quarta-feira, 31 de julho de 2013

THELMA E KHADIDJA

Nunca mais ninguém vai conseguir fazer um filme sobre duas mulheres pegando a estrada sem ser comparado a "Thelma & Louise". Talvez nunca mais ninguém devesse fazer um filme sobre duas mulheres na estrada, já que o clássico de Ridley Scott meio que esgotou o assunto para todo o sempre. "Simplesmente uma Mulher" não chega nem perto. O diferencial aqui é que uma delas é de origem árabe (interpretada pela linda atriz iraniana Golshifteh Farahani, que no entanto não convence em inglês). A outra é feita pela inglesa Sienna Miller, uma atriz que consegue a façanha de ser lmuito bonita e pouco marcante. A dupla foge dos problemas domésticos fazendo shows de dança do ventre em espeluncas do Meio-Oeste americano, não exatamente o lugar do planeta onde essa arte é mais apreciada. O diretor franco-argelino Rachid Bouchareb já foi duas vezes indicado ao Oscar de melhor filme em língua estrangeira, mas aqui ele imprime um ritmo que se pretende feminino mas é só vagaroso mesmo. E quem foi o gênio que traduziu "Just Like a Woman", título original do filme e também de uma canção de Bod Dylan, para "Simplesmente UMA Mulher" quando se trata de duas?

Um comentário:

  1. O valor de Thelma e Louise é inegável, mas o que me irrita no filme não é apenas o fato de que homem nenhum presta mas também de representarem os piores defeitos da humanidade.

    ResponderExcluir