sexta-feira, 9 de agosto de 2013

ARE FRIENDS ELECTRIC?

Os Pet Shop Boys são extraordinariamente prolíficos. Raro é o ano em que não lançam alguma coisa. Nem que seja uma coletânea de lados B, uma seleção de remixes para outros artistas, um balé. Mas os discos oficiais de inéditas costumam ser espaçados: desde "Behavior", de 1990, que há um intervalo mínimo de três anos entre eles. Agora a regra se quebrou. Talvez por terem saído da gravadora Parlophone depois de 23 anos e lançado selo próprio, os PSB estão com álbum novo nas lojas apenas um ano depois do anterior. É tentador pensar que eles formam um díptico. "Elysium", de 2012, era tranquilinho e meio para baixo. O atual "Electric" é para cima, com mais ênfase nos arranjos do que nas letras. Um era mais Neil Tennant, o outro é mais Chris Lowe. E ambos começam com "El...". Mas não sei se a brincadeira se sustenta, pois não foram gravados ao mesmo tempo. O que importa é que é um disco divertido, sem nenhuma faixa fraca. Tem até cover de Bruce Spingsteen (!). O único defeito é que o produtor Stuart Price (a/k/a Jacques LuCont), que já trabalhou com Madonna, New Order e Kylie Minogue, podia ter ousado um pouco mais e trazido de vez os garotos para os tempos que correm. Também desconheço porque "Bolshy", a melhor música de todas, não está prevista para sair como single. O título tem conotações russas (Bolshoi? Bolshevique?) e eu cheguei a pensar que se tratasse de uma corruptela de bullshit, mas é uma gíria gay mesmo: quer dizer beligerante ou pouco cooperativo. Aaaah bom.

(Quer ouvir algo de "Electric"? Visiste estes posts do "Mundo em Meus Olhos")

17 comentários:

  1. O mio babbino caro
    Talvez o único defeito, é que os garotos, já não são tão garotos assim.

    ResponderExcluir
  2. Estou ouvindo esse album num repeat eterno, e tenho uma opinião um pouco diferente na questão da atualidade, acho que eles conseguiram pegar todos os elementos clássicos das músicas anteriores e fazer canções modernas com uma cara bem petshopboyzistica.

    Bolshy poderia muito ser single, mas a próxima escolhida, "Love is bourgeois construct" também é uma delícia.

    E "Vocal" é perfeição em forma de música.

    Já tem lugar garantido nos meus discos do ano

    ResponderExcluir
  3. Não aguentei e comprei o single de Vocal no iTunes. trocentos mil remixes mais bate estaca ainda. TEm até do Doritos Colocado (aka Nacho Chapado).

    ResponderExcluir
  4. Ah... e só eu e você vamos entender a referência ao Gary Numan no título, my dear electric friend.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gary Numan, de Cars? Essa música me dá arrepios, não sei pq...

      Excluir
    2. Essa referência super obscura, Gary Numan. Realmente é quase piada interna de vocês. ;P

      Excluir
    3. Daniel sempre tão esperto! Ai que orgulho!

      Excluir
  5. "Vocal" é PERFEITA: "I like the singer, he's lonely and strange". Very Pet Shop Boys.

    ResponderExcluir
  6. Ultimos trabalhos memoráveis ficaram nos 90 (Very, de 1993 e Bilingual, de 1996), não consegui evoluir p/ as estranhezas propostas para o seculo XXI, assim como vc ainda torço p/ que algum bom produtor consiga inseri-los nos dias que correm, mas tá difícil.

    ResponderExcluir
  7. E você nem pra reparar que Bolshy é uma Locomia Revisitada??? Vocal é a melhor do álbum...

    ResponderExcluir
  8. Do site do Wayne Studer:

    "Bolshy – This mainly British slang term—sometimes alternately spelled "Bolshie"—dates back to around 1915-1920. It has several different meanings, all of which are conceptually linked. As an adjective it can mean either "boisterous" and "noisy" or "stubborn" and "defiant." It can also refer to someone who is considered overly assertive. Also, as both an adjective and a noun, it can be used to refer to a radical, to radicalism, and to behavior stereotypically associated with radicals. This latter meaning, of course, points back to the origins of the term as a shorthand reference to the Bolsheviks, the extreme leftist socialists who led the early twentieth-century Russian Revolution and who evolved into the Russian Communist Party. But Neil himself mentioned in an interview that "bolshy" means "awkward," which therefore may have been what he specifically had in mind when writing the lyrics.

    One of my Russian site visitors has observed that the word "bolshy" itself is a very close approximation—in fact, the most common transcription into English (alternately as "bol'shy" or "bol'shye")—of a standard Russian word, больше, which means "more." So to Russian ears, it sounds as though Neil is singing "More, More, More" when he sings "Bolshy, Bolshy, Bolshy." In fact, it comes full circle, so to speak, when you consider that the word from which the English slang term "bolshy" is derived, "Bolshevik," is itself derived from the Russian word for "majority," болшинство (bolshinstvo), which in turn is etymologically linked to bolshy, "more." Neil, being something of an amateur student of Russian history and culture, may have been very well aware of all this in writing the lyrics—although, as far as I know at this time, he has alluded only to the aforementioned British slang meaning when talking about the song."

    ResponderExcluir
  9. Ai desculpa, apesar de saber do movimento novaiorquino do Pet Shop Boys, não consigo curtir, fico puto com aquelas bee que fica querendo pagar de intelectual fingindo que curte, eu prefiro Scissor Sisters adoro a bunda do Jake, tenho um gosto mais popularesco do que pra refinado, apesar de Pet Shop não ser taao assim popular, sou mais Hung Up apesar de não ter nada a ver...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo com vc, acho que o Pet Shop Boys já teve seu tempo de glória. Apesar de prolíficos em seu trabalho, o som parece ser o mesmo sempre e as referências cada vez mais intangíveis para o público em geral. Eles viraram a especialização da especialização, só pra quem realmente gosta.

      Excluir
    2. Imagina Nelson, pedir desculpas por expressar opinião, a que ponto se chegou, hoje não se poder dizer nada sem que caia uma enxurrada de raios em cima da pessoa não só nesse blog mas qualquer mídia, somos país livre e democratico, ainda que na teoria. Fato: PSB reedita estrangely os mesmos albuns como Gloria Perez escreve sempre as mesmas novelas e Roberto Carlos usa sempre azul e branco, mas e o Scissor... hein, tá começando a ficar alternativo demais por outro lado.

      Excluir
  10. 'love is a bourgeous contruct' é o compasso 4/4 de um álbum que fica assim por debruar a perfeição - e deixa muito lolito aé desejando 'hugs for him if he was born in the 80s' num gostô pegaell

    ResponderExcluir