quarta-feira, 10 de julho de 2013

DIA DA PIZZA

Faltaram três votos para ser aprovada no Senado a PEC que, entre outras coisas, proibia que os senadores indicassem cônjuges ou parentes próximos como suplentes. Oito dos dezesseis suplentes votaram contra. Num Brasil ideal, nem existiria a suplência: senador deixou o cargo por qualquer motivo, convoca-se uma nova eleição (nos EUA é assim). Mas temos tanto medo de romper a ordem institucional, traumatizados que somos, que acabamos entregando aos próprios parlamentares a missão de mudar as regras das quais eles mesmos se beneficiam. Taí o resultado. Foi só o barulho das ruas diminuir um pouquinho para tudo seguir como dantes no quartel d'Abrantes. Portanto, proponho uma nova PEC (há mais de uma centena em tramitação, uma a mais não faz diferença). Que esqueçamos o 7 de setembro e passemos a comemorar o Dia da Pátria justo hoje, 10 de julho. Aceita borda recheada de mussarela?

ATUALIZAÇÃO: Suspende a pizza. Acaba de sair a notícia que, assutado com a má repercussão, o Senado voltou atrás e aprovou a PEC, que agora segue para a Câmara. Os 46 votos a favor de ontem se transformaram hoje em 64, 15 a mais do que o necessário. Meno male, mas a suplência continua.

9 comentários:

  1. prefiro bora com catu...pode ser?? rsrsrs

    ResponderExcluir
  2. Flash news: parece que voltaram atrás.
    Podia, no mínimo ser como a Câmara. Chama-se o deputado que não foi eleito logo abaixo na fila de espera.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acabei de ver no "JN" e atualizei o post.

      Agora, não acho que tenha que ser como na Câmara, não. Já pensou se sobe um cara com posições diamentralmente opostas ao que foi eleito? E se o segundo lugar tiver tido uma fração dos votos que elegeram o primeiro? O justo mesmo seria uma nova eleição.

      Excluir
    2. Veja oque foi o caso do Clodovil né. O coronel Jairo Paes de Lira (PTC-SP).

      Excluir
    3. na verdade, entraria o segundo colocado dentro dos votos recebidos pelo partido/coligação
      (naquele mesmo esquema de coeficiente eleitoral que a gente já conhece para todo o resto do legislativo).

      Excluir
  3. A borda não seria de catupiry?

    ResponderExcluir
  4. Acho que nos EUA, quando o senador sai, o governador nomeia o sucessor.
    Me lembro de um caso em que o governador recebeu grana, foi descoberto e teve de renunciar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O ex-governador de Illinois, Rod Blagojevic, foi cassado por
      pedidos de suborno em troca da cadeira de Senador deixada por Barack Obama.

      Excluir
  5. Manter uma democracia democrática já dá um trabalho do caralho. Imagine então consertar uma democracia carunchada e viciada.
    Só dizendo como um leitor do blog 'Meus sais! Não tenho saúde para ser democrata'.

    ResponderExcluir