terça-feira, 16 de julho de 2013

LARANJINHA BÁSICO

Graças ao Ailton Botelho do Vipado, ontem fui ao coquetel de lançamento da minha nova série favorita de todos os tempos desta semana, "Orange is the New Black". E tive a sorte de conversar por quase meia hora com Piper Kerman, a autora do livro que deu origem ao programa. Quase tudo que vemos no Netflix aconteceu de verdade com ela: ajudou a namorada traficante, passou um ano e pouco na cadeia, deixou o namorado esperando (e hoje é casada com ele). Muitas das personagens também são reais, como a russa, a transsexual ou a cancerosa. Piper se disse encantada com São Paulo e ainda mais com a vida que leva hoje. Ela é consultora da série e também trabalha com filantropia, além de manter amizade com várias de suas ex-colegas de cárcere. Foi um papo tão interessante que acabei de encomendar o livro.

10 comentários:

  1. Muito legal. E estou amando o seriado.
    Tem como viver sem Netflix agora, Tony?
    Não sei se você leu, mas o Netflix inscreveu três séries para o Emmy desse ano: "House of Cards", "Hemlock Grove" e "Arrested Development". Caso alguma consiga indicação, será um marco na história da premiação. Um seriado indicado tendo como habitat natural a Internet.
    Interessante seria o Netflix começar a produzir conteúdo tupiniquim.

    ResponderExcluir
  2. ela ajudou a namorada ou namorado? vc falou em namorada e depois namorado, é bi...ou foi erro de digitacao?

    ResponderExcluir
  3. Alias Tony, sua make up ta meio que assim...nao fanta but indio apache

    ResponderExcluir
  4. Sabe adoraria assistir essas e outras, invejo do fundo coração quem consegue ter tempinho p/ tv e outras comodidades, mal consigo ler os livros que pus na minha shoplist do verão passado... Anyway feliz por vc, legalzaço p/ sua área conhece-la num evento como estes.

    ResponderExcluir
  5. Só vi o primeiro episódio, a make me incomodou muito (sim, sou uma bicha), mas a criadora é a mesma de Weeds, então, vou ter que assistir.

    ResponderExcluir
  6. “Eu acho que o maior desafio foi que, embora o livro tivesse personagens deliciosos e fosse uma ótima leitura, ele era relativamente livre de conflitos”, conta Jenji. “Tivemos que deixá-lo mais dramático para a televisão. "

    http://rollingstone.uol.com.br/noticia/orange-is-the-new-black-oito-curiosidades/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade. Estou lendo o livro agora. É ótimo, mas bem mais zen que a série de TV.

      Excluir