sábado, 21 de setembro de 2013

ESTADOSUNYSIUM

"Distrito 9", o primeiro longa-metragem do sul-africano Neill Blomkamp, era uma alegoria de ficção científica sobre os horrores do apartheid. "Elysium", o novo filme do diretor, expande este tema para a escala global. O título se refere a uma estação espacial para onde se mudaram as belas e rykahs; aqui na Terra só ficou a gente diferenciada, quase todos com peles mais escuras e sotaques exóticos. É óbvio que, como qualquer exercício futurista que se preze, estamos falando do aqui e agora. A dicotomia Elysium/Terra é a mesma entre ricos e pobres, Primeiro e Terceiro Mundos, Estados Unidos e México. Foi neste último país que se rodaram boa parte das cenas, caracterizando as favelas do entorno da capital como a Los Angeles de 2154. Tudo isto me deixou salivando, mas "Elysium" se perde em cenas intermináveis de perseguição e luta. Dá para suspeitar que algum executivo de Hollywood ficava berrando "menos encucação! mais porrada!" nos ouvidos da equipe. O resultado é que o filme desbotou sua originalidade e se tornou mais um na multidão, o que talvez explique seu desempenho decepcionante nas bilheterias americanas. Por aqui, temos dois fortes chamarizes: Alice Braga, linda e competente como sempre, e Wagner Moura, fazendo bonito em sua estreia no cinema internacional. Mas é pouco para um projeto que nasceu tão ambicioso.

5 comentários:

  1. "É óbvio que, como qualquer exercício futurista que se preze, estamos falando do aqui e agora."

    Não entendo como você pode preferir a nova versão de Jornada nas Estrelas que são só tiros e explosões no espaço à versão original da série que era basicamente isso que você escreveu no começo do texto.
    (mas claro, como toda série que se prolongou por 4 spin offs, vai ter coisa que vai te fazer pensar, e lixo atômico espacial).

    ResponderExcluir
  2. Menines from heaven tomei um susto daqueles quando vi Alice e Wagner promovendo o filme aqui no Brasil, de Alice tudo ok, mas Wagner tá uma bicha-louca completa, nunca tinha visto ele tão baiano e com trejeitos malemolentes como na entrevista que deu p/ o Jô 1 semana atrás, até aquele vozeirão de locutor de rádio me soou como os trinados da Nanny People, o que deram p/ esse gajo beber lá nos EUA?

    ResponderExcluir
  3. Morri de tédio. Quero meu dinheiro de volta.

    ResponderExcluir
  4. Eu amo ficção científica, e filmes como este então, nem se fala. Também já li sobre esse lado mais decepcionante. Bom, mas quero ver com meus próprios olhos, então amanhã lá na sala de cinema eu estarei.

    ResponderExcluir
  5. achei o wagner meio clima de pirata do caribe. n convenceu mt não. n era charmoso, nem ruim, nem bom, nem cafajeste, sei lá entende? ele parece q nao sei, meu... alice meiq perdida, e o filme, ah o filme... fraco q nem chafé.

    ResponderExcluir