmaçao. A Arabia Saudita é uma potência mundial porque esta sentada numa reserva absurda de um produto que é base da economia mundial. Os americanos foram no maximo “astuciosos” ao fazerem as alianças certas para conseguir ter acesso à esse petroleo, mas realmente afirmar que eles “compraram” o pais é um pouco demais, não? OPEP e Bin Laden estão ai para mostrar que o pais é longe de ser o aliado docil que os americanos sonhariam. A propria familia real saudita encontra-se no desconfortavel dilema de modernizar os costumes do pais ou provocar a ira dos conservadores que pedem a queda de uma monarquia corrompida pelos habitos ocidentais.

    Nao sei muito o que tem acontecido comigo, mas tenho andando bem cético com a validade desse conceito de “democracia irrestrita para todos”, sabe? Democracia realmente é o mais compatível com “liberdades individuais respeitadas”? Me pego pensando nisso quando vejo as hordas de muçulmanas parisienses portando o véu, a sociedade debatendo se é “democratico ou nao permitir o uso do véu dentro de universidades e escolas”, os pro-direitos individuais tendo que escolher entre serem islamofobicos ou insensiveis à obvia opressão feminina que o véu representa. Irã, Egito, Tunísia, a própria Turquia parecem ter caído nesse paradoxo.

    Fer

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Viu, Daniel, ele discorda de vc, e aí man, vc vai deixar isso assim barato? Vamos lá mande o seu TCC sobre qualquer coisa assim como fez o todo embasado na cafonice Fer, rsrsrs...

      Excluir
    2. Eles podem ser chatos, mas tem conteúdo e vc?

      Excluir
    3. Nem acho que discordamos tanto assim. Eu acho que o verbo comprar tenha sido meio mal utilizado mesmo. Depois faremos uma mesa redonda em Luxemburgo para tratar do assunto.

      Já o segundo parágrafo do que o Fernando disse também não sai da minha cabeça. Ate em Berlim onde os turcos estão razoavelmente integrados, tem aumentado o número de "towelheads" e muçulmanos que fazem questão de esfregar sues véus na cara da sociedade ocidental que os acolheu. Meio como Paris e Londres já são.

      Por mim acabou o sonho de que o mundo é uma democracia de nações. ONU tá pior que Liga das Nações. É cada um por si.

      E agora não pode cobrir o rosto nem em manifestação no Brasil. E agora, José?

      Excluir
    4. A decisão e não poder cobrir o rosto no Brasil é super acertada, na medida em que o anonimato não é coberto pela Constituição. Simples assim.

      Excluir
    5. @Anonimo 01:04 meu conteúdo é frasco de 50ml do melhor perfume q vc jamais terá acesso e não ouse dizer que Daniel é chato sua coisa anônima. Ah Daniel como vc é magnânimo e espirituoso, ele discorda sim, tanto que postou pagina 4 do TCC dele, rsrsrs.... Eu adorei sua réplica.

      Excluir
    6. Joanete do espaço sideral, vc tá fazendo análise? Lately acho-te tão calmo nos seus rompantes teclais... rsrsrs, acalma-te e desafoguea-te: não é crítica, só elogio. Gostastes do meu portuga castiço e virginal? Agrado-te? Então toma-me!!

      Excluir
    7. Quando detecto uma odete roitmann - fer - não consigo deixar de traçar paralelos sobre pessoas comuns serem a reencarnação de personagens de ficção...

      Excluir
  4. Sem esquecer tb q os EUA tratam suas ações militares como indústria, eles devem ganhar muito dinheiro com isso, isn´t it?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ganham, assim como a Rússia e outros países que produzem armamentos também ganham. Se bobear o Brasil também ganha porque fabrica os parafusos que vão em alguma bomba ou avião.

      Excluir
  5. Longe de ser anti-americano, mas as intervenções militares dos EUA têm sido desastrosas nos últimos anos, vide Iraque, Líbia, Afeganistão e especialmente na antiga Iugoslávia, onde conseguiram transformar as verdadeiras vítimas em algozes, para satisfazer seus interesses econômicos e geopolíticos na região. E quem garante que as armas químicas foram usadas por Assad e não pelas guerrilhas, a não ser o próprio EUA?

    ResponderExcluir
  6. Lola Divônika-Baphônika3 de setembro de 2013 18:44

    A não ser que Obama faça uma mini-encenação a la Bush filho, banque o xerife de araque, dê uns dois tiros p/ cima e retorne aos EUA dizendo que enfrentou o terrorismo e que eles se esconderam embaixo da cama tremendo de medo, rsrsrs.... Claro que o petróleo falará mais alto, mas não esqueça que os poços do Iraque foram saqueados na cara dura pelos EUA e tudo que precisaram para se adonar de tudo aquilo foi usar a too old desculpa de armas químicas blá blá blá

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A Síria não exporta petróleo.

      Excluir
    2. Perdoe-me, faltei aula de Geografia Política foi justo durante os protestos, peraê que eu vou ali morrer p/ te satisfazer - SQN, rsrsrs.

      Excluir
  7. O Mundo é uma LAMBANÇA desde os seus primórdios!!!!!!

    ResponderExcluir
  8. Mas os Estados Unidos não têm nenhum motivo para se indisporem com a Arábia Saudita. A Arábia Saudita consegue manter em seu território uma paz que é bastante sólida, apesar de fabricada. Não existe oposição, e a população é de opinião que o rei é paterno e justo. O nível de vida dos sauditas é alto. O país ostenta algumas extravagâncias como shopping centers deslumbrantes e aeroportos como o de Riade que é um dos mais impressionantes do mundo, e que dão ao povo uma falsa sensação de modernidade da qual eles se orgulham muito.

    Além disso, a Arábia Saudita é guardiã de Meca, a cidade construída em solo sagrado que o mundo islâmico todo se sacrificaria para proteger sem pensar duas vezes. Mexer com a Arábia Saudita seria acender o barril de pólvora de todo o mundo islâmico, que vai muito além do Oriente Médio, e virar o planeta do lado do avesso.

    Trabalhei muito tempo na Arábia Saudita e guardo saudades de lá. Principalmente da grande inocência do povo, que tem pouco acesso à informação e não anseia por mudanças. Dificilmente o país passaria por uma insurreição que justificasse intervenção por forças externas. A Arábia Saudita provavelmente não está entre as maiores preocupações dos Estados Unidos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como você fazia para transar nesse longo tempo que trabalhou lá?

      Excluir
    2. Como você fazia para transar nesse longo tempo que trabalhou lá? (2)

      Excluir
    3. Sexo na Arábia Saudita pode ser complicado. A empresa onde eu trabalhava alertava todo mundo sobre os riscos, e recomendava por segurança que todos os engenheiros só fizessem sexo com a Dona Palmita.

      Excluir
    4. Adorei a "Dona Palmita".... kkkkkk

      Excluir
    5. A Dona Palmita de la Mano é velha conhecida dos homens na Arábia Saudita...

      Excluir
  9. Podem falar o que quiserem da AS, mas dei meu cu feito loca quando la estive, pra cada pau e cada bofe de morrer, fora que eram todos bilhardarios, agora, ainda bem que sou super flex, pois transar dentro de uma Ferrari exige talento.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. #a #loca

      http://3.bp.blogspot.com/_esXDKD9ACRg/TPeZOATllkI/AAAAAAAAB_M/Cn4W15hp1DQ/s1600/0%252C%252C41177834%252C00.jpg

      Excluir
  10. "viemos de [as chamadas] sociedades arcaicas para sociedades tecnológicas. [ponto] só isto, não queiram vocês imaginar que com o carro do ano, quinquilharias eletrônicas e apartamentos com vistas panorâmicas lhes forneçam paixão de viver [e sua respectiva dignidade] - [CAMPBELL, Joseph] [ELIAD, Mircea] via [SALIS, Viktor D.]

    ResponderExcluir