segunda-feira, 5 de agosto de 2013

A MARÉ REVERSÍVEL

Um mito moderno assombra até as melhores cabeças deste país. Aquele que diz que, até 2020, os evangélicos serão mais do que a metade da população brasileira. Embutida neste "mais do que a metade" está a ameaça de uma ditadura evangélica, como se uma simples maioria obrigasse todo o resto a se converter. Já teve até artigo sério conjeturando que os nomes de santos que batizam muitos lugares seriam trocados (São Paulo, por exemplo, voltaria a se chamar Piratininga) e que até mesmo o carnaval seria proibido. Não é bem assim. Para começar, o Brasil tem uma consituição, e é para lá de improvável que a tal maioria neopentecostal consiga eliminá-la. Mais improvável ainda é que esta maioria de fato se concretize. As projeções que circulam por aí simplesmente assumem que o atual ritmo de crescimento - que inclusive diminuiu nos últimos dez anos - se prolongue indefinidamente, como se fosse um vírus incurável. É o erro que comete o gráfico aí acima. Não leva em consideração um montão de variáveis, como a dificuldade que as neo-igrejas têm em penetrar nas classes mais favorecidas. Ou os escândalos que corróem a credibilidade de denominações como a Maranata, cuja cúpula foi presa no Espírito Santo. Até mesmo falastrões como Malafaia ou Feliciano acabam depondo contra. Não é pequeno o número de evangélicos que rejeitam essas figuras, e certamente que elas não ajudam a conquistar novos fiéis. Para coroar, a recente visita do papa deve dar uma freada nesse crescimento.  O desagrado que muitos pastores têm manifestado só confirma que o golpe foi acusado. Por isto, vamos parar com essa bobagem de achar que os fundamentalistas são invencíveis. Isto é fazer o jogo deles. É enfiar o rabo entre as pernas. Aposto que a proporção de crentes se estabilizará entre 20 e 30% da população, cifra semelhante à dos Estados Unidos. É um número enorme e de grande força política, mas não o suficiente para impor suas regras sobre todo o Brasil.

33 comentários:

  1. Exatamente. Essa projeção até poderia ser levada em consideração se não houvessem muitos fatores que não permitirão que ela se realize. Primeiro, a queda da taxa de crescimento deles, de 120% de 1991 a 2000 para 61% de 2000 a 2010 (acho que até 2020 será no máximo 25%, tomara rsrs); Eles somam hoje 28% segundo o gráfico, porém são muitas divisões entre si, sendo a maior delas a Assembleia de Deus com 12 mi segundo li. Isso faz com que haja muita disputa entre as igrejas e acabe por piorar o lado deles. A população está se cansando da invasão de "princípios" religiosos na vida pública e ficando cada vez menos ignorante, assim como ocorreu com os europeus ocidentais, começando, então, a abandonar as igrejas sendo que uns até viram ateus ou agnósticos; a imagem dos evangélicos em geral está manchada devido a todos os últimos acontecimentos e por fim, muitos dos abonados e da classe média não seguem ou seguiriam tais doutrinas, já sabemos porquê. E mesmo com o crescimento da população, não será suficiente para avolumar ainda mais o índice. Assim prevejo uma estabilização antes mesmo de chegarem ao número de católicos de hoje, ainda que estes cairão mais no percentual. Seremos um país secular, amém.

    ResponderExcluir
  2. O carisma de Francisco não vai frear a queda no número de católicos.Na época do carismático João Paulo II o número de católicos caiu bastante no Brasil e no mundo.

    ResponderExcluir
  3. Continuando:acho melhor as pessoas nas igrejas do que na solidão,depressivas,nas drogas ou na criminalidade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Então é assim que o mundo funciona? Ou você tem uma religião ou é um solitário, deprimido, drogado ou criminoso?

      Ou, então, se as religiões se concentrassem em ajudar esse tipo de pessoa, fariam melhor seu papel, ao invés de se meter em assuntos que não lhe dizem respeito!

      Excluir
    2. Problema não é a reza ou ritual dos cultos e missas, é o que está embutido por trás de qualquer religião que se baseia no antigo testamento p/ condenar gays. Primeiro momento igreja acolhe para, logo em seguida, começar a tentar 'reverter' orientações sexuais, como se houvessem botõezinhos para isso, é neste momento que a religião assina sua sentença de morte para maioria dos gays nascidos em lares católicos ou evangélicos... Os que insistem em 'se curar' lá pelas tantas estão todos frustrados, sentindo-se enganados e lesados por gente como a gente que se apresenta com cartão de assessor de Deus p/ julgar até mesmo algo que está alem deles próprios, como é o caso da homossexualidade. Religião só deixará de ser um erro quando entender que há coisas que a fé interfere e outras não... Mas isso aí para o 'povo de Deus' já é pedir demais.

      Excluir
  4. Minha preocupação é a eleição de um presidente evangélico, como Marina Silva, por exemplo. Isso seria duplamente pernicioso pois, além de chefiar o executivo, teria o poder de indicar os ministros do STF. Agora imagine evangélicos xiitas no STF.
    Muitas das conquistas atuais em temos de direitos humanos são mérito do STF.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim Marina é um perigo, mesmo os fãs mais ardorosos dela no Acre borram as calças porque sabem quem ela na real, o que quer e a que interesses ela serve, tão preocupada com a 'cura gay' quanto qualquer outro evangélico de plantão.

      Excluir
    2. Sim, um presidente evangélico é filme de terror que espero não assistir.

      Excluir
  5. Nossa, sou agnóstico e não sou solitário, nem deprimido, nem drogado e muito menos criminoso. E não devo ser o único...

    ResponderExcluir
  6. Esse gráfico aí me lembra a projeção do Fraga, personagem fictício de "Tropa de Elite 2", onde ele provava por A+B que dentro de algumas décadas mais de 90% da população estaria atrás das grades...

    ResponderExcluir
  7. Na verdade não tem muito mais o que crescer não. Não temos tantas pessoas dispostas a doar 20, 25% dos seus ganhos financeiros para as igrejas neopentecostais. E é mais ou menos isso que eles pedem entre dízimos, livros, CDs, DVDs, TV por assinatura, ofertas especiais e mimos do tipo mini colunas do templo (pela baguatela de R$ 200,00). Se a pessoa ganha R$ 1.000,00 é bem capaz dela deixar R$ 250,00 para Igreja todo mês. Agora imagine se alguém que ganha R$ 10.000,00 vai deixar R$ 2.500,00 mensalmente para os pastores. Nunquinha! Que a renda dos brasileiros suba cada vez mais e que eles acordem para deixar de ser exploradas por esses charlatões.

    ResponderExcluir
  8. A historia ensina que nunca se deve duvidar de nada. Tudo é, por mais absurdo que pareça, possível. Enquanto Hitler galgava cargos na surdina através de assassinatos estratégicos e fomentação de intrigas políticas, todos diziam em tom de deboche coisas tipo 'imagine a Alemanha de Nietzsche, dos grandes pensadores e artistas de vanguarda, blá blá blá... jamais vai admitir os desmandos desse louco que nem alemão é...' O resto a gente já tá cansado de saber... Evangélicos tem o pior fundamentalismo que possa existir: o religioso, nem católicos xiitas chegam no dedo mindinho dos evanjas nesse quesito, assim como a Regina Duarte em seu bordão célebre, só uma palavra me vem a mente sobre esse futuro fabuloso que o 'povo de Deus' arquiteta nos interiores de seus templos: MEDO.

    "Juro que me fecho em meu armário e jogo a chave fora, juro juro juro..." (Félix Khoury)

    ResponderExcluir
  9. Mesmo que aumente, existem vários tipos de crentes e várias Igrejas. Os radicais não são maioria. O que pode acontecer é o mesmo que acontece nos EUA, maior influencia na política. Só não entendi o indivíduo que disse que prefere alguém que vai a igreja, do que alguém depressivo, drogado e sozinho. Não posso ser depressivo, drogado, sozinho E ir a Igreja? #chateado

    ResponderExcluir
  10. Ai o chato, gente, é vislumbrar um Brasil cheio de evangélicos e...ateus!

    ODEIO ATEU ATIVISTA, pqp. Ninguém merece. Tinham que descer do pedestal e perceber o quão miseráveis eles são numa imensidão universal e quão incapazes são para determinar a inexistência de Deus.

    Só agnosticismo salva.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Deixa eu ser ateu joãzinho.

      Excluir
    2. Apoiado, João. Os gays têm uma diferença histórica com religião, difícil de superar.
      Já com as forças armadas, onde foram muito mais execrados do que na Igreja, não acontece o mesmo: adoram uma farda e estampado de camuflagem, e até lutam na justiça para permanecer na tropa.
      Mas Madonna é apenas uma ubber cantora, nunca a mãe do JCristo.

      Excluir
    3. São incapazes de determinar a inexistência de Deus e também dos unicórnios, sacis e mulas sem cabeça, neamm? O fato de vc não provar que algo inexiste não significa seu oposto. Prefiro o agnosticismo ao ateísmo, mas este último segue uma lógica bem mais plausível do que a dos religiosos.

      Excluir
    4. Danny, Deus não é uma pessoa ou uma criatura, mas sim um conceito abstrato...então é mais difícil dizer se não existe, ainda mais considerando a total falta de sentido que é existir.

      Excluir
    5. Essa concepção deísta, de Deus como a força motriz do universo em vez de um ser antropomórfico, também é meio vaga demais, qualquer coisa cabe nisso. E vc também não pode provar que Deus não é aquele velhinho de barba branca, que fica lá encima, cuidando de tudo e de todos...Enfim, a discussão é infinita...

      Excluir
    6. Odeio agnóstico que não desce de cima do muro.

      Excluir
  11. Isso é verdade, os evangélicos jamais serão maioria da população no Brasil! Essas projeções foram feitas a partir da taxa de crescimento deles no anos 90, que foi extraordinária. Agora, isso já não acontece mais... Entretanto, dificilmente, a Igreja Católica conseguirá frear a queda no número de fiéis, e isso não só no Brasil, mas no mundo todo. Isso deverá acontecer com os evangélicos também, meus companheiros. Todo crescimento é limitado, e num futuro próximo eles se estabilizarão, provavelmente, entre 25% a 30% da população ,e começarão a declinar, como já vem acontecendo nos EUA. As causa pra esse fenômeno são várias, mas incluem principalmente o aumento da escolaridade, a melhoria da renda, a globalização, aumento da crença na ciência... E viva o estado laico! Gostaria de estar vivo em 2100 pra saber o cenário religioso aqui. rs . Aposto em mais de 50% sem religião

    ResponderExcluir
  12. Podem nao ser maioria. Mas 30% da população já é mais do que suficiente para sufocar as verdadeiras minorias

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não é não. Nos Estados Unidos eles têm sofrido uma derrota política atrás da outra.

      Excluir
    2. Aqui é o Brasil e não os EUA. E volte daqui a 5 anos e me diga se isso não aconteceu.

      Excluir
    3. Voltarei e direi: não aconteceu, tralalala.

      Excluir
  13. Há um entendimento de que o aumento de evangélicos está ligado à baixa escolaridade da população. Mais uma razão para se exigir melhor gestão para a educação.

    ResponderExcluir
  14. O mio babbino caro
    Existem também drogas pra dormir
    E ver os perigos no meio do mar
    No sono pesado, tudo meio drogado
    Existem pessoas turvas, pessoas que gostam

    E eu tô de azul e amarelo
    Amarelo, azul e amarelo

    ResponderExcluir
  15. Os crentes olharão para esse gráfico e calcularão que, em 2060, eles serão 130% da população.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Redondamente enganado meu caro em 2060 os crentes estarão em lugar muito melhor do que este planeta e vocês ateus poderão desfrutar de tudo que deixarmos por aqui.

      Excluir
    2. É mesmo? O "rapture" está marcado para 2060? Uêbaaa! Um mundo sem fanáticos religiosos, já pensou que legal?

      Excluir
  16. Nunca vi tantos comentários bestas em um só post. Vocês estão todos de parabéns.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olha, comentários bestas mesmo foi só de um anônimo que apareceu em abril.

      Excluir